Feitosa Costa

22 de fevereiro de 2018

Prefeito do Piauí é preso com Hilux roubada em Recife

Picape tinha placas PKE-4124/BA, clonadas de outro veículo de Salvador (BA)

Toyota Hilux apreendida com prefeito de Santo Antonio de Lisboa 
 Foto: PRF

A Polícia Rodoviária Federal no Piauí prendeu, na manhã desta quinta-feira (22), na Avenida João XXIII, na zona Leste de Teresina, o prefeito de Santo Antônio de Lisboa, Welington Carlos Silva, que dirigia uma Toyota Hilux branca, placas PKE-4124/BA, clonadas de uma outra picape que circula em Salvador, na Bahia. 

“Após fiscalização detalhada constatou-se que se tratava de um veículo Toyota/Hilux, de cor branca, de placas PDZ-1332/PE com ocorrência de roubo/furto [registrado em Recife]. O condutor foi encaminhado para a Central de Flagrante”, relata o boletim da ocorrência da PRF. 

O prefeito Welington Carlos Silva foi autuado na Central de Flagrantes, em Teresina, por receptação. Na delegacia, o prefeito alegou ter recebido a caminhonete como pagamento de uma dívida. A Hilux foi apreendida e levada para a sede da Superintendência da Polícia Rodoviária Federal, na Av. João XXIII. 

Picape roubada tinha placas PKE-4124/BA, clonadas de outro veículo de Salvador (BA)
 Picape roubada tinha placas PKE-4124/BA, clonadas de outro veículo de Salvador
 (BA) [Foto: PRF-PI] 



Fonte: PRF 

COMENTE!

Major e soldados da PM-MA são presos por participar de quadrilha

O secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela e o comandante da PM, coronel Pereira, comandaram pessoalmente a operação.

Operação realizada desde a madrugada de hoje resultou na prisão de 10 pessoas entre militares e civis, incluindo um major e dois soldados da PM-MA. O secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela e o comandante da PM, coronel Pereira, comandaram pessoalmente a operação. 


 Foto: Reprodução 

A Superintendência de Combate à Corrupção autuou em flagrante os militares e mais seis civis. O fato aconteceu no Porto do Arraial, no Quebra Pote, zona rural de São Luís. Duas carretas, uma camionete e um automóvel foram apreendidos. Também estavam no local armas, como escopetas, pistolas, revólveres, uisque e cigarros. Os nomes dos militares não foram revelados.

O local serve para embarque e desembarque de produtos roubados e, por isso, existe um porto clandestino. O grupo preso, segundo a polícia, funciona como milícia. Aguardem nova informações.

 
 Foto: Reprodução

 
 Foto: Reprodução  



Fonte: Blog do Luís Cardoso 

COMENTE!

PF deflagra Operação Integração, primeira Lava Jato de 2018

A Integração cumpre 50 mandados de busca e apreensão e sete de prisão temporária nos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo

PF deflagra Operação Integração, primeira Lava Jato de 2018 
 Foto: Reuters  

A Polícia Federal *PF) deflagrou uma nova fase da Operação Lava Jato nesta quinta-feira, 22, a primeira em 2018. A 48ª etapa, Operação Integração, mira corrupção em concessão de rodovias federais no Estado do Paraná que fazem parte do "Anel da Integração". A ação tem o apoio de servidores da Receita Federal e membros do Ministério Público Federal.  

A Integração cumpre 50 mandados de busca e apreensão e sete de prisão temporária nos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo.

Em nota, a PF informou que detectou, nas investigações da Lava Jato, o uso de estruturas de lavagem de dinheiro para operacionalizar recursos ilícitos pagos a agentes públicos, principalmente por meio dos operadores financeiros Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran (ambos investigados na operação).

Uma das concessionárias usou os serviços de Assad e Tacla Duran para operacionalizar, ocultar e dissimular valores oriundos de atos de corrupção. Dentre os serviços prestados por estes operadores está a viabilização do pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos do DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, DER/PR - Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná e Casa Civil do Governo do Estado do Paraná.

A ação tem por objeto a apuração, dentre outros, dos crimes de corrupção, fraude a licitações e lavagem de ativos.



Fonte: Com informações do Estadão Conteúdo.


COMENTE!

21 de fevereiro de 2018

Dr. Pessoa deixa o PSD e vai para o Rede Sustentabilidade

Deputado vai a Brasília conversar com a ex-senadora Marina Silva

Resultado de imagem para Dr. Pessoa 
 Dr. Pessoa (Foto: Reprodução)

O deputado estadual Dr. Pessoa Leal, ainda no PSD, vai mesmo mudar de partido e ingressar no Rede Sustentabilidade. Dr. Pessoa revela que as conversas com o Rede esstão concluída no Piauí, precisando apenas serem avalizadas pela direção nacional do partido. 

"Está confirmado a minha ida a Brasília para conversar com a ex-senadora Marina Silva. Eu não sei as coisas aqui estão fluindo bem em relação ao partido Rede Sustentabilidade. Agora lá em Brasília é uma outra etapa de conversação. Espero que essa outra etapa seja salutar, seja amável, seja uma conversa para se convergir ainda mais [para uma filiação] até bater o prego e virar a ponta", adiantou Dr. Pessoa. 

Na semana passada, Pessoa estave com o presidente do PSD no Piauí, Júlio César Lima, e comunicou a ele e ao partido que estava encerrando definitivamente o comprimisso que tinha com uma eventualc andidatura do deputado federal a senador e que deveria deixar a legenda, o que se confirmou nesta quarta-feira (21), nas várias entrevistas que o pré-candidato a governador concedeu na Assembleia Legislativa. 



Fonte: Paulo Pincel
PiauiHoje.com 

COMENTE!

Baixas na Rede podem tirar Marina Silva de debate

Deputados federais Alessandro Molon (RJ) e Aliel Machado (PR) negociam a filiação ao PSB

Baixas na Rede podem tirar Marina Silva de debate 
 Foto:Nacho Doce/Reuters

A possibilidade de a Rede perder dois deputados iniciou uma ofensiva de Marina Silva no Congresso para atrair novos parlamentares para a sigla. O motivo é que, com as baixas, o partido da pré-candidata à Presidência não teria o número mínimo de cinco representantes para a participação dela nos debates eleitorais na TV, conforme regra aprovada no ano passado durante a reforma eleitoral.

Os deputados federais Alessandro Molon (RJ) e Aliel Machado (PR) negociam a filiação ao PSB, a convite do presidente da legenda, Carlos Siqueira. A expectativa é de que o anúncio ocorra ainda nesta semana.

Com a saída deles, o partido de Marina fica com apenas três parlamentares no Congresso: os deputados Miro Teixeira (RJ) e João Derly (RS) e o senador Randolfe Rodrigues (AP).

Apesar da preocupação, a Rede tem conversas avançadas com pelo menos dois parlamentares, sendo um deputado e um senador. De acordo com interlocutores, a própria Marina tem conduzido as reuniões, na sede do partido, em Brasília. O último encontro ocorreu ontem e os nomes ainda são tratados com sigilo.

Além de assegurar Marina nos debates entre os presidenciáveis, os convites para parlamentares têm como objetivo fortalecer o partido em Estados no quais, hoje, a sigla não tem representação. Coincidentemente, o PSB era um dos partidos procurados pela Rede para negociar possível aliança na eleição presidencial.

Apesar de ainda não anunciada, a filiação de Molon e Aliel é dada como certa nos bastidores dos dois partidos. Pelo lado do PSB, dirigentes confirmam, em condição de anonimato, que eles já aceitaram o convite para integrar a legenda e o anúncio só não foi feito ainda por uma questão de divergências de datas.



Fonte:As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


COMENTE!

Ciro prestigia inauguração de reforma de hospital em Luzilândia

Ciro Nogueira estava acompanhado de Margarete Coelho e Florentino Neto

Inauguração de reforma em Luzilândia 
 Foto: Assessoria

O senador Ciro Nogueira esteve no final de semana na cidade de Luzilândia, a 250 km ao Norte de Teresina, onde participou da solenidade de inauguração da reforma e ampliação do Hospital Estadual Gerson Castelo Branco. 

Ao lado da vice-governadora Margarete Coelho, do secretário estadual de Saúde, Florentino Neto, da secretária de Infraestrutura, Janaína Marques, entre outros, o senador acompanhou ainda a entrega de equipamentos e de uma ambulância para o hospital. 

O secretário Florentino Neto fez questão de agradecer, em nome do governador Wellington Dias e de todo o corpo do hospital, o quanto o senador fez pela saúde não só deste, mas dos centros de saúde de todo o estado. 

“Graças ao que o senador Ciro Nogueira colocou como recursos para este hospital, por exemplo, o atendimento à população sera dobrado”, afirmou Florentino. O senador disse que a área da saúde sempre estará entre as prioridades de seu mandato: “A partir da instalação destes equipamentos e da entrega das salas, este passa a ser um novo hospital, com um melhor entendimento a nossa população”. 

Além da inauguração de salas, reforma e ampliação do hospital, e entrega de ambulância, o hospital receberá mais R$ 4 milhões conseguidos graças a um trabalho da bancada, mas sobretudo por força e intermédio do senador Ciro Nogueira. 


Fonte: Assessoria Parlamentar 

COMENTE!

Vereador Dudu defende comissão para fiscalizar transporte

Vereador propõe que comissão de vereadores visite terminais de integração

Reunião de Comissão 
 Foto: Icone

A mobilidade urbana foi o principal ponto abordado pelo vereador Dudu (PT) durante a sessão na Câmara Municipal de Teresina (CMT) na manhã de hoje (20). Segundo o vereador, enquanto não é aprovada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o sistema de transporte público da capital, é necessário buscar explicações das autoridades competentes para orientar a população sobre as mudanças implantadas. 

E para prestar esclarecimentos acerca do transporte e da mobilidade urbana em Teresina, o parlamentar em articulação com os vereadores da oposição, acertaram a presença do gestor da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito - STRANS, Carlos Daniel. A proposta é que o Superintendente explique para os vereadores e a população, as principais mudanças que serão realizadas no transporte público em Teresina. 

“Estamos vivendo um caos no sistema de transporte público da cidade, temos aqui uma CPI com oito assinaturas, faltando duas para que seja instaurada. Mas enquanto não vem, uma discussão precisa ser feita. A integração de Teresina, os corredores exclusivos e as paradas de ônibus, são os temas que precisamos discutir nessa Casa, para inclusive termos o entendimento correto para dar as respostas que o povo quer. A população reclama e reclama com sua devida verdade e às vezes por falta de informação. Eu não vou ser demagogo e dizer que com as mudanças impostas, não teremos problemas, até adequação nós teremos. Sei que precisa de tempo, de que a gente possa dá esse tempo para que esse sistema possa ser testado na plenitude e aí sim, depois dele funcionando, podemos pontuar esses problemas e buscar as melhores soluções possíveis, mas agora também precisamos discutir o que está sendo feito, afirmou Dudu. 

Além disso, Dudu também propõe que seja criada uma comissão composta por vereadores para visitar terminais, paradas de ônibus, conhecer todo o sistema e também ouvir a população. “Quem usa o transporte público de Teresina diariamente tem muito a dizer, tem muito a acrescentar nessa discussão e por isso proponho a criação dessa comissão de vereadores para que possamos conhecer a realidade do sistema, como funciona no cotidiano e assim buscarmos soluções viáveis para os problemas apontados pelos usuários”, pontuou. 

 Convênio  

Na manhã de hoje, o vereador também acompanhou a assinatura do convênio entre a Câmara TV e a TV Assembleia. Com o acordo, a Câmara Municipal de Teresina passará a contar com um programa de diário para repercutir as ações do legislativo municipal. A parceria se inicia com um programa diário que será exibido por meio do canal 16.2. 

Para o presidente da Assembleia Legislativa do Piauí (ALEPI), deputado Themístocles Filho, a iniciativa aproxima mais os vereadores, resultando em um trabalho mais transparente. Para o presidente da CMT de Teresina, vereador Jeová Alencar, essa iniciativa é mais uma desenvolvida para tornar a CMT mais transparente, uma nova plataforma para mostrar como os vereadores vêm trabalhando pela cidade e um grande passo para o legislativo municipal. 



Fonte: ícone COmunicação 

COMENTE!

20 de fevereiro de 2018

Luciano Nunes cobra pagamento de terceirizados do Estado

Segundo o parlamentar, os servidores estão há mais de dois meses sem receber os salários

 
 Deputado Luciano Nunes (Foto: Reprodução Alepi)

O deputado Luciano Nunes (PSDB) cobrou, durante a sessão plenária desta segunda-feira (19), o pagamento dos funcionários terceirizados do Estado. Segundo o parlamentar, os servidores estão há mais de dois meses sem receber os salários e o ticket alimentação e estão passando necessidades.

“Eu recebi há pouco em meu gabinete o senhor Tiago Reis, que é um dos diretores do Sindicato dos Terceirizados do Estado do Piauí e me relatou a situação dramática que esses servidores estão passando nos últimos meses, sobretudo os que trabalham na UESPI, HGV, na Junta Comercial e no DETRAN. Esses funcionários estão em greve, comprometendo o funcionamento desses órgãos, por estarem com dois meses de salários e ticket alimentação em atraso. Naturalmente as empresas não repassam os pagamentos porque o Governo tem atrasado seus pagamentos”, disse Luciano Nunes.

O deputado ainda denunciou que os terceirizados estão sofrendo a pressão dos órgãos para que voltem a trabalhar sem ter a sua contrapartida em dia.

“Eu apelo ao Governo do Estado e ao Secretário de Fazendo que repasse esse dinheiro para os órgãos que tem essas empresas contratadas para minimizar e aliviar o sofrimento desses piauienses terceirizados do Piauí”, finalizou Luciano Nunes.

 

Laryssa Saldanha
Edição: Katya D’Angelles
Fonte:Alepi 

COMENTE!

Robert Rios critica pesquisa eleitoral para o Governo do Estado

Robert acusou o governador Wellington Dias de se preocupar apenas com pedidos de empréstimos, aumento de impostos e campanha eleitoral

Imagem relacionada 
 Deputado Robert Rios (Foto: Reprodução)

O deputado Robert Rios (PDT) classificou de mentirosa a recente pesquisa eleitoral divulgada pelo jornal Meio Norte, em que o governador Wellington Dias desponta com 70% de aceitação e o prefeito Firmino Filho e o deputado Dr. Pessoa com menos de 1%, cada. Ele disse que a pesquisa foi realizada em 26 de janeiro e divulgada somente em 19 de fevereiro, lembrando que na data da realização da pesquisa o pré-candidato Luciano Nunes estava com apenas 48 horas de lançado.

Robert Rios acusou o governador Wellington Dias de se preocupar apenas com pedidos de empréstimos, aumento de impostos e campanha eleitoral, quando o governo está devendo quatro meses aos terceirizados, com problemas na Segurança, na Saúde e na Educação, além do atraso no pagamento às empresas que fazem o transporte escolar. Ainda sobre a pesquisa, o deputado disse que um ponto crítico foi o deputado João Madison, do PMDB, aparecer como o segundo colocado para o Governo do Estado.

Ao iniciar seu pronunciamento, o deputado Robert Rios criticou a rapidez com que a Assembleia aprovou a autorização para o governador Wellington Dias viajar a Portugal, quando não havia sequer quorum regimental. Ao mesmo tempo, ele desejou que o governador retorne mais sensível à situação grave de atraso aos terceirizados e de tudo o que vem atingindo a população, especialmente no interior do Estado, onde os prefeitos estão insatisfeitos com a não realização das obras que o governador autorizou.

O deputado Dr. Pessoa (PSD) ofereceu aparte para lamentar a falta de respeito da pesquisa pelos candidatos concorrentes do governador. Para ele, o instituto que fez a pesquisa devia ser processado. O deputado Marden Menezes (PSDB) também aparteou o orador, lamentando que a pesquisa tivesse apontado apenas 03% para o Dr. Pessoa. Ele disse que a aceitação do Dr. Pessoa, do prefeito Firmino Filho e do deputado Luciano Nunes junto à população é um fato concreto.

Outro aparteante foi o deputado Gustavo Neiva (PSB), que disse ter viajado pelo interior, durante o carnaval, onde pode constatar placas indicando obras que nunca foram iniciadas, situação de penúria nos hospitais, terceirizados com quatro meses de atraso, transporte escolar também atrasados em três meses. Para Gustavo Neiva, o povo jamais daria 70% para o governador Wellington, destacando o fato de que, na referida pesquisa, os que não quiseram opinar foram 64%.

O deputado Luciano Nunes (PSDB) Disse em aparte que não tinha muito a acrescentar sobre o que disse o colega Robert Rios, mas fez questão de frisar que se tivesse obtido apenas um voto na pesquisa, ainda assim estaria motivado para a campanha. Ele considerou que diante dos atrasos do governo no pagamento dos terceirizados, situação crítica da Segurança e na Saúde, além da falta de planejamento, somente o governador tende a cair na aceitação popular e a oposição a crescer.

 

Raimundo Cazé
Edição: Katya D'Angelles
Fonte: ALEPI 

COMENTE!

19 de fevereiro de 2018

Meirelles reitera que 'prioridade número um' é reforma da Previdência

Ministro da Fazenda disse também que o governo não tem plano B

 
 Foto: Reprodução

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (19) que a reforma da Previdência continua sendo a “prioridade número um” do governo, mesmo com a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. “Evidentemente que, se as lideranças do Congresso concluírem que a reforma da Previdência tem voto suficiente para ser aprovada, a ideia, inclusive já anunciada pelo presidente da República, é tomar uma medida que viabilize a votação da Previdência, atendidos todos os requisitos da Constituição”.

Meirelles disse ainda que o governo não trabalha com um plano B. “Acho que antes de se definir o número de votos e se é possível aprovar, acho que não cabe ficarmos discutindo planos B, porque isso serviria evidentemente para desviar a atenção do fundamental que é a aprovação da reforma”.

Assinado na sexta-feira (16) por Temer, o decreto de intervenção na segurança do Rio de Janeiro será votado pelo plenário da Câmara dos Deputados hoje, em sessão deliberativa extraordinária, convocada para as 19h. Caso o Congresso Nacional aprove a intervenção, fica impedido, pela Constituição Federal, de aprovar quaisquer propostas de emenda à Constituição (PEC) – como é o caso da reforma da Previdência – enquanto a intervenção vigorar.

A ideia do governo, conforme explicou Meirelles, é interromper a intervenção federal, substituindo-a por um decreto do governo do estado capaz de manter a estrutura colocada pelo Exército e, após votada a reforma, retomar a intervenção federal.

A reforma propõe a adoção de uma idade mínima para aposentadoria – de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres – e regras de transição com intuito de equilibrar as contas públicas para os próximos anos. Conforme a proposta, trabalhadores do setor privado e servidores públicos deverão seguir as mesmas regras, com um teto de R$ 5,5 mil para se aposentar, e sem a possibilidade de acumular benefícios. Para trabalhadores rurais, idosos e pessoas com deficiência, sem condições de sustento, as regras não sofrerão mudanças.

Por se tratar de uma PEC, para ser aprovada, a reforma da Previdência precisa ter o apoio de três quintos dos 513 deputados, ou seja, 308 votos, em dois turnos de votação.

Crise e segurança

Para o ministro, a crise fiscal pela qual passa o país está relacionada à crise de segurança nos estados. A crise econômica do país levou a um aumento do desemprego e beneficiou o recrutamento de jovens para atividades criminosas. Para Meirelles, uma melhora na economia, portanto, também terá impactos na área de segurança.

"Existem programas sociais que passam a ser melhor financiados na medida em que existe recuperação fiscal e não só do governo federal, com aumento da arredação, com o teto de gastos e com a reforma da Previdência, mas dos estados".

Meirelles citou o Regime de Recuperação Fiscal dos Estados, ao qual o Rio de Janeiro aderiu. O governo do estado recebeu um empréstimo bancário de R$ 2,8 bilhões a partir da penhora de ações da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).

Segundo o ministro, um novo empréstimo, que tem como garantia royalties do petróleo, está sendo negociado, ainda sem o valor definido. Esse empréstimo já está previsto no âmbito do plano de recuperação. “Agora está se endereçando e sendo enfrentada uma questão crítica, que é a questão da segurança, mas a questão financeira e fiscal como um todo já está sendo enfrentada, estamos no meio do processo”, disse Meirelles.

O ministro comentou ainda o aumento de 1,04% no Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado hoje (19): “confirmando o que temos dito, o país cresceu em 2017 e vai crescer mais”.


Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

Amostragem: Wellington venceria em qualquer cenário

Wellington bate Firmino, Luciano, Dr. Pessoa, João Henrique e JVC

Resultado de imagem para wellington dias 
 Governador Wellington Dias (Foto: Reprodução)

Se as eleições fossem hoje, o governador do Piauí, Wellington Dias, estaria reeleito, pela segunda vez e em primeiro turno, com ampla maioria de votos, segundo pesquisa Meio Norte/Instituto Amostragem divulgada nesta segunda-feira (19). 

Realizada entre os dias 26 a 30 de janeiro passado e registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) [nº PI-00411/2018], a pesquisa ouviu eleitores em 47 municípios do Piauí sobre a intenção de voto estimulada, isto é, quando o eleitor conhece os nomes dos candidatos da disputa. 

Foram avaliadas várias possibilidades, com Wellington Dias disputando contra Firmino Filho (PSDB), Luciano Nunes (PSDB), João Vicente Claudino (Sem partido), João Henrique Sousa (MDB), Dr. Pessoa (PSD) e Fábio Sérvio (PSL). 

Contra Firmino Filho, Wellington Dias aparece com 48,64% das intenções contra 11,79% do prefeito. Dr. Pessoa, com 7,92%; João Vicente Claudino, com 5,19%;, João Henrique (MDB), com 1,85% e Fábio Sérvio (PSL), com 1,23%. Indecisos somaram 13,78% e os votos nulos e brancos 9,67%. 

Wellington aumenta a vantagem para 52,07% das intenções de voto estimuladas na disputa sem Firmino Filho, contra Dr. Pessoa, que obteve 9,56%. João Vicente Claudino, com 6,95%; João Henrique Sousa, com 2,37%; Luciano Nunes, com 2,91% e; Fábio Sérvio, em 0,88%. Os indecisos aumentaram para 14,69% e os que vão votar branco e nulo correspondem a 10,47 

Com Luciano e João Henrique fora da disputa, Wellington manteve a dianteira com 49,69% das intenções. Firmino Filho, com 11,87%; Doutor Pessoa, com 8,09%; João Vicente Claudino, com 6,24%; e Fábio Sérvio, com 1,23% completam o quadro. Indecisos 12,75% e nulos e brancos, 9,85%. 

Sem Firmino e João Henrique, Wellington Dias amplia a vantagem sobre os adversários, obtendo 52,33% das intenções de voto. Dr. Pessoa aparece com 9,76% das intenções; João Vicente, com 8,27% e Luciano Nunes, com 3,25%. Os indecisos somam 13,98% do total e os que disseram que vão votar nulo e branco equivalem a 3,25%. 

Para 62,53% dos entrevistados Wellington Dias merece ser reeleito. Para 26,82% o governador não deve se reeleger. Outros 10,64% não sabem ou não opinaram sobre a reeleição do governador. 

A pesquisa Meio Norte/Amostragem ouviu 1.137 eleitores, com margem de erro de 2,85% [para mais ou para menos], nas microrregiões: Baixo Parnaíba Piauiense (Batalha, Joaquim Pires, Esperantina, Piripiri); Litoral Piauiense (Cajueiro da Praia, Luís Correia, Parnaíba); Teresina (Teresina, Lagoa Alegre, Altos); Campo Maior (São João da Serra, Pedro II, Campo Maior, Capitão de Campos); Médio Parnaíba Piauiense (Angical do Piauí, Regeneração, Amarante); Valença do Piauí (Francinópolis, Elesbão Veloso, Valença do Piauí); Alto Parnaíba Piauiense (Uruçuí); Bertolínia (Landri Sales, Colônia do Gurguéia); Floriano (São Francisco do Piauí, Floriano, Guadalupe); Alto Médio Gurgueia (Bom Jesus, Monte Alegre do Piauí); São Raimundo Nonato (Guaribas, Canto do Buriti, São Raimundo Nonato, Pajeú do Piauí); Chapadas do Extremo Sul Piauiense (Corrente, Parnaguá); Picos (Dom Expedito Lopes, Oeiras, Picos, Geminiano); Pio IX (Alegrete do Piauí, Pio IX); Alto Médio Canindé (Santo Inácio do Piauí, Campinas do Piauí, Simões, Jaicós, São João do Piauí, Paulistana, Paes Landim).  


Fonte: Meio Norte/ Amostragem 

COMENTE!

18 de fevereiro de 2018

Temer anuncia criação do Ministério da Segurança Pública

Responsável pela nova pasta ainda não foi apontado pelo presidente

Temer anuncia criação do Ministério da Segurança Pública 
 Foto: Alan Santos/PR

O presidente Michel Temer anunciou a criação do ministério de Segurança Pública durante uma reunião com autoridades federais e fluminenses, no Palácio da Guanabara, neste sábado (17). O encontro foi realizado para tratar da intervenção federal no estado do Rio de Janeiro.  

Como cita o blog do Camarotti no G1, o peemedebista, no entanto, ainda não anunciou possíveis nomes para assumir a pasta.  


Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

'Fora Temer' abafa Hino Nacional na Sapucaí

Quase todo o setor 1 aderiu ao coro contra o presidente

'Fora Temer' abafa Hino Nacional na Sapucaí 
 Foto: Reuters / Pilar Olivares

Os gritos de "Fora Temer" abafaram a introdução do Hino Nacional na abertura dos desfiles das campeãs do carnaval carioca, na noite deste sábado, 17, na Marquês de Sapucaí.  

Quase todo o setor 1, o mais popular, cujos ingressos são distribuídos gratuitamente pelas escolas de samba, aderiu ao coro contra o presidente Michel Temer (MDB).

O Paraíso do Tuiuti, segunda colocada do carnaval, que se reapresenta na madrugada, criticou o governo abertamente num desfile sobre a escravidão. Debochou da Reforma Trabalhista e dos protestos contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e chegou a retratar Temer como um vampiro com a faixa presidencial.

A Beija-flor, campeã, que desfila depois do Tuiuti, falou de corrupção, violência, miséria e Lava Jato em seu enredo sobre as mazelas brasileiras.




Fonte: Com informações do Estadão Conteúdo 

COMENTE!

16 de fevereiro de 2018

Themístocles afirma que pesquisa não vence eleição

Pesquisa não vence eleição. Quem decide eleição é voto, é o eleitor no dia da eleição.

Themístocles Filho com Wellington Dias 
 Foto: João Albert/PK

Pesquisa não vence eleição. Quem decide eleição é voto, é o eleitor no dia da eleição. Essa é a convicção do presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, deputado Themístocles Filho (MDB), discordando de outras lideranças sobre a necessidade de ovir a opinião pública antes da definição dos nomes que irão compor a chapa majoritária governista. 

“Pesquisa importa mais se ganhasse eleição, o Mão Santa teria sido eleito governador e não teria sido eleito prefeito de Parnaíba. Por aí você também pode citar vários exemplos de eleições em estados e do governo federal. Pesquisa é o resultado de um momento”, avalia. 

Themístocles Filho é o nome indicado pelo MDB para compor com o governador Wellington Dias a chapa que disputa o governo em 7 de outubro próximo. “Se pesquisa decidisse eleição, pra quer o povo votar? Pesquisa orienta, é importante, mas a validade de uma pesquisa é no máximo de seis a sete dias”, entende o deputado. 

Themístocles Filho citou o deputado Dr. Pessoa (PSD), que também é pré-candidato, só que a governador. “Se pesquisa fosse o resultado da eleição, o que vai acontecer hoje, o Dr. Pessoa estava eleito senador da República”, afirmou Themístocles Filho, na manhã desta sexta-feira (16), no gabinete dele na Assembleia Legisltiva, ao lado do líder do MDb na Casa, deputado João Mádison. . 


Fonte: Paulo Pincel
PiauiHoje.com 


COMENTE!

Dr. Pessoa retira apoio a Júlio César ao Senado

“Foi dito e foi aceito. Isso é natural", minimizou o presidente do PSD no Piauí

Resultado de imagem para Dr. Pessoa 
 Dr. Pessoa (Foto: Reprodução)

Como prometeu nas entrevistas concedidas na semana passada e ao longo desta semana, o deputado estadual Dr. Pessoa não é mais cabo eleitoral do deputado federal Júlio César Lima. “Foi dito e foi aceito. Isso é natural, pois ele já vinha dizendo e já tinha conversado com a gente. Agora, vamos continuar insistindo em participar da chapa majoritária como candidato a senador. Mas, continuaremos dialogando com ele”, adiantou o presidente do PSD no Piauí. 

Júlio César terá enorme dificuldade de arrumar um substituto à altura para apoiar sua candidatura ao Senado Federal concorrendo pela chapa governista, como pretende o presidente do PSD. 

Pessoa, que tem sobrenome “Leal”, honrou a palavra dada, o “fio do bigode”, até o último momento. “Sou um homem de palavra. Quem me conhece sabe que sempre cumpro com o que digo. Eu venho reclamando da falta de apoio do meu partido desde sempre. Então dei esse prazo para o Júlio César e como não aconteceu nada de novo, tudo segue da mesma forma, eu disse a ele e toda bancada, que a partir de hoje não tenho mais compromisso em apoiá-lo para o Senado e nem com o Governo”. 

Dr. Pessoa adiantou que vai conversar com os partidos com os quais tem mantido contato e analisar toda a conjuntura antes de tomar uma decisão. “As chances de eu seguir no PSD são pequenas, mas não tem nada definido nesse sentido. Tenho mantido conversa com algumas lideranças e no momento oportuno, tomarei uma decisão”. 

Sobre a saída de Dr Pessoa, Júlio César desconversa de que “isso não mudou ainda”. O Pessoa não anunciou que vai sair do partido. Quem sabe, pode acontecer...”  



Fonte: PSD

COMENTE!

15 de fevereiro de 2018

Huck anunciará desistência definitiva de candidatura nesta sexta

Nas últimas semanas, condenação de Lula recolocou o nome do apresentador da Rede Globo no jogo

Huck anunciará desistência definitiva de candidatura nesta sexta 
 Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto

O apresentador Luciano Huck manteve sua decisão de não concorrer à Presidência este ano, como já havia dito em artigo publicado na Folha de S.Paulo em novembro.

Ele deve fazer o anúncio formal amanhã. A manutenção da desistência foi adiantada pelo site "O Antagonista" na tarde desta quinta (15) e confirmada por sua assessoria.

Nas últimas semanas, a condenação por corrupção em segunda instância e virtual inelegibilidade de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recolocou o nome do apresentador da Rede Globo no jogo.

Antes do Carnaval, ele havia feito uma nova rodada de conversas com seus conselheiros, em especial o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que foi duramente criticado em seu partido pelo fato de que uma candidatura Huck iria disputar eleitorado com o nome do presidenciável tucano mais provável, Geraldo Alckmin.

Pressionado pela Rede Globo a se definir, já que a emissora teme a já corrente associação entre uma candidatura do apresentador e seu nome, Huck prometera dar uma resposta depois do feriado.


Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

Themístocles pressiona e partidos indicam os líderes

Líderes que vão definir a composição das comissões técnicas na próxima semana

Resultado de imagem para Themistocles filho 
 Themístocles Filho (Foto: Reprodução)

Atendendo a insistentes pedidos do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho (MDB), os partidos e bloco partidários iniciaram, na manhã desta quinta-feira (08), durante a sessão plenária, a indicação do líderes. Caberá a eles, após ouvido os deputados dos partidos, definir a composição das comissões técnicas já na próxima semana. 

Anunciado pelo próprio Themístocles Filho, o deputado Severo Eulálio assumirá a liderança do MDB no lugar do deputado João Madison. 

Já o deputado Júlio Arcoverde anunciou a indicação do deputado B. Sá para o bloco composto pelo Progressista e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Compõe o bloco os deputados Júlio Arcoverde, Belê Medeiros e B. Sá pelo Progressistas, e Liziê Coelho (PTB) e José Hamilton pelo PTB. 

O deputado Dr. Pessoa (PSD) continua como líder do Partido Social Democrático. “Quero antecipar que eu devo continuar na liderança do partido”, afirmou Pessoa. 

A partir das composições e indicações dos blocos e líderes partidários, devem iniciar as indicações para a composição das nove Comissões Técnicas da ALEPI. “É importante a formação das Comissões. Hoje recebemos uma mensagem do Governador solicitando autorização para uma viagem internacional. E esse documento precisa do parecer da Comissão para vir a Plenário e ser devidamente votado”, disse Themístocles Filho.  


Fonte: Alepi 

COMENTE!

Barras: Mãe de vereador é morta a facadas

A idosa estava deitada em uma rede na varada de sua casa, quando o menor de idade entrou para assaltar a residência

 Foto: Reprodução

A idosa, identificada como Maria Cavalcante do Nascimento de 65 anos de idade, mãe do vereador de Barras, Zé do Pó, foi morta a facadas na tarde de ontem (14) por um adolescente, na localidade Ingá, zona rural de Barras. A idosa também é irmã do ex-prefeito do município, Elias Cavalcante.

Segundo familiares da vítima, a idosa estava deitada em uma rede na varada de sua casa, quando o menor de idade entrou para assaltar a residência, porém a vítima o teria reconhecido e, por conta disso, o menor a teria apunhalado diversas vezes, especialmente nas costas.

Não foi subtraído nenhum pertence da casa da idosa e o adolescente acabou fungindo para um matagal próximo. A Delegacia de Barras em conjunto com os policiais militares fez buscas nas matas da região, mas ainda não encontrou o adolescente. As diligências continuam para tentar capturá-lo.

Possível vingança

Segundo familiares da vítima, o adolescente já havia tentado roubar R$ 75 da idosa, porém seu esposo acabou agredindo o menor conseguido resgatar o valor,  mas o jovem ameaçou voltar e matar os dois idosos.  


Fonte: Norte do Piauí Notícias 

COMENTE!

Henrique Rebelo, Antonio Félix e Tererê vão para o PTC

Políticos unem a fome com a vontade de comer durante a janela partidária

Deputado estadual Evaldo Gomes 
 Foto: Divulgação

O troca-troca de legendas deve movimentar os bastidores políticos nos dias que antecedem a janela partidária, entre 7 de março e 7 de abril deste ano. Muitos dos atuais detentores de mandato vão unir a fome com a vontade de comer. Traduzindo para o português: a insatisfação de alguns com a cúpula e a busca de muitos pela sobrevivência vão empurrar políticos de siglas como o PT e PSD para partidos considerados pequenos, os chamados “nanicos”. 

O PTC do Piauí, por exemplo, anuncia a filiação do deputado estadual petista Henrique Rebelo, que até hoje não digeriu a sua saída da Secretaria de Estado da Assistência Social e Cidadania (Sasc). Antonio Félix, distante do comando de decisão do PSD, também será filiado no mesma data: 15 de março. O ex-deputado pelo PSDB Deusimar Brito, o Tererê, vem de mala e cuia de Parnaíba, da oposição para o governo, também assinando a filiação ao PTC no dia 15 de março. 

O presidente do PTC no Piauí, Evaldo Gomes, adianta que aguarda a definição de outros nomes para fortalecer o partido nas eleições de 7 de outubro, citando o cantor e deputado estadual Francis Lopes (PRP). 

A partir de 7 de março até 7 de abril, deputados federais e estaduais podem mudar de partido para disputar as eleições por outra legenda, sem correr o risco de perder o mandato por infidelidade partidária. Senadores, governadores e prefeitos não estão sujeitos a essa regra.  


Fonte: PTC 

COMENTE!

14 de fevereiro de 2018

Wellington Dias e Robert Rios jantam juntos em resort no carnaval

O Governador e o líder da oposição estavam no mesmo resort durante o feriado

Fotos que estão circulando em grupos do Whatsapp mostram um clima harmonioso - e no mínimo curioso - entre o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), e o líder da oposição ao governo na Assembleia Legislativa do Piauí (ALEPI), deputado estadual Robert Rios (PDT). O encontro aconteceu durante um jantar no resort BobZ, na praia de Barra Grande, litoral do Piauí, onde ambos estavam hospedados durante o feriado de carnaval, além da primeira-dama e secretária estadual de Educação, Rejane Dias (PT).

Robert Rios (PDT) e Wellington Dias (PT)
Fotos circularam em grupos de Whatsapp durante o fim do carnaval.
(Foto: Reprodução/WA).

Segundo testemunhas que presenciaram o encontro, não havia nada agendado entre os dois; no entanto, era impossível que eles não se encontrassem, já que estavam no mesmo resort e na noite de segunda-feira (12) utilizaram o mesmo local para jantar com os filhos e familiares.

As fotos que vazaram mostram um clima bastante harmonioso entre os dois políticos, abraços e sorrisos, o que deixa em dúvida se realmente eles são oposição um ao outro. O jogo político é muito complexo e está constantemente colocando dúvidas na cabeça da população.

De acordo com informações da assessoria do governador, o petista estava hospedado no resort BobZ desde a sexta-feira (9) e passou todos os dias de carnaval por lá. Não há informações de quando o deputado estadual Robert Rios tenha se hospedado, se chegou antes ou após o governador.

Robert Rios (PDT) e Wellington Dias (PT)
O encontro inusitado foi registrado por testemunhas que estavam no local.
(Foto: Reprodução/WA).

Segundo informações da coluna de Alisson Paixão, do portal Oitomeia, Robert disse que achou o governador muito simpático no encontro, não conversaram muito, mas que preferiu se retirar depois para a cidade de Pedro II, onde ficou para o restante do feriado.  


Fonte: Rede Piauí Notícias 

COMENTE!

Denúncia eleitoral contra Cristiane Brasil parou em 2010

Acusações foram recebidas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) em 10 de agosto de 2010 e, nove dias depois, enviadas ao Ministério Público Estadual

Denúncia eleitoral contra Cristiane Brasil parou em 2010 
 Foto: ANTONIO AUGUSTO/AG. CÂMARA

As suspeitas de tráfico de drogas e associação ao tráfico durante a campanha eleitoral de 2010 contra a deputada federal e ministra nomeada Cristiane Brasil (PTB-RJ) nunca foram investigadas na esfera eleitoral. A denúncia é de uma suposta coação de eleitores e consta de inquérito criminal da Polícia Civil revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo no dia 3.  

As acusações foram recebidas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) em 10 de agosto de 2010 e, nove dias depois, enviadas ao Ministério Público Estadual. O procedimento correto seria a abertura de um procedimento investigatório, o que não ocorreu. Ao jornal, a Procuradoria Regional Eleitoral admitiu não ter registro da denúncia.

Em 19 de agosto de 2010, a denúncia chegou ao 7º Centro de Apoio Operacional do Ministério Público Estadual, segundo registro do Tribunal. E, conforme a movimentação eletrônica, está lá até então.

O MP estadual negou ter conhecimento da denúncia e afirmou, em nota, que as eleições gerais de 2010 eram de responsabilidades da Procuradoria Regional Eleitoral. A Promotoria disse ainda que "não localizou nenhum outro procedimento senão aquele inquérito policial remetido ao MPF no dia 26/1" revelado pelo Estado.

A Procuradoria, por sua vez, declarou que a denúncia não chegou ao órgão. De acordo com a instituição, em casos como o envolvendo a deputada, o MP Estadual usualmente abre o procedimento, verifica que não é sua atribuição direta, por ser matéria eleitoral, e o remete à PRE. Esse procedimento, aparentemente, não foi concluído, porque a Procuradoria Eleitoral não tem registro de ter recebido os documentos e não abriu inquérito para apurar crime eleitoral nesse caso.

Secretaria

Cristiane, que na época era vereadora licenciada e secretária municipal de Envelhecimento Saudável da capital fluminense, não se candidatou em 2010, mas naquele ano apoiou a candidatura do deputado estadual Marcus Vinicius (PTB) - então seu cunhado - à reeleição. Ela se candidatou e foi eleita deputada em 2014. Cristiane e Vinicius negam as acusações.

A denúncia acusa Cristiane de repassar dinheiro a traficantes que controlavam comunidades do bairro de Cavalcanti, na zona norte do Rio, reduto eleitoral da parlamentar, em troca de apoio na região. Além dela e de seu ex-cunhado, outros três assessores da deputada também foram apontados como envolvidos no caso. As acusações incluem supostas ameaças a moradores que fariam propaganda para outros candidatos e a líderes comunitários que teriam resistido a apoiar a petebista.

Ouvidoria

Denúncias sobre a suposta ação da deputada e seu grupo em Cavalcanti foram encaminhadas em 2010 às Ouvidorias da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual. Elas geraram um inquérito na Polícia Civil, que ouviu Marcus Vinicius e expediu uma intimação para convocar Cristiane, vereadora licenciada na época, a depor. Esse depoimento nunca aconteceu, e a investigação pouco avançou, ao longo de oito anos.

Depois que o Estado procurou a Polícia e o MP Estadual e questionou sobre as investigações, a Procuradoria de Justiça do Rio anunciou que enviaria os autos para o Ministério Público Federal. O MPF encaminhou o material para a Procuradoria-Geral da República, em Brasília, porque Cristiane é deputada federal desde 2015 - três anos após a posse no mandato. Como parlamentar, ela tem direito a foro especial no Supremo Tribunal Federal.

Os autos enviados à PGR têm anexados apenas um mapa das ruas de Cavalcanti, obtido na internet, um perfil de Cristiane do Wikipédia e uma galeria de fotos da deputada na escola de samba do bairro. Essas imagens foram tiradas da página da parlamentar na internet.

Um dos assessores de Cristiane na época supostamente envolvido no caso foi identificado na denúncia como Alexandre Dum. Ele é acusado de invadir casas dos moradores do bairro para forçá-los a arrancar cartazes de candidatos adversários de Marcus Vinicius.

Ao abordar agressivamente os moradores, Dum e outros, segundo a denúncia, diriam agir "a mando de Zezito". Este seria José da Silva Miguel Filho, chefe do tráfico no Morro da Primavera, no mesmo bairro. Ligado à facção criminosa Amigos dos Amigos, é foragido do sistema penitenciário, porque em 2007 passou para o regime semiaberto e não retornou ao presídio.

'Campanha difamatória'

Cristiane Brasil afirmou, por meio de sua assessoria, que não concorreu às eleições de 2010, quando era secretária municipal, e disse que foi alvo de denúncia anônima e infundada. Lembrou que não chegou a ser ouvida na investigação e afirmou sofrer uma "campanha difamatória". Essa afirmação também é sustentada por seu pai, o presidente do PTB, Roberto Jefferson.

Marcus Vinicius negou em depoimento envolvimento com criminosos. A reportagem não localizou Alexandre Dum, nem seu advogado. A Polícia Civil alegou que o inquérito criminal sobre associação ao tráfico é sigiloso e não comenta sobre o caso. 


Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

13 de fevereiro de 2018

Maia nega que Luciano Huck possa ser candidato à Presidência pelo DEM

Huck já descartou que vá se candidatar, mas estaria tendo conversas com políticos sobre o processo

Maia nega que Luciano Huck possa ser candidato à Presidência pelo DEM 
 Foto: Reuters / Ueslei Marcelino

Na Sapucaí, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou na segunda-feira, 12, a possibilidade de o apresentador Luciano Huck sair candidato à Presidência da República por seu partido. Huck já descartou que vá se candidatar, mas estaria tendo conversas com políticos sobre o processo de 2018 mesmo assim.  

"O DEM vai ter candidato a presidente, e o pré-candidato vai ser lançado em março. Temos o maior carinho pelo Luciano, mas nesse momento ele não faz parte do projeto do nosso partido. Vamos ter entre dez e 12 candidatos nos estados e no início de março vai ficar claro que o partido vai seguir seu próprio caminho", afirmou.

Sobre carnaval, Maia disse que a crítica à Reforma Trabalhista feita pelo Paraíso do Tuiuti em seu desfile, domingo, 11, foi por desinformação do carnavalesco (Jack Vasconcelos). A escola tinha uma ala, chamada "Guerreiros da CLT", em que uma carteira de trabalho aparecia chamuscada, e o operário tinha vários braços, para simbolizar a sobrecarga de tarefas.

Já a ala batizada de "trabalho informal" fez alusão à precarização do trabalho. A escola também fez crítica ao governo Michel Temer (MDB), que apareceu como um vampiro com uma faixa presidencial. O Tuiuti foi a agremiação mais mencionada nesta segunda-feira, 12, nas redes sociais por conta disso.

"Tem que respeitar desfile ideológico. Só que as informações do carnavalesco não estão certas", criticou Maia. "A gente vai ver em 2018 que a nova lei está gerando milhões de empregos. Tem que dar tempo ao tempo. A crítica é sempre importante, para que todos avaliem o governo, o Legislativo, o Judiciário. No caso da Trabalhista, os resultados já estão aparecendo: já tivemos redução de desemprego, nesse ano vamos ter mais de um milhão de empregos de carteira assinada. No próximo ano talvez a gente vai ter um desfile diferente".

Ele voltou a dizer que é preciso informar bem a população sobre as mudanças na legislação. Referindo-se ao público do Sambódromo, falou das diferenças entre os pobres da arquibancada, que terão de trabalhar até os 65 anos, e os ricos dos camarotes, com necessidade de menos tempo de serviço para se aposentar.

Maia falou também de segurança. Disse que é preciso haver nova operação conjunta entre forças estaduais e federais para o combate à violência no Rio, e também que vai trabalhar junto ao governo para que se coloque no orçamento a construção de mais presídios federais, chegando a "20 ou 30 unidades". O objetivo, ressaltou, é isolar chefes do crime organizado. "A gente já fez aquela primeira operação dos órgãos federais, que não foi o que a gente esperava, e vai ter que voltar. Além de endurecer a legislação de armas e drogas", sublinhou. Segundo Maia, o Congresso demandará à Presidência a priorização do tema dos presídios.



Fonte: Com informações do Estadão Conteúdo.


COMENTE!

Planalto coloca Huck no radar e pressiona aliados

Dono do maior tempo de TV na propaganda política, o partido de Temer não pretende avalizar Huck, que hoje flerta com o PPS

Planalto coloca Huck no radar e pressiona aliados 
 Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto

Sem expectativa de manter a unidade dos partidos aliados na eleição, o Palácio do Planalto mudou a estratégia e passou a elogiar o apresentador Luciano Huck, sob o argumento de que ele pode até mesmo ter o apoio do MDB, se for candidato à cadeira do presidente Michel Temer. O movimento foi calculado para reagir às articulações do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na tentativa de mostrar que o MDB pode desequilibrar o jogo.  

Dono do maior tempo de TV na propaganda política, o partido de Temer não pretende avalizar Huck, que hoje flerta com o PPS. Com a nova tática, porém, demarca o território para deixar claro que, se não querem o seu "dote" por medo da impopularidade do presidente, um outsider na política pode levá-lo e sair na frente nessa corrida.

Nos bastidores, auxiliares de Temer dizem que tanto Alckmin quanto Maia fazem discurso público favorável à reforma da Previdência, mas, na prática, lavam as mãos e não ajudam a angariar votos para aprovar a proposta. A avaliação no Planalto é a de que os dois não têm interesse em fortalecer o governo em um ano eleitoral.

Desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) a 12 anos e 1 mês de prisão, o centro político intensificou as negociações para encontrar um nome que possa herdar votos do petista, caso ele fique inelegível pela Lei da Ficha Limpa. O problema é que, até agora, todos os postulantes desse espectro patinam nas pesquisas de intenção de voto, e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) está isolado no segundo lugar, atrás de Lula.

Agenda

Maia é um dos pré-candidatos que mais incomodam o Planalto porque, além de avançar sobre partidos da coalizão, critica o governo. Com relacionamento apenas protocolar com Temer, o presidente da Câmara projeta sua campanha com apoio do PP, PR, PRB, PHS e Solidariedade. Em recente reunião com o senador Ciro Nogueira, presidente do PP, o deputado Paulo Pereira da Silva - que comanda o Solidariedade - e os ministros Alexandre Baldy (Cidades) e Mendonça Filho (Educação), Maia pregou uma agenda "mais popular".

"O Orçamento da União está comprometido, mas não com novas políticas públicas que cuidem dos jovens", insistiu ele na reabertura dos trabalhos do Legislativo, em mais um discurso que contrariou o Planalto. "Falar a verdade é sempre o caminho para que a política se reconcilie com a sociedade."

Temer vai aproveitar a reforma ministerial, no fim de março, para condicionar a manutenção dos partidos na Esplanada ao apoio a um candidato que defenda o governo na campanha. Até hoje, porém, esse nome não apareceu.

O titular da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), é um dos que disputam a vaga, mas o próprio Temer disse preferir que ele continue no comando da economia. "Só vou tomar uma decisão no fim de março. Peru não morre de véspera", brincou o ministro, que, sem a chancela do PSD de Gilberto Kassab, pode migrar para o MDB.

A decolagem de Alckmin, por sua vez, é vista com ceticismo no Planalto. O presidente e seus interlocutores, no entanto, mantêm diálogos frequentes com o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), pré-candidato ao Palácio dos Bandeirantes.

Embora amigos em comum de Temer e Alckmin tentem promover um encontro entre os dois para verificar se é possível algum acerto do MDB com o PSDB, nada foi marcado. "É importante conversar. O Brasil não precisa de guerreiros, mas, sim, de pacificadores", disse o governador ao Estado.

Alckmin está preocupado com a falta de candidatos próprios do PSDB para lhe dar palanque em Minas e no Rio, dois dos três maiores colégios eleitorais, depois de São Paulo. A portas fechadas, correligionários de Temer comentam que o tucano poderá ser "cristianizado" na campanha, se não conseguir melhorar seu desempenho. "Michel, com sua alta popularidade, é que deve ser o candidato desse campo. Só ele tem condições de unir os aliados", ironizou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), adversário político do presidente.

Ministros do MDB argumentam que, se até abril a retomada econômica provocar uma sensação de bem estar social, Temer poderá ganhar pontos e tentar novo mandato. Observam, porém, que, caso sua aprovação permaneça baixíssima, ele não disputará para não ser submetido a um fiasco nas urnas. Nesse cenário, a tendência é que o MDB negocie um candidato a vice, apostando na eleição de grandes bancadas na Câmara e no Senado para voltar a dar as cartas no Congresso, a partir de 2019.


Fonte: Com informações do Estadão Conteúdo.


COMENTE!

12 de fevereiro de 2018

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí

Entre as sete escolas que desfilaram, os destaques foram Mangueira, Paraíso do Tuiuti e Mocidade

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí 
 Foto: Reuters / Ricardo Moraes

A primeira noite de desfiles na Sapucaí teve carro alegórico emperrado na avenida, imagem do prefeito do Rio enforcado e do presidente em trajes de vampiro.  

Entre as sete escolas que desfilaram, os destaques foram Mangueira, Paraíso do Tuiuti e Mocidade.

As duas primeiras investiram em forte discurso político e fizeram sucesso com o público.

Como esperado e muito falado, a Mangueira fez o desfile de oposição ao atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, que cortou verbas das escolas de samba e de festas de rua do Rio.

Com ares de campeã, a Mangueira saiu da Sapucaí ovacionada pelo público. Os diretores comemoraram o resultado. "Estou muito emocionado. Foi tudo impecável. Só quem é Mangueira sabe como eu estou me sentindo", comemorou, com águas nos olhos, o intérprete Leandro Santos.

O carnavalesco da Mangueira, Leandro Vieira, avaliou a resposta das arquibancadas como se a população mostrasse estar alinhada com as críticas ao prefeito Marcelo Crivella, explícita no enredo da escola desse ano. Mas ele emendou: "mais do que críticas, fizemos uma grande brincadeira. Isso nós sabemos fazer bem." Leandro se disse satisfeito com o resultado das alegorias e a evolução das alas, mas confessou que passou nervoso com o risco dos carros alegóricos quebrarem. "Sempre a gente passa este nervoso. Mas tudo que foi super bem e a resposta foi a arquibancada cantando com a gente".

Na mesma linha da Mangueira, o Paraíso do Tuiuti também seguiu na linha de críticas à política. Os temas variaram de racismo e escravidão a leis trabalhistas.

A escola optou por samba-enredo contagiante e fantasias alegres para tratar de temas não tão fáceis de serem compreendidos pelo público. O presidente Michel Temer (MDB) foi representado como um vampiro no último carro alegórico.

Última escola a desfilar, a Mocidade conseguiu manter a plateia animada até o raiar do sol com um desfile bonito e um bom samba, lindamente executado pela bateria. O enredo falava sobre pontos em comum entre as culturas de Brasil e Índia.

A apuração da vencedora será na quarta-feira (14).

CRIVELLA SAIU DO PAÍS

Assunto mais polêmico deste Carnaval, a relação entre o prefeito e a folia continua distante. Ensaiando uma aproximação com a comunidade do samba, Crivella chegou a dizer que iria à Sapucaí, "mas não para sambar".

No entanto, acabou indo viajar. Na sua conta pessoal do Facebook, Crivella justificou sua ausência com uma viagem a Frankfurt, na Alemanha, para conhecer uma agência espacial a fim de reforçar o Centro de Operações do Rio (COR) para cada vez mais oferecer um serviço mais conectado e presente no dia a dia carioca.

O prefeito foi acusado pela comunidade carnavalesca de perseguir a festa num aceno ao seu eleitorado.

O maior evento popular do país viu minguar os subsídios dados pela prefeitura nesta edição -cada escola do grupo especial recebia R$ 2 milhões do município. Crivella reduziu pela metade os repasses.

Em 2017, ele tampouco compareceu ao Sambódromo, rompendo com uma tradição.

ACIDENTE

A noite deste domingo (11) também foi marcada pela quebra do carro da Grande Rio. Ao enroscar no lado direito, o carro ficou preso no meio fio da rua, o que impossibilitou a sua entrada na avenida.

O problema pode custar caro à escola que estourou cinco minutos do tempo permitido -o máximo de permanência é de 75 minutos. Cada minuto a mais significa 0,1 ponto a menos à escola, segundo o regulamento da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba).

Apesar do ocorrido, o diretor de Carnaval da Grande Rio, Dudu Azevedo, fez questão de ressaltar que os foliões fizeram um "belíssimo" desfile e que "essas coisas acontecem".

Assim como o presidente da agremiação que deixou a Praça da Apoteose com lágrimas nos olhos, dizendo que "esse ano papai do céu não quis, o diretor atribuiu a falha ao destino e não admitiu erros técnicos ou humanos. "Não sabemos ainda o que houve. Não podemos fazer nada sobre isso agora."

A primeira noite de desfiles também recebeu as escolas de samba Império Serrano, São Clemente, Vila Isabel, Paraíso Tuiuti, Grande Rio, Mangueira e Mocidade.

PROBLEMAS MÉDICOS

Uma mulher morreu na primeira noite dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. Aos 63 anos, a senhora, que tinha problemas cardíacos, sofreu um mal súbito e foi atendida no posto de saúde da Sapucaí e levada, às pressas, ao Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ela não resistiu e morreu.

Até as 4h desta segunda-feira (12), 573 pessoas foram ao posto de saúde do sambódromo e 15 foram levadas ao hospital.

O coordenador técnico da Secretaria da saúde, Geraldo Alves da Silva, afirmou que, mesmo sem a confirmação de dados específicos, há uma percepção geral de que há mais pessoas passando mal esse ano do que nos anteriores.

"Já vi anos em que o clima estava mais quente, mas não havia tanta gente caindo como agora". Ele atribuiu a falta recursos das escolas para esse aumento. "Faltou a estrutura de apoio: água, sanduíches, especialmente nas escolas mais carentes."



Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

10 de fevereiro de 2018

Huck ‘está considerando’ candidatura à Presidência, diz FHC

Em entrevista, ex-presidente confirma que jantou com o apresentador em São Paulo, ontem, e ressalta que apoiará Geraldo Alckmin nas eleições de outubro

Imagem relacionada 
 Fernando Henrique Cardoso e Luciano Huck (Foto: Reprodução)

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) declarou nesta sexta-feira, em entrevista à Rádio Guaíba, que o apresentador Luciano Huck “está considerando” se candidatar à Presidência da República nas eleições de outubro. O tucano, que jantou nesta quinta-feira com Huck em São Paulo, disse entender que a escolha do apresentador entre a TV e a política “não é uma decisão fácil”. Luciano Huck negou oficialmente, em novembro, que vá disputar o Palácio do Planalto, mas pediu para ter o nome mantido em pesquisas de intenção de voto e tem tido conversas com partidos, como o PPS, que já lhe abriu as portas para a corrida presidencial.

“Ele está considerando a possibilidade, mas ele trabalha na Globo, tem um contrato e tem que pesar essas coisas todas. Ele tem que ver por qual seria o partido e como vai ser. Que eu saiba, não há uma decisão por parte dele e não é uma decisão fácil. É uma decisão que tem que ser dele. Eu não vou imaginar que eu possa influir, pois ele sabe a minha posição”, disse.    

Apesar de ver com bons olhos e encorajar a candidatura do apresentador, o ex-presidente reafirmou na entrevista que vai apoiar o governador de São Paulo e presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, na disputa pelo Palácio do Planalto.

“Eu vi nos jornais que ele esteve comigo, ontem, e de fato ele esteve e jantou comigo. Ele de vez em quando janta comigo, eu vou na casa dele, o padrasto dele é meu amigo, a mãe dele é minha amiga, nós somos amigos de família e eu converso com Luciano. Eu não sei que decisão ele vai tomar. Agora, eu tenho partido, eu sou do PSDB, que terá o seu candidato. Então, uma coisa não implica na outra. Eu acho que ele é uma pessoa bem intencionada que tem contato com o povo e pode trazer algumas ideias para o país. Mas eu vou seguir a linha do meu partido”, afirmou o ex-presidente.

Em função dos elogios do ex-presidente ao empresário, alas do PSDB, sobretudo aliados de Geraldo Alckmin, têm demonstrado irritação. Em entrevista à rádio Jovem Pan nesta semana, FHC disse que a candidatura de Luciano Huck seria positiva “porque precisa arejar, botar em perigo a política tradicional, mesmo que seja do meu partido”. “Gosto dele, sou amigo dele e de sua família. Acho que para o Brasil seria bom, mas não sei o que ele vai fazer”, declarou o ex-presidente.

FHC rebate as críticas enumerando outros políticos, de outros partidos, com que se reuniu recentemente. “Não é só com o Luciano Huck, eu falo com muita gente. Por exemplo, eu recebi recentemente o governador do Espírito Santo, que é meu amigo e é do PMDB. Estive com Rodrigo Maia e por aí vai. Eu acho que a democracia exige que você tenha uma relação aberta com os outros. Jantei com Fernando Haddad, que foi prefeito de São Paulo e é do PT. Então quer dizer que estou apoiando Haddad? Não, quer dizer que somos civilizados e trocamos ideias a respeito do país”, afirmou.

O tucano reforçou que Alckmin será o nome defendido por ele durante a corrida eleitoral. “Quando Geraldo Alckmin foi designado para ser presidente do PSDB, eu apoiei. Eu sabia e não sou uma pessoa ingênua, que isso seria uma pré-condição para ele ser candidato. Então, eu apoiei com consciência isso. Claro que eu apoio Geraldo”, concluiu Fernando Henrique Cardoso.  


Fonte: Veja 

COMENTE!

09 de fevereiro de 2018

Ex-prefeito de Barras é condenado em ação de improbidade administrativa

O ex-gestor teve os direitos políticos suspensos por cinco anos e ainda terá que ressarcir a Sudene em quase R$ 180 mil.

A Justiça Federal condenou o ex-prefeito do Município de Barras, José Ribamar Pereira, por improbidade administrativa, em ação ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), no Piauí. De acordo com a ação de improbidade, o ex-gestor aplicou irregularmente recursos da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), repassados ao município por meio do Convênio n°303/92.

O juízo da 3ª Vara da Seção Judiciária do Piauí julgou procedentes os pedidos do Ministério Público Federal condenando José Ribamar a pagar, em favor da Sudene, a título de ressarcimento dos danos, a quantia de R$ 179.562,75, com valores atualizados até 31 de julho de 2002 e corrigidos; a pagar multa de 10% do valor atualizado do montante repetido. O juiz determinou ainda que, sobre os montantes estabelecidos, incidirão correção monetária e juros de mora de 6% ao ano, a partir da data em que o réu foi chamado a satisfazer o débito contra ele apurado em tomada de contas especial, a ser identificada na fase de cumprimento da sentença. 

O réu teve também os direitos políticos suspensos por cinco anos, a partir do trânsito em julgado da decisão; ficou proibido de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica do qual seja sócio majoritário, também pelo prazo de cinco anos, a partir do trânsito em julgado. 

Na sentença, o juízo determinou que, certificado o trânsito em julgado da sentença, providencie-se o registro do processo no Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ); oficie-se ao Tribunal Regional Eleitoral e à União, ao Estado do Piauí e aos Municípios de José de Freitas e de Teresina, dando-lhes ciência de que o réu fica proibido de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica do qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos. 

Entenda o caso – Durante a gestão do ex-prefeito, o Município de Barras recebeu recursos da Sudene a serem aplicados na pavimentação poliédrica e construção de sistemas simplificados de abastecimento de água, nas localidades Angical, Passa Tudo, Baixão da Liberdade e no bairro Pedrinhas II. Entretanto, tomada de contas especial do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou ilegalidades na aplicação das verbas públicas, ocasionando perda patrimonial para a Sudene. 

Dentre as ilegalidades estavam a redução de metas prevista no plano de trabalho, sem autorização da Superintendência; execução de parte das obras do calçamento e dos sistemas simplificados de abastecimento de água com recursos do Fundo de Participação do Municípios (FPM); apresentação pagamentos a fornecedores diversos da empresa que ganhou a licitação para a execução dos serviços, dentre outras irregularidades. 

Ainda cabe recurso da decisão

Ação de Improbidade Administrativa - Processo n°-2001.40.00.0056040

Confira a sentença na íntegra em: https://goo.gl/KRQrjE   



Fonte: MPF-PI 

COMENTE!

Gleisi e Lindbergh denunciados por incitar o crime a pretexto de defender Lula

Eles são acusados no conselho de ética por quebra do decoro

A senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente nacional do PT, e o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), são alvos de duas novas denúncias no Conselho de Ética do Senado, formalizadas nesta quinta-feira (8) pelo senador José Medeiros (Pode-MT).

Medeiros tomou como base pedir a abertura de processo disciplinar contra os senadores uma entrevista de Gleisi Hoffmann ao site Poder 360, em que a senadora afirmou que “vai ter que prender e matar gente”, para prender o ex-presidente Lula, julgado e condenado a 12 anos e um mês de prisão, em 24 de janeiro, pelo Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso envolvendo o Triplex do Guarujá.

Na denúncia contra Lindberg, Medeiros mencionou postagens do petista em redes sociais nas quais o líder do PT apoiou Gleisi Hoffmann, afirmando que a militância tem disposição para lutar nas ruas e defender a democracia.

"Dessa maneira, cometeu [cada denunciado] evidente abuso da imunidade parlamentar material, incidindo em quebra de decoro parlamentar, punível com a perda de mandato", disse Medeiros nas duas denúncias.

A motivação das denúncias é a prática de incitação ao crime e de apologia ao crime por parte de Gleisi e Lindbergh, defendidos em nota do PT divulgada na última terça-feira (6), quando a sigla afirmou que a ameaça do senador de denunciar a dupla representaria uma "campanha de ódio e perseguição" contra o partido.  

"Segundo Medeiros, estamos 'incitando a violência' em nossas declarações de indignação contra os diversos golpes que a democracia vem sofrendo. Nada mais falso. Se ele tivesse se dado ao trabalho de estudar, veria que 'desobediência civil' é marcadamente um termo ligado a manifestações não violentas, pacíficas. [...] Ele não se deu ao trabalho de tentar entender o que que é isso. É ignorância pura!", rebateu Lindbergh, em nota.

A Corte situada em Porto Alegre-RS decidiu que Lula terá que cumprir sua pena, quando não couber mais recurso por parte da defesa do petista, que nega as acusações e já pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que o ex-presidente não seja preso, até o trânsito em julgado da ação penal.

Por não se tratar de representações, mas de denúncia, uma censura ou advertência são as penas máximas possíveis ao final de um eventual processo contra os senadores. Porém, se for convertida em representação, poderá resultar em punição mais grave, como a perda de mandato.

O presidente do Conselho de Ética, João Alberto (PMDB-MA), será o primeiro responsável por analisar se arquiva ou dá andamento às denúncias, que podem ser encaminhadas à Advocacia do Senado, responsável pela emissão de pareceres técnicos sobre as acusações, antes de qualquer decisão.



Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

Luciano Huck vai decidir candidatura após o Carnaval

O desempenho fraco de Alckmin, pré-candidato declarado, nas pesquisas, é outro motor do movimento: Huck e o tucano empatam

Luciano Huck vai decidir candidatura após o Carnaval 
 Foto: Divulgação

O apresentador Luciano Huck vai anunciar se aceita concorrer à Presidência depois do Carnaval. Hoje, ele tende a se candidatar pelo PPS, partido que lhe ofereceu legenda, mas já há aliados articulando o apoio de siglas como o DEM.  

Segundo a reportagem apurou, o catalisador final para o processo decisório de Huck, que vem sendo assediado a se lançar candidato apesar de já ter negado a possibilidade publicamente, foi um ultimato dado pelo seu empregador, a Rede Globo.

Nesta quarta (7), a emissora disse que o apresentador do "Caldeirão" deveria tomar sua decisão, por temer que haja a associação natural entre o eventual presidenciável e seu nome. A entrevista que Huck deu ao "Domingão do Faustão" em janeiro já rendeu a ele e à rede de TV explicação formal ao Tribunal Superior Eleitoral para negar que estivesse ocorrendo propaganda antecipada.

Huck ainda não disse a aliados o que vai fazer, apenas que irá passar o Carnaval pensando no assunto. Nesta quinta (8), ele deverá se consultar com o mentor de sua candidatura, Fernando Henrique Cardoso.Ex-presidente e decano do PSDB, FHC tem irritado correligionários ao estimular o apresentador e empresário. O governador Geraldo Alckmin (SP), presidenciável da sigla, reagiu à conversa tergiversando: disse que o tucano e o global, a quem elogiou, são amigos pessoais.

A pressão sobre Huck vem do fato de que ele poderia encarnar o "novo" numa eleição que ficou aberta com provável ausência de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que pode ser barrado pela Lei da Ficha Limpa por ser condenado em segunda instância por corrupção.

O desempenho fraco de Alckmin, pré-candidato declarado, nas pesquisas, é outro motor do movimento: Huck e o tucano empatam em 8% no mais recente Datafolha em cenário sem Lula.

O PPS, que ofereceu a legenda a Huck  e ao movimento de renovação política Agora!, do qual faz parte, é o porto natural do global, caso busque se filiar -o prazo para poder concorrer é abril. FHC já deu declarações considerando a estrutura do partido insuficiente, e já há conversas entre seus aliados e estrategistas sobre a eventualidade de o DEM entrar na composição.

Nesta semana, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (MDB), visitou FHC acompanhado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ). Liderança do DEM, Maia vem circulando como eventual presidenciável, mas até aqui é mais provável que ele busque cacifar a legenda para ocupar uma vaga de vice-presidente -seja na chapa de Alckmin, seja uma eventual de Huck.

Mesmo Hartung é lembrado, aqui e ali, como um nome a dar peso institucional ao neófito Huck. Só que ele é do MDB, partido do impopular presidente Michel Temer e um dos alvos prioritários de denúncias no âmbito da Operação Lava Jato.

Procurados, nem Huck, nem FHC responderam a questionamentos da reportagem.



Fonte: Com informações da Folhapress. 


COMENTE!

08 de fevereiro de 2018

Palocci propõe ao TRF-4 para falar e eliminar 'qualquer dúvida'

Ele diz que deseja cooperar para elucidar crimes da era petista

Resultado de imagem para Palocci 
 Palocci (Foto: Reprodução )

O ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Casa Civil/Governos Lula e Dilma) pediu nesta quarta-feira, 7, ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região para ser interrogado novamente no âmbito da Operação Lava Jato. A defesa de Palocci afirma que o petista quer ‘cooperar na elucidação dos fatos criminosos’.

“A cooperação espontânea– ainda que nesta fase – pode ser extremamente relevante, vez que eliminará qualquer tipo de dúvida sobre a tese acusatória, viabilizando que a síntese decisória seja inquestionável e induvidosa”, solicitou a defesa.

Palocci está preso desde setembro de 2016. Em junho, o ex-ministro foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No processo, Palocci foi acusado de envolvimento no pagamentos de US$ 10.219.691,08 em propinas, referentes a contratos firmados pelo Estaleiro Enseada do Paraguaçu – de propriedade da Odebrecht – com a Petrobrás, por intermédio da Sete Brasil. O dinheiro, segundo a Justiça, foi pago ao marqueteiro de campanhas do PT João Santana.

Este processo está, atualmente, no TRF-4, que ainda não o julgou. A Corte vai analisar a sentença aplicada por Moro a Palocci e a outros 13 condenados, incluindo  empresário Marcelo Odebrecht, e o casal de publicitários João Santana e Mônica Moura – os três, delatores da Lava Jato.

Ao TRF-4, Palocci afirmou que ‘tem buscado firmar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal’.

“Independente da realização de acordo, o peticionário escolheu a cooperação imediata e espontânea como caminho para a resolução jurisdicional de seus débitos com a Justiça”, argumentou a defesa.

O ex-ministro apontou alguns tópicos que pretende abordar caso o Tribunal autorize o novo interrogatório: ‘formação e financiamento da Sete Brasil, conversações das quais participou para organizar o esquema de propina decorrente das sondas, atos por ele efetivamente praticados, na operacionalização do recebimento de propinas; vantagens indevidas por ele solicitadas; indicação da origem e do destino das propinas; e apresentação e indicação de elementos de corroboração de sua fala’.

“Um segundo interrogatório do recorrente (Palocci) seria interessante não apenas para ele, mas igualmente para esse Tribunal Regional Federal. De um lado, para o Recorrente, porque este poderia dissipar a impressão errônea causada com o seu primeiro interrogatório, mostrando ao nobre colegiado que – de fato – Antônio Palocci busca apenas uma coisa: cooperar de modo pleno com a Justiça”, alegou o ex-ministro. “De outro lado, para o Tribunal, porque este poderia finalmente esclarecer os fatos que são objeto da denúncia, conhecendo qual foi a participação do acusado na empreitada delitiva e, assim, podendo melhor delimitar a culpabilidade deste no presente processo.”  


Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

Luciano busca aval de Alckmin para disputar governo

Deputado comoclou seu nome à disposição do PSDB para a disputa

Luciano Nunes com Geraldo Alckmin 
 Foto: Assessoria

Depois de tentar o apoio do prefeito de Teresina, Firmino Filho, e de outras lideranças tucanas locais, o vice-presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, deputado estadual Luciano Nunes, decidiu negociar a indicação da sua candidatura ao Governo do Piauí diretamente com a cúpula nacional do PSDB. 

Luciano Nunes esteve em São Paulo, nesta quarta-feira (7), com o presidente nacional do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, quando tratou de vários temas relevantes e de política. 

A conversa, segundo Luciano, abordou os desafios enfrentados pelo Brasil e pelo Piauí, bem como sobre as eleições deste ano. Luciano Nunes colocou o nome à disposição do PSDB para concorrer ao cargo de governador nas eleições de 7 de outubro próximo e fortalecer a candidatura tucana à Presidência da República. 



Fonte: PSDB 

COMENTE!

07 de fevereiro de 2018

Dudu já tem sete das dez assinaturas para CPI dos Ônibus

Comissão vai investigar preço da passagem de ônibus em Teresina

Vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT) 
 Foto: Assessoria

O vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT), propôs nesta quarta-feira (6), na Câmara Municipal. a criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o valor da passagem do transporte público de Teresina. O requerimento do vereador petista já conta com 7 das 10 assinaturas necessárias para instalação da CPI. 

“O transporte público de Teresina além de ruim é caro, um dos mais caros do país se compararmos os percursos e isso afeta toda a população. Precisamos saber qual o real valor da passagem, pois Teresina é uma cidade com três valores de passagem, os empresários pedem R$ 4,10, o Conselho de Transporte sugere R$ 3,70 e a Prefeitura aprovou R$ 3,60 e o Setut recebeu só em 2016, mais de R$ 13 milhões reais de subsídios para as passagens e segundo o próprio Sindicato, ainda deve receber mais de R$ 15 milhões referentes ao ano de 2017. Por isso, nós estamos propondo a CPI, para que possamos discutir com a sociedade essa questão ”, afirmou Dudu. 

Outro ponto abordado pelo vereador durante o seu pronunciamento na plenária nesta quarta, 7, foi a ação impetrada pelo Partido Social Cristão (PSL) que pede a anulação da eleição da Mesa Diretora da CMT realizada em novembro. Segundo a ação, o processo feriu os princípios da legalidade, moralidade e publicidade e, portanto, deve se tornar sem valor. Para Dudu, essa é mais uma estratégia da Prefeitura para influenciar nas decisões daquela Casa. 

“Nós seguimos tudo o que manda o regimento desta Casa na hora de realizar essa eleição. O requerimento que solicitava a eleição foi inclusive aprovado com a maioria dos votos aqui na Câmara e agora querem anular o processo. O que vemos aqui é mais uma tentativa real de interferência do Prefeito nas nossas decisões e nós não vamos aceitar, pois somos um poder livre e capacitado pelo povo, pelo voto, para realizar nosso trabalho. O presidente Jeová foi eleito com 17 votos válidos, seguindo todo o trâmite legal dessa Casa, quem não votou e hoje alega que não participou do processo, não votou porque não veio, tentou esvaziar a sessão”, finalizou Dudu. 

Proposta de CPI já tem sete assinaturas
 Proposta de CPI já tem sete assinaturas [Foto: Assessoria parlamentar] 



Fonte: Assessoria 

COMENTE!

Dr. Pessoa elogia deputados que estiveram na audiência com Temer

O parlamentar aproveitou a fala para agradecer às autoridades e à população das cidades onde esteve durante o recesso do Legislativo

 
 Deputado estadual Dr. Pessoa (Foto: Reprodução Alepi)

 O deputado estadual Dr. Pessoa (PSD) usou o tempo de dois minutos para parabenizar os parlamentares piauienses que estiveram em Brasília junto ao presidente Michel Temer, com o objetivo que de haja um fortalecimento para a Assembleia Legislativa do Estado do Piauí (Alepi), principalmente no que se refere as leis.

Dr. Pessoa justificou a ausência na sessão de abertura do ano legislativo, na segunda-feiora (5) e fez questão de afirmar que não faltou em protesto ou pelo fato de o governador Wellington Dias ser do partido A ou B,  mas por um compromisso agendado anteriormente com o prefeito de Parnaíba, Mão Santa, e com o deputado federal  Paulino da Força Sindical, do Solidariedade de São Paulo.

O parlamentar aproveitou a fala para agradecer às autoridades e à população das cidades onde esteve durante o recesso do Legislativo, entre elas Lagoa do Sítio, onde foi muito bem recebido, pelo prefeito Antonio Ditoso, bem como a companhia de outros prefeitos. “Como resultado, tive o abraço do povo, em especial do eixo do Norte, onde fui abraçado e bem recebido. Trabalhei e cumpri com meu compromisso durante todo esse período, mas estive o tempo todo de sobreaviso”, finalizou.



Texto: Lindalva Miranda
Edição: Paulo Pincel    
Fonte: Alepi 

COMENTE!

'Só temos uma tarefa: ir para o segundo turno', diz Alckmin a deputados

PSDB não se convence da viabilidade da candidatura Alckmin

 
 Foto: Clayton de Souza/Estadão Conteúdo

Em conversa com deputados do PSDB na noite de terça-feira, 6, o governador de São Paulo e presidente nacional da legenda, Geraldo Alckmin, afirmou que o desafio do partido vai ser chegar ao segundo turno das eleições presidenciais. "Nós só temos uma tarefa: ir para o segundo turno", afirmou.

O governador disse que "as coisas estão caminhando" e que o principal desafio para a sua candidatura à Presidência será articular bons palanques estaduais. "A situação é favorável se tivermos juízo", afirmou Alckmin. Questionado sobre o que significava ter "juízo", o governador falou que o principal ponto é o PSDB caminhar unido. "Juízo é o partido estar unido, trabalharmos em torno de um grande projeto, para unir o País."

Estagnado nas pesquisas, Alckmin tem tido dificuldade de convencer o PSDB da viabilidade da sua candidatura. Ele também não tem conseguido atrair outros partidos, como o DEM, para uma aliança.

Nesta terça-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu que a candidatura do apresentador Luciano Huck seria boa para o Brasil. Horas depois, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que também é pré-candidato à Presidência, disse que Alckmin teria de trabalhar para alcançar o segundo turno.

Alckmin admitiu que a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não poder disputar a eleição deve favorecê-lo na disputa. "Com Lula candidato você tinha uma vaga ocupada (no segundo turno), e ia disputar a segunda. Com o Lula não sendo candidato, são duas vagas para disputar", disse.

Segundo o governador, ele vai começar a "andar mais pelo País" quando deixar o governo de São Paulo, em abril. "Por enquanto eu ainda tenho que cuidar da província", disse, afirmando que tem dezenas de obras para inaugurar no Estado.

O encontro de Alckmin com deputados do PSDB aconteceu em uma galeteria no Lago Sul, região nobre de Brasília. Ele chegou ao local por volta das 23h, quando muitos parlamentares já haviam ido embora.

O jantar foi organizado pelo novo líder da bancada, deputado Nilson Leitão (PSDB-MT). Os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) também participaram da confraternização. Ambos, no entanto, deixaram o local antes de Alckmin chegar.

Quando estava de saída, Aécio foi abordado por Leitão, num apelo para que esperasse o presidenciável. O tucano mineiro disse que já havia conversado com Alckmin à tarde, quando defendeu que o PSDB deve "radicalizar" a defesa pela reforma da Previdência.

Aécio tenta articular um encontro entre o governador de São Paulo e o presidente Michel Temer para discutir a questão. Alckmin, no entanto, disse que não há nada agendado por ora.

Na quarta-feira, 7, o governador vai reunir a Executiva do partido para organizar a prévia, que deverá ser realizada em março. Até agora, além de Alckmin, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, também já se colocou como pré-candidato ao Planalto pelo PSDB. (AE)


Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

06 de fevereiro de 2018

Presidente apressa indicação de nomes para comissões técnicas

Themístocles teme que as eieições e a Copa do Mundo possam atrapalhar

Presidente da Assembleia Legislativa, Themístocles Filho 
 Foto: Caio Bruno / Alepi

Depois de prestar contas da audiência de segunda-feira (5) com o presidente da República, Michel Temer, no Palácio do Planalto, quando discutiuo fortalecimento dos Legislativos estaduais, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho (MDB), recomendou aos líderes de partidos e blocos partidários que indiquem o mais breve possível os nomes dos parlamentares que irão compor as comissões técnicas da Casa. 

Com o retorno, até 7 de abril, dos deputados titulares ao mandato e a saída dos suplentes, obedecendo a Legislação Eleitoral, a composição das comissões técnicas deve ser alterada. 

O objetivo do presidente é que essas comissões já estejam formadas logo depois do Carnaval. “É necessário a formação das comissões técnicas nos próximos dias. E as lideranças da Casa precisam encaminhar suas indicações à Mesa Diretora”, solicitou Themístocles Filho. 

O presidente também sugeriu que os partidos que têm interesse em compor blocos partidários devem formá-los agora, logo nas primeiras sessões do Legislativo. 

“Feito isso, os líderes devem ser indicados e estes devem indicar os representantes das comissões, conforme o cálculo matemático que precisa ser feito. A partir daí teremos a composição das nove comissões desta Casa”, acrescentou o atual líder do Governo, deputado João de Deus (PT). 



Fonte: Alepi 

COMENTE!

Dudu aciona procuradoria da Câmara contra Montezuma

Dudu também vai acionar a Delegacia de Crimes Virtuais contra o secretário

Dudu com o presidente da Câmara, Jeová Alencar 
 Foto: Assessoria

O vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT), acionou a Procuradoria da Câmara Municipal de Teresina (CMT) solicitando providências cabíveis, no âmbito judicial, sobre as declarações do secretário de educação Kleber Montezuma acerca do trabalho e das decisões tomadas naquela casa. 

“Nós vereadores representamos o povo de Teresina, fomos eleitos através do voto e quando somos desrespeitados, também está sendo desrespeitada a população. Não achamos correto que um secretário, que é um cargo preenchido por indicação, não é o povo que escolhe, vá à meios de comunicação reproduzir um discurso que ataca a imagem, o trabalho e as decisões desse poder”, afirmou Dudu. 

A medida jurídica foi tomada após o plenário rejeitar o requerimento do vereador, que solicitava a presença do Secretário na CMT para dá explicações acerca das declarações proferidas em que aponta a CMT como um “puxadinho” da Assembleia Legislativa e faz até menção ao filme “O Poderoso Chefão”, um filme que retrata a máfia italiana. Para Dudu, tal atitude humilha e denigre a imagem dos vereadores de Teresina e precisa ser analisada. 

O vereador criticou a mensagem do prefeito Firmino Filho na abertura do ano legislativo de 2018, realizado no último dia 1 de fevereiro. “O prefeito Firmino veio aqui apresentar um discurso pífio, que não retrata o desastre que foi 2017 para a gestão do Prefeito, com apenas 39% de investimentos, enquanto em 2016 esse valor chegou a 73% de investimentos com recursos próprios. Ao invés de ter humildade para reconhecer as dificuldades, o Prefeito preferiu atacar esse poder, insinuando interferências externas quando quem tentou interferir foi ele próprio. O prefeito Firmino ainda não superou a eleição da Mesa Diretora e está desequilibrado”, pontou Dudu. 

Fake 

Dudu também informou que pretende acionar a Delegacia de Crimes Virtuais para investigar a divulgação de supostas conversas, onde ele teria feito comentários acerca da filha do senador Ciro Nogueira (PP). Segundo Dudu, essa é uma estratégia criada para tentar abalar a relação com os partidos aliados da base do governo. 

“Nós vamos buscar descobrir quem espalhou esse boato para evitar que o anonimato se torne um estimulante às campanhas de difamação, especialmente nesse período eleitoral. Quem fez ou continua a fazer isso está tentando atrapalhar o caminho de desenvolvimento que o governador Welington Dias e o senador Ciro vêm construindo no Piauí e nós não vamos aceitar atitudes covardes e injustas como essa”, finalizou. 



Fonte: Assessoria 

COMENTE!

Themístocles Filho pede asfalto da BR-222 a Michel Temer

O presidente da Alepi também discutiu mais autonomia para os Legislativos

Themístocles Filho com o senador Elmano Ferrer e o presidente Michel Temer 
 Foto: Marcos Corrêa/PR

O deputado Themístocles Filho (MDB) participou na manhã desta segunda-feira (5), no Palácio do Planalto, em Brasília, de audiência com o presidente Michel Temer. O senador Elmano Ferrer (MDB), também particiou do encontro, que discutiu mais autonomia para os Legislativos e a inclusão da BR-222 no Programa de Aceleração do Crescimento – PAC. 

“Foram temas referentes a todas as Assembleias do Brasil, para aumentar as prerrogativas dos poderes legislativos estaduais em nosso país. É um Projeto de Lei que está no Senado federal. Após o Carnaval alguns parlamentarem retornarão a Brasília para tratar mais uma vez sobre este assunto”, explicou Themístocles Filho.N 

O presidente da Assembleia entregou a Temer o projeto da pavimentação do trecho piauiense da rodovia BR-222. “Eu entreguei o projeto da BR 222 para o Michel Temer. Eu solicitei que fosse que incluída a BR-222 no PAC para resolvermos em definitivo o problema desta importante rodovia do estado do Piauí”, acrescentou Themístocles Filho. 

Michel Temer com Themístocles Filho em Brasília
 Michel Temer com Themístocles Filho em Brasília (Foto: Marcos Corrêa/PR) 


Fonte: Alepi 

COMENTE!

Entenda por que Lula não cai nas pesquisas mesmo após 2 condenações

Ex-presidente segue na ponta ainda que declarado culpado, em primeira e segunda instâncias, em caso de corrupção envolvendo imóvel no Guarujá

Entenda por que Lula não cai nas pesquisas mesmo após 2 condenações 
 Foto: Ricardo Stuckert  

Pesquisas do Datafolha divulgadas após as condenações em primeira e segunda instâncias sofridas pelo ex-presidente Lula - uma em setembro e outra no final de janeiro - mostram que as punições não demoveram de parte considerável da população a intenção de voto no petista.  

Em declarações ao Uol, cientistas políticos atribuem  o fenômeno a basicamente três motivos: alto índice de desconfiança no Judiciário, incerteza ou indiferença sobre as questões jurídicas envolvendo Lula e as viagens pelo Brasil feitas pelo ex-presidente, nas quais se defendeu da série de acusações que responde na Justiça.  

"Esse quadro não é para questionar a qualidade do julgamento em pauta, mas apenas para dizer que os efeitos de uma ação de uma instituição que tem perdido credibilidade tende a ter um efeito reduzido sobre a intenção de voto", explicou ao portal o coordenador da área de comportamento político da ABCP (Associação Brasileira de Ciência Política), Ednaldo Ribeiro.

Doutoranda em Ciência Política da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a pesquisadora Flávia Bozza Martins pontua que colocar em Lula a posição de grande vilão no que se refere à corrupção endêmica no país também conta.

A despeito de todo o movimento, tanto da mídia quanto do Judiciário, em dar saliência para este tema e de colocar o Lula nesse papel de uma pessoa que concentrou tudo o que se refere à corrupção nas últimas semanas e meses, a atenção um pouco a desconfiança institucional do brasileiro. Acho que isso oferece uma pista de por que isso não quis dizer muita coisa para o eleitor." 



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

05 de fevereiro de 2018

Odebrecht teria oferecido R$ 5 milhões em caixa 2 a presidente do PP

Senador Ciro Nogueira (PI) afirma ter recusado proposta

Odebrecht teria oferecido R$ 5 mi em caixa 2 a presidente do PP 
 Senador Ciro Nogueira (Foto: Reprodução)

Em depoimento à Polícia Federal prestado em setembro mas anexado somente em janeiro em inquérito instaurado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), afirma ter recebido proposta de R$ 5 milhões em caixa dois por parte da Odebrecht para a campanha de 2014. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo.  

Segundo Nogueira, a oferta teria partido de Cláudio Melo Filho, ex-executivo da empreiteira. O repasse não seria declarado e pago no exterior porque a construtora, segundo seu funcionário, já tinha "extrapolado o limite para doações oficiais". O senador garante não ter aceito a oferta.

Diante da Negativa, Melo Filho teria proposto a doação contabilizada de R$ 500 mil à campanha da deputada Iracema Portella (PP-PI), esposa do senador. O repasse foi feito de maneira oficial.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Aliados tentam acertar encontro entre Temer e Alckmin

Dificuldade de candidaturas de centro motivam políticos próximos ao Palácio do Planalto a articularem reunião entre o presidente e o governador tucano

O presidente Michel Temer (MDB) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).
Foto: Nelson Almeida/AFP

Aliados do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e do presidente Michel Temer (PMDB) tentam agendar uma reunião entre os dois para que eles discutam uma possível aliança nas eleições de 2018. O grupo do Palácio do Planalto está preocupado com a estagnação das candidaturas de centro e tem cada vez mais receio do lançamento de possível outsiders na política – apesar de negar que concorrerá, o apresentador de TV Luciano Huck segue flertando com o PPS.

No governo federal, surpreendeu o fato de Alckmin não ter crescido nas pesquisas após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) a doze anos e um mês de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Mesmo assim, a conversa com o tucano leva em consideração o fato de que as possíveis candidaturas da base aliada não estão melhores.

Se o paulista tem apenas de 6% a 11% na última pesquisa Datafolha, os nomes do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do próprio presidente Temer empolgam menos ainda os eleitores. “O Geraldo e o Michel precisam conversar e eu sou um dos que estão tentando organizar esse encontro”, disse o deputado federal Beto Mansur (PRB-SP), vice-líder do governo na Câmara.

“Depois daquela estranheza que houve na questão das denúncias, é bom aparar as arestas”, emendou Mansur. A “estranheza” a que o deputado se refere é a falta de engajamento de Alckmin para ajudar o presidente a obter votos contra suas duas denúncias criminais no PSDB. “Ficou um mal-estar”, resumiu.

Do outro lado, aliados do governador de São Paulo não estão tão animados em se aliar ao PMDB. No Palácio dos Bandeirantes, a aliança com o partido de Temer foi vista como tóxica e a estratégia, agora, é se acertar com outros partidos da base.

Alckmin planejar ter um vice do DEM. Ele mira o atual ministro da Educação, o pernambucano Mendonça Filho, e planeja fazer ao menos outras três concessões ao partido: apoiar a reeleição de Maia à presidência da Câmara em 2019 e estar nos palanques do partido na Bahia e no Rio de Janeiro.

Pacto

Pesquisas que chegaram ao conhecimento do Planalto indicam que os escândalos envolvendo o ex-presidente do PSDB, o senador Aécio Neves (MG), também prejudicaram o paulista. Aécio chegou a ser afastado do mandato pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas voltou ao cargo por decisão do Congresso Nacional.

Diante do cenário e das negociações do PSDB com legendas da base, aliados de Temer cogitam ao menos um pacto de não agressão com os tucanos, abrindo espaço para composições regionais. Entendem que, enquanto os dois partidos se desentendem, Huck cresce e tende mais a entrar na disputa.

Outro que tenta reconstruir as pontes entre os palácios do Planalto e dos Bandeirantes é o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB) – único tucano mantido na Esplanada após o desembarque do partido da base. Ao menos em público, aliados de Alckmin se dizem confiantes mesmo com a pesquisa mais recente. “O caminho do PSDB está traçado, não importa quem entre ou saia. Seguiremos em frente, com a certeza de que iremos para o segundo turno. O que as pesquisas de hoje indicam é que a sociedade está pouquíssimo interessada na política”, disse o deputado Silvio Torres (PSDB-SP).

Previdência

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), afirmou que no cronograma político do governo “Previdência vem antes de Presidência”. O Planalto espera o respaldo dos tucanos na votação, que deve ocorrer neste mês, caso a proposta não seja retirada da pauta por falta de apoio.

As articulações sobre as eleições, diz Marun, passam pela reforma. O articulador do governo federal disse que, se Temer não disputar a reeleição, um apoio ao PSDB não está descartado. “Mesmo o PSDB não sendo organicamente da base, tem um discurso reformista”, argumentou.  



Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

02 de fevereiro de 2018

Tribunal do Maranhão absolve Roseana Sarney por unanimidade

Ex-governadora era acusada de desvio de R$ 1,95 milhão da saúde

 
 Roseana Sarney está livre da acusação de desvio de R$ 1,95 milhão de recursos da
 saúde (Foto: Reprodução)  

O Tribunal de Justiça do Maranhão manteve, por unanimidade, a absolvição da ex-governadora do Estado Roseana Sarney (MDB) nesta quinta-feira, 1. A emedebista era acusada de um desvio de cerca de R$ 1,95 milhão de recursos da saúde.

Em março do ano passado, em 1.ª instância, Roseana havia sido absolvida pelo juiz Clésio Coelho Cunha, da 7.ª Vara Criminal de São Luís. A acusação do Ministério Público do Maranhão afirmava que a ex-governadora e outros 15 investigados – entre eles, o ex-secretário de Saúde Ricardo Murad (cunhado de Roseana) – teriam utilizado o valor na campanha de 2010.

O advogado Luís Henrique Machado, que defende Roseana, aponta a conclusão mais importante do julgamento. “O Tribunal entendeu que não se pode imputar responsabilidade penal objetiva pelo simples fato de ela estar no cargo de governadora de Estado à época. Você tem que comprovar o dolo, que ela tinha ciência, e por meio de provas, que ela tinha ciência de qualquer eventual esquema criminoso”, afirma.

A advogada Anna Graziella Neiva, que também compõe a banca, ressalta que ‘as acusações não podem ser baseadas em suposição, não podem ser baseadas em ilação’.

“Não pode, com base nessa solicitação de massa, ter um Judiciário de casuísmos. Não se pode fugir à regra. Nós temos uma regra e não é por que há uma comoção, o Judiciário não trata de comoção, ele trata daquele caso, precisa se aprofundar naquela discussão. Obviamente, ninguém pode ser imune ao que está acontecendo. Todos nós, operadores do Direito, temos que estar atentos. O Judiciário precisa julgar, precisa incursionar de acordo com o que está nos autos”, diz. (AE)



Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

Ministro do STF derruba liminar que suspendia privatização da Eletrobrás

STF: ministro derruba liminar que proibia privatizar a Eletrobras

 
 A Câmara dos Deputados e a AGU recorriam aos mesmos argumentos
(Foto: Rosinei Coutinho/ SCO/STF)  

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) cassou, nesta sexta-feira, 2, a decisão de um juiz federal de Pernambuco que suspendia os efeitos da MP 814/2017, que permite a privatização da Eletrobrás e subsidiárias. Moraes atendeu a uma reclamação feita pela Câmara dos Deputados, apresentada em 15 de janeiro. 

A Câmara dos Deputados e a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreram ao STF para derrubar a decisão que cortava os efeitos da MP, enviada em dezembro do ano passado. No início do ano, o juiz Claudio Kitner, da Justiça Federal de Pernambuco, suspendeu liminarmente os efeitos da medida provisória, em resposta a uma ação popular ajuizada por Antônio Ricardo Accioly Campos, irmão do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em 2014. Na decisão, o juiz afirmou que o governo federal não justificou o porquê de aprovar a questão por meio de MP.

“Julgo procedente o pedido, determinando a cassação da decisão liminar proferida na Ação Popular 0800056.23.2018.4.05.8300, bem como sua extinção; restabelecendo, por consequência, a plena eficácia do art. 3º, I, da Medida Provisória 814/2017. Oficie-se, com urgência, a autoridade reclamada e a Presidência da Câmara dos Deputados. Publique-se. Int.”, determinou Moraes, em decisão divulgada nesta sexta-feira.

Na reclamação, a Câmara dos Deputados destacou que a MP não significa a direta desestatização de qualquer empresa pública. "A sua vigência por si só não produz qualquer efeito concreto e imediato, tampouco configura a decisão política de alienar qualquer empresa estatal", afirmou.

Na última quinta-feira ,1, a ministra-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, se encontrou com Moraes no STF para tratar do tema.

A Câmara e a AGU recorriam aos mesmos argumentos. Segundo a reclamação da AGU, a decisão do juiz, de 1° instância, usurpou a competência do Supremo, "consistente no exercício do controle abstrato de constitucionalidade de ato normativo federal", referindo-se a derrubada dos efeitos da MP. De acordo com a AGU, a medida provisória só poderia ser questionada no STF por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade.

"Percebe-se que o único propósito da decisão proferida pelo juízo reclamado foi retirar a eficácia de dispositivo normativo de forma abstrata, o que revela que a ação popular foi utilizada como verdadeiro sucedâneo de ação direta de inconstitucionalidade", completou Grace, que assinou a reclamação em que pedia que a Corte derrubasse a decisão e arquivasse a ação popular que deu a sua origem.(AE)



Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

01 de fevereiro de 2018

Campanha de 2018 será de 100 metros rasos, e não de resistência

Políticos e pesquisas ignoram que eleição agora será diferente

Resultado de imagem para alckmin 
 Foto: Reprodução

O tucano Geraldo Alckmin precisa se atualizar para encarar a difícil campanha presidencial. Ao comentar pesquisa Datafolha, que o coloca em posição modesta (de 3º a 5º), recorreu ao velho chavão de pré-candidatos em má situação: "é muito cedo, a campanha será de resistência". Não percebeu que não será “de resistência” e sim de “tiro curto”, tipo 100 metros rasos: apenas 37 dias de campanha eleitoral. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Os institutos ainda fazem pesquisas de intenção de voto segundo regras e parâmetros que já não existem. Também serão surpreendidos.

A campanha será inovadora, rápida, estonteante, e marca o começo do fim do guia eleitoral. Mais do que nunca, redes sociais serão cruciais.

Antes, pesquisa com tamanha antecedência servia só para políticos anteciparem "doações" de empresas como Odebrecht, JBS etc etc.

Antes coadjuvantes, partidos serão protagonistas: poderão escolher os candidatos que terão acesso ao "fundão" público de R$1,7 bilhão.  



Fonte: Diário do Poder 


COMENTE!

Renan defende Lula: “Cadê a prova?”

Tudo pelo foro privilegiado...

Resultado de imagem para Renan calheiros e Lula 
 Renan Calheiros e ex -presidente Lula (Foto: Reprodução)

Um dos políticos mais processados no Supremo Tribunal Federal, empenhado em se reeleger para não perder o direito ao foro privilegiado, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) tenta colar a sua imagem à de Lula atrás dos votos dele e do PT no seu Estado. Os dois se merecem.  



Por: Ricardo Noblat
Fonte: Veja 

COMENTE!

Pesquisa: 53% dos entrevistados acham que Lula deve ser preso

Instituto ouviu 2.826 pessoas, em 174 municípios, entre os dias 29 e 30 de janeiro

Pesquisa: 53% dos entrevistados acham que Lula deve ser preso 
 Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Os brasileiros estão divididos sobre a possível inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após sua condenação em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, segundo a última pesquisa Datafolha.  

A parcela dos que dizem que Lula deveria ser impedido de participar das eleições de outubro é maior - 51%, contra 47% que afirmam que ele deveria concorrer -, mas a diferença está dentro da margem de erro, de dois pontos para mais ou para menos.

Condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), Lula está inelegível de acordo com o disposto na Lei da Ficha Limpa, embora sua participação na disputa ainda possa ser obtida no TSE ou mediante recursos a outros tribunais superiores.

Entre os grupos que mais defendem seu impedimento estão os eleitores com ensino médio (55%) e superior (67%) e trabalhadores com renda familiar mensal acima de dois salários mínimos (60%), com apoio que cresce até 70% conforme a renda.

A candidatura de Lula encontra apoio nas regiões Nordeste e Norte, onde 71% e 53% dos eleitores, respectivamente, defendem que o ex-presidente possa ser candidato. No resto do país, mais de 60% se opõem à ideia.

PRISÃO

A maioria dos brasileiros (53%), no entanto, quer Lula na prisão. A variação para setembro é de um ponto percentual para menos, dentro da margem de erro. Entre os que consideram que o petista não deveria ser preso, o índice cresceu de 40% para 44% nos últimos quatro meses.

O Datafolha ouviu 2.826 pessoas em 174 municípios entre os dias 29 e 30 de janeiro, após o TRF-4 determinar a sentença de 12 anos e um mês em regime fechado.

A parcela que diz acreditar que Lula não será preso ainda é majoritária (56%), mas encolheu dez pontos percentuais desde setembro.

Segundo entendimento do Supremo Tribunal Federal, o petista poderia começar a cumprir a pena de prisão após encerrados os recursos em segunda instância. Na última terça (30), a defesa do ex-presidente pediu ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), um habeas corpus preventivo para evitar uma possível prisão -o pedido de liminar foi negado pela corte, que ainda vai analisar o mérito.

Para 50% dos entrevistados, a decisão do TRF-4 foi justa, contra 43% que acham que não. Entre os 76% que disseram ter conhecimento sobre o julgamento, 54% consideram justa a sentença -índice que sobe para 60% entre os 24% que se dizem bem informados sobre o caso.

Há um equilíbrio entre os que consideram que a Justiça trata Lula da mesma forma que os outros políticos (37%) e os que afirmam que o tratamento dado ao petista é pior (35%). Para 53%, a velocidade do processo envolvendo Lula é igual ou menor que a dos demais políticos, contra 41% que dizem que ele anda mais depressa.

O recurso de Lula começou a tramitar no TRF-4 no fim de agosto, e o julgamento ocorreu cinco meses depois, passando à frente de sete ações da Lava Jato. A mesma turma condenou, em cinco meses e meio, Eduardo Cunha a 14 anos e seis meses de prisão.

CORRUPÇÃO

Mais de 80% dos brasileiros disseram acreditar que Lula sabia da corrupção em seu governo, sendo que 54% afirmam que o petista permitiu que ela ocorresse.

Os números são altos inclusive entre os que declararam que votariam em Lula: 68% deles acham que o então presidente sabia, mas 50% dizem que ele não poderia fazer nada para evitá-la.



Fonte: Com informações da Folhapress.

COMENTE!

31 de janeiro de 2018

Cristiane Brasil contesta no STF suspensão de posse em ministério

Defesa da deputado apresentou histórico da deputada e negou que condenação trabalhista inviabilize exercício do cargo

Cristiane Brasil contesta no STF suspensão de posse em ministério 
 Foto: Agência Brasil  

Os advogados da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) defenderam hoje (31) a competência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para julgar a validade de sua nomeação para o cargo de ministra do Trabalho. Em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), os advogados sustentam que não há óbices legais para a posse de Cristiane, que foi suspensa por meio de liminar proferida pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia. O caso voltará a ser julgado nas próximas semanas.  

Na petição, a defesa diz que a nomeação não afrontou o princípio constitucional da moralidade e que, sendo assim, deveria prevalecer a decisão do STJ que liberou a posse da deputada. Os defensores de Cristiane também argumentam que os processos trabalhistas enfrentados pela parlamentar não podem ser usados para impedi-la de ser empossada.

“A decisão agravada, no entanto, é absolutamente insustentável, uma vez que não há qualquer violação ao princípio da moralidade, uma vez que a ora reclamada, ao ter ajuizada contra si uma reclamação trabalhista e resistir à pretensão do autor, está exercendo o seu legítimo direito de ação e do devido processo legal”, diz a defesa.

A nomeação de Cristiane Brasil foi anunciada pelo presidente Michel Temer no dia 3 de janeiro, mas a deputada foi impedida de tomar posse por força de uma decisão liminar (provisória) do juiz Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói, proferida em 8 de janeiro.

Couceiro acolheu os argumentos de três advogados que, em ação popular, questionaram se a deputada estaria moralmente apta a assumir o cargo após ter sido revelado pela imprensa que ela foi condenada pela Justiça do Trabalho a pagar mais de R$ 60 mil a um ex-motorista, em decorrência de irregularidades trabalhistas. Em seguida, a posse também foi suspensa por decisões da segunda instância da Justiça Federal no Rio de Janeiro e do STF.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Bolsonaro herda mais votos de Lula do que o próprio PT

Ao todo, 35% dos que disseram votar no ex-presidente não teriam 'plano B' caso ele seja impedido de disputar eleições por causa de condenação no TRF4

Resultado de imagem para Bolsonaro 
 Bolsonaro (Foto: Reprodução)

Caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realmente fique de fora da disputa presidencial de 2018, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) herdaria mais votos do petista do que o ex-governador da Bahia Jaques Wagner, do PT. Enquanto o deputado fluminense ficaria com 7% dos votos dos eleitores de Lula, o baiano herdaria 4%. A maior parte (31%), no entanto, ainda é formada pelos que respondem que não teriam candidato, que votariam nulo ou em branco caso Lula fosse impedido de disputar a eleição. Outros 5% disseram não saber quem escolheriam.

Os principais destinatários do espólio do ex-presidente seriam dois ex-ministros do seu governo: Marina Silva (Rede), que teria o apoio de 15% dos eleitores de Lula, e Ciro Gomes (PDT), que receberia outros 14%. Cotado para disputar as eleições, apesar de negar que vá se candidatar, o apresentador Luciano Huck também ficaria no bloco de cima dos “herdeiros”: 8% dos apoiadores de Lula escolheriam o comandante do Caldeirão do Huck.

Os demais se dividem entre uma série de candidatos, entre outros da própria esquerda e nomes quase que diametralmente opostos às propostas de Lula: 4% para o senador Alvaro Dias (Podemos-PR), 3% para o senador e ex-presidente Fernando Collor (PTC-AL) e para a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), 1% para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), para o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro (PSC), para o engenheiro João Amoêdo (Novo) e para o líder de movimentos sociais Guilherme Boulos (cotado para se filiar ao PSOL).

Líder isolado

Segundo o levantamento do Datafolha, Bolsonaro é o principal beneficiado, ao menos no primeiro momento, de um cenário sem Lula. O deputado do PSC lideraria as intenções de voto com índices que variam entre 18 e 20%, com Ciro e Marina vindo na sequência. O pré-candidato do PDT apareceria com valores entre 10% e 13% e a ex-senadora da Rede ficaria entre 13% e 16%.

Nome do PT pesquisado como alternativa a Lula, o ex-governador Jaques Wagner aparece no cenário geral sem o ex-presidente com 2% das intenções de voto. Outro possível substituto do ex-presidente, condenado em segunda instância pelo TRF4 e ameaçado de ser barrado pela Lei da Ficha Limpa, é o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), que não consta nos resultados divulgados nesta quarta.

A pesquisa foi feita nos dias 29 e 30 de janeiro, após o julgamento do petista, com 2.826 candidatos em 174 municípios. A margem de erro é de 2%, para mais ou para menos.    



Fonte: Veja 

COMENTE!

30 de janeiro de 2018

Bolsonaro pede ao TSE suspensão de pesquisa eleitoral do Datafolha

Político alega que questionamentos apresentados seriam tendenciosos

Bolsonaro pede ao TSE suspensão de pesquisa eleitoral do Datafolha 
 Foto: Stringer . / Reuters

A defesa do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) protocolou, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta terça-feira (30), representação que pede a impugnação de pesquisa eleitoral promovida pelo jornal Folha da Manhã e realizada pelo instituto Datafolha. Solicita ainda que o material, registrado no tribunal sob o número BR-05351/2018, seja impedido de circular em definitivo. A previsão era de que a pesquisa fosse divulgada nesta quarta-feira (31).  

Os advogados do político afirmam que a pesquisa, além de pretender aferir a intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018, contém questionamentos sobre a opinião dos potenciais eleitores sobre circunstâncias atuais da política nacional e dos seus protagonistas.

“Nesse ponto, os questionamentos apresentados se revelam tendenciosos, com nítido objetivo de manipular, não apenas o eleitor consultado, mas também aqueles que do seu conteúdo tiverem conhecimento, tudo isso em benefício de uma determinada candidatura, cujo registro perante o TSE é natimorto. De outro lado, ao candidato ora representante, a 'pesquisa' reserva tratamento difamatório, baseado em premissa reconhecidamente falsa”, diz a defesa de Bolsonaro.

Os advogados se referiram à pergunta que diz: "Você tomou conhecimento sobre denúncias envolvendo o aumento do patrimônio da família do deputado Jair Bolsonaro desde o início da sua carreira política?"

A questão está relacionada à reportagem da Folha de S. Paulo sobre o patrimônio do deputados e de seus três filhos, que também exercem mandatos políticos. O quarteto é dono de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões. Levantamento feito pelo jornal em cartórios identificou que os principais apartamentos e casas, comprados nos últimos dez anos, registram preço de aquisição bem abaixo da avaliação da Prefeitura do Rio à época.

No entanto, a defesa do deputado e presidenciável destaca que ele não foi denunciado pelo Ministério Público em razão de acréscimo de patrimônio. Em razão do recesso forense, que somente terminará dia 1º de fevereiro, a análise do pedido de cautelar deverá ser feita pela presidência dao TSE.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Supremo não vai se apequenar revisando prisão em 2ª instância, diz ministra

Cármen Lúcia descarta revisar prisão após segunda instância

 
 A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia (Foto: ABr)  

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, disse que se a Corte utilizar o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para revisar a decisão sobre prisão após segunda instância seria "apequenar" o tribunal. As declarações foram dadas em um jantar promovido pelo portal Poder360 com empresários e jornalistas na noite de segunda-feira, 29.

"Não sei por que um caso específico geraria uma pauta diferente. (Analisar o tema por Lula) Seria apequenar muito o Supremo. Não conversei sobre isso com ninguém”, afirmou Cármen Lúcia. 

Na semana passada, o Tribunal Regional da 4ª Região recusaram os recursos de Lula, de sua condenação na primeira instância a 9 anos e seis meses de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro. Por unanimidade, os três desembargadores confirmaram a condenação e aumentaram a pena para 12 anos e um mês.

Em 2016, o STF permitiu a execuação da pena após a condenação na segunda instância. No caso de Lula, cabe ainda um recurso, chamado de embargo de declaração, depois ele já poderia começar a cumprir sua pena.

A presidente do Supremo disse, contudo, que em fevereiro o tema não estará na pauta da Corte. E a previsão é a mesma para março - também não deve ser retomada a discussão.

No ano passado, ministros do STF deram declarações indicando que o Supremo pode rever a decisão. Dentre eles, Gilmar Mendes - que, à época, foi voto decisivo para a decisão, mas hoje indica ter mudado de ideia.

O pleno do Supremo já havia analisado também a questão em 2009. Ontem, durante o encontro, Cármen lembrou que votou da mesma forma nas duas vezes.“Votei igual duas vezes (pela permissão da prisão em 2ª instância). Em 2009 fui voto vencido, em 2016, fui voto vencedor”, disse.




Fonte: Diário do Poder 

COMENTE!

29 de janeiro de 2018

Caso Camilla Abreu: audiência será realizada no dia 23 de fevereiro

A juíza vai decidir se Alisson Wattson será julgado pelo Tribunal Popular do Júri

Imagem relacionada 
 Foto: Reprodução

A audiência de instrução e julgamento do capitão da Polícia Militar do Piauí Alisson Wattson da Silva Nascimento, assassino confesso da namorada Camilla Abreu, ocorrerá no dia 23 de fevereiro, às 8h30. 

A defesa do militar entrou com um novo pedido de habeas corpus, mas na semana passada a juíza de direito Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, negou o pedido de liberdade. No final da audiência, a juíza vai decidir se Alisson Wattson será julgado pelo Tribunal Popular do Júri. 

O crime 

A estudante do curso de Direito, Camilla Abreu, 21 anos, foi morta pelo capitão da PM no dia 26 de outubro do ano passado. Após cinco dias o corpo da jovem foi encontrado em estado de decomposição no Povoado Mucuim, na zona rural de Teresina. 

Allison Wattson está preso desde o dia 31 de outubro e encontra-se no presidio militar, onde responde também a processo administrativo movido pela Polícia Militar para avaliar a conduta do acusado. 

Na denúncia apresentada pelo Ministério Público do Piauí o militar foi indiciado por três crimes: feminicídio, ocultação de cadáver e fraude processual.  


Fonte: Alinny Maria
PiauiHoje.com 

COMENTE!

Gleisi Hoffmann afirma que Lula será candidato em 2018

"Não acredito que a corte suprema vai deixar acontecer uma barbaridade dessas,diz Glesi

Foto 
 Foto: Reprodução

Em entrevista concedida à jornalista Mônica Bergamo, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) descarta o risco de prisão do ex-presidente Lula, que foi condenado sem provas pelo TRF-4 por reformas no triplex da OAS. "Não acredito que a corte suprema vai deixar acontecer uma barbaridade dessas. Seria uma violência não só contra o Lula, mas contra a democracia e o povo brasileiro, pela representatividade que ele tem no país", disse ela. 

Gleisi também afirma que Lula é o candidato do PT, em qualquer hipótese. "É importante dizer que a candidatura do Lula não se define no âmbito da Justiça criminal e sim da Justiça Eleitoral. E essa discussão se dará a partir de 15 de agosto. Até lá vamos trabalhar com o Lula pré-candidato", afirma. 

A senadora adiantou que Lula continuará viajando pelo País. "E já temos uma agenda de caravanas e seminários para debater plano de governo. Lula continuará conversando com o povo brasileiro", afirma. 

Ela também criticou duramente o juiz Ricardo Leite, de Brasília. que impediu a viagem de Lula à África para um congresso internacional sobre a fome. "Isso que fizeram do passaporte do Lula é injustificável. O juiz que fez isso é um desqualificado. Responde até a processo movido pelo Ministério Público. E se mete num caso que não tem nada a ver com ele para ganhar cinco minutos de fama", afirmou. "O Lula é brasileiro, jamais fugiu à luta ou de qualquer enfrentamento. Aí proíbe o Lula de viajar, de ir para a Etiópia discutir a fome, mostrar o que fez no Brasil. Agora, ao Temer é permitido ir à Suíça se encontrar com os ricos e banqueiros", afirmou. "O Lula não foi flagrado em gravação pedindo para manter esquema, como o Temer. Querem impedir o Lula e deixar Aécio Neves disputar, Temer disputar."   



Fonte: Brasil 247 

COMENTE!

Temer: 'Quero que Lula dispute a eleição e seja vencido no voto'

Presidente da República também afirmou que aproveitará os últimos seis meses na Presidência para recuperar seus "aspectos morais"

Temer: 'Quero que Lula dispute a eleição e seja vencido no voto' 
 Foto: Alan Santos/PR  

O presidente da República, Michel Temer, tem aproveitado o recesso parlamentar para investir em participações em programas de rádio e TV tradicionais. Na manhã desta segunda-feira (29), ele está em São Paulo, onde deu entrevista ao vivo para o programa Jornal Gente, na Rádio Bandeirantes.  

Ao falar sobre a condenação do ex-presidente Lula, na semana passada, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Temer afirmou que não faria comentários do ponto de vista jurídico. "Do ponto de vista jurídico, não dou palpite".

O petista foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Já ao ser questionado sobre o cenário político, o presidente da República defendeu a candidatura de Lula. "Eu, preferencialmente, queria que ele pudesse disputar a eleição, e que fosse vencido no voto", destacou.

Segundo Temer, a ausência do petista não contribui para a estabilidade nacional. "A sua não-participação tensiona o Brasil, e o que nós temos de fazer é distensionar o país. Não queremos brasileiro contra brasileiro", afirmou.

O presidente também avaliou que Lula está vivo politicamente, apesar da sentença. "Eu acho que a figura dele é de muito carisma, não é à toa que está em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. Não sei se ele está morto eleitoralmente, depois da condenação, se participará ou não da disputa, mas sei que politicamente ele não está morto", destacou.

Sobre uma possível candidatura ao Planalto, Temer negou. "Eu estou cumprindo muito bem o meu papel e estou satisfeito, mas quero alguém que defenda meu legado", disse. Depois, completou afirmando que pretende recuperar a sua imagem. "Eu fui, de algum modo, desmoralizado. E quem conhece a minha vida e a minha conduta sabe disso. Por isso, vou dedicar esses últimos meses a recuperar meus aspectos morais. Não vou mais admitir que digam 'o presidente é trambiqueiro'. Os meus detratores estão na cadeira, e quem não está preso está desmoralizados, fo desmascarado".

Questionado sobre o fato de as acusações a que se referiu terem surgido não apenas por parte da oposição, mas também do Ministério Público Federal (MPF), Temer criticou a atuação do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot. "O problema não é o Ministério Público, mas um membro do Ministério Público, que não teve tranquilidade nem serenidade suficientes para lidar com as demandas", disse Temer.

O presidente ainda se esquivou da resposta sobre o lançamento de uma candidatura própria do MDB à Presidência. "Vocês me convidam para vir aqui no final de maio e eu digo". Ele ainda afirmou que gostaria de ser lembrado "como alguém que produziu um legado positivo para o Brasil".



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

28 de janeiro de 2018

Marina Silva diz que PT, PSDB, MDB e DEM precisam de 4 anos sabáticos

Para a pré-candidata, país vive momento político "delicado"

Marina Silva diz que PT, PSDB, MDB e DEM precisam de 4 anos sabáticos 
 Foto: DR

A pré-candidata à presidência da República pela Rede Sustentabilidade, Marina Silva, afirmou que a sociedade brasileira deveria fazer um favor ao PT, PSDB, MDB e DEM, concedendo-lhes quatro anos sabáticos, para que o País possa, em novas bases, "dar um passo à frente".  

Segundo ela, esses partidos "precisam de quatro anos sabáticos para se reencontrar com as bases e reler seus programas". "São partidos que deram grande contribuição para a sociedade, mas se perderam no projeto de poder pelo poder, da eleição pela eleição. Deixaram de discutir os rumos da nação", avaliou em entrevista ao programa Café com Política da Rádio Super Notícia FM, de Belo Horizonte (MG), neste sábado (27).

Ela ainda comentou a condenação em segunda instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do tríplex do Guarujá na última semana, dizendo que vivemos um momento delicado da história política do País. "É a primeira vez que um ex-presidente da República é condenado. A situação exige, das lideranças políticas e da sociedade de um modo geral, uma atitude de respeito às instituições, compreendendo que seja assegurado o direito de ampla defesa. A própria Justiça dispõe de mecanismos internos de revisão de suas decisões."

Marina disse que tem de se aproveitar esse momento para acabar com o foro privilegiado, citando o senador Aécio Neves e dizendo que não se pode ter "dois pesos e duas medidas". "Temos situações com mais de 200 parlamentares que estão igualmente sendo investigados e não estão sendo punidos por terem o poder de fazer o auto-julgamento. Veja o que aconteceu no caso do senador Aécio Neves, a quem o Supremo devolveu, para os seus pares, a prerrogativa de julgá-lo", lembrou. "Precisamos de uma situação em que haja equidade: aqueles que poderão concorrer a um pleito eleitoral devem ser igualmente julgados", sustentou.

A política também se manifestou contra a reforma política aprovada no Congresso no ano passado, que, segundo ela, foi feita de uma forma em que somente os partidos tradicionais, sejam de esquerda ou de direita, possam governar o País, já que a eles serão destinados a maior parte do fundo eleitoral e do tempo de TV. "Com o fundo eleitoral bilionário, esses partidos sobreviverão independente de convencimento de quem quer ou não contribuir com eles", avaliou.

Questionada se estaria a favor ou contra as medidas do governo de Michel Temer, Marina disse que as reformas propostas por Temer foram inviabilizadas por ele próprio, já que não foram discutidas com a sociedade. "O presidente Temer não tem legitimidade ou credibilidade. Inclusive, ele guarda no seio do seu governo, com foro privilegiado, seis pessoas que deveriam estar sendo igualmente julgadas e punidas", reforçou.



Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

Lula: 'Quanto mais me acusam, mais eu cresço nas pesquisas'

Ex-presidente gravou vídeo para ser exibido em evento na Etiópia do qual não pode participar

Lula: 'Quanto mais me acusam, mais eu cresço nas pesquisas' 
 Foto: Paulo Whitaker/Reuters  

Impedido pela Justiça de deixar o país para participar de um evento da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, na Etiópia, o ex-presidente Lula gravou um vídeo exibido neste sábado (27) durante o evento.  

“Eles não querem que eu seja candidato porque quanto mais eles me acusam, mais eles me perseguem, mais eu cresço nas pesquisas de opinião pública. Eles sabem que se sou candidato — contra a mídia no meu país, contra as elites brasileiras —, eles sabem que minhas chances de ganhar as eleições no primeiro turno são absolutas", disse o petista.

Lula teve o passaporte apreendido após decisão polêmica da Justiça Federal do Distrito Federal, segundo a qual o ex-presidente poderia se aproveitar da ocasião para pedir asilo político fora do Brasil.

Na quarta-feira (24), o petista foi condenado em segunda instância a 12 anos 1 mês de prisão


Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

26 de janeiro de 2018

Advogado entrega passaporte de Lula à Polícia Federal em São Paulo

O juiz deu prazo de 24 horas para que o documento fosse entrega à PF e determinou que o nome de Lula fosse incluído no cadastro de pessoas impedidas de deixar o país

Advogado entrega passaporte de Lula à Polícia Federal em São Paulo 
 Foto: Paulo Whitaker/Reuters

O advogado Cristiano Zanin Martins entregou no final da manhã desta sexta-feira (26) o passaporte do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Polícia Federal, em São Paulo. Zanin, que defende Lula em vários processos, atendeu a determinação do juiz substituto Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília.  

Na quinta-feira (25), o magistrado atendeu a pedido da Procuradoria da República do Distrito Federal, que entende que o ex-presidente pode abandonar o país após Tribunal Regional Federal da 4 ª Região (TRF4) confirmar a condenação de Lula na ação penal envolvendo o triplex no Guarujá (SP) e aumentou a pena do ex-presidente para 12 anos e um mês de prisão.

O juiz deu prazo de 24 horas para que o documento fosse entrega à PF e determinou que o nome de Lula fosse incluído no cadastro de pessoas impedidas de deixar o país. Lula viajaria à Etiópia nesta sexta-feira (26) para participar de um evento da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O ex-presidente cancelou a viagem.



Fonte: Com informações da Agência Brasil.


COMENTE!

25 de janeiro de 2018

Lula confirma pré-candidatura mesmo com fato 'indesejável'

No dia anterior, o petista teve sua condenação no caso do tríplex confirmada por unanimidade no TRF-4

Lula confirma pré-candidatura mesmo com fato 'indesejável' 
 Foto: Reuters

Ao confirmar sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto, o ex-presidente Lula disse em reunião das lideranças nacionais do PT nesta quinta-feira (25) que a campanha presidencial do partido tem que seguir mesmo que aconteça uma "coisa indesejável".  

No dia anterior, o petista teve sua condenação no caso do tríplex confirmada por unanimidade no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o que pode torná-lo inelegível.

"Espero que essa candidatura não dependa do Lula", afirmou o ex-presidente. "Essa candidatura só tem sentido se vocês forem capaz de fazê-la mesmo que aconteça uma coisa indesejável. É colocar o povo brasileiro em movimento." 

"E nós temos uma arma poderosa. É cobrar deles [Judiciário], todo santo dia, que eles apresentem uma prova de qual foi o crime que eu cometi", seguiu Lula.

O desembargador Leandro Paulsen, revisor do processo de Lula no TRF-4, mencionou em seu voto que a prisão do ex-presidente poderá ser pedida assim que forem julgados os embargos de sua defesa. É o que determina a súmula 122 do tribunal: "Encerrada a jurisdição criminal de segundo grau, deve ter início a execução da pena imposta ao réu, independentemente da eventual interposição de recurso especial ou extraordinário".

O rigor da sentença encurtou o cronograma projetado pelo PT para brigar pelo registro do nome de Lula na disputa pelo Planalto, mas o partido reitera a intenção de seguir com a candidatura dele.

"Nós não estamos jogando sozinhos no campo", afirmou o petista no evento. "Nós temos outros candidatos, e as pessoas que me julgaram ainda têm a caneta com tinta e certamente vão tentar criar obstáculo para evitar que o Lula continue andando pelo país falando mal deles."

A presidente nacional da sigla, senadora Gleisi Hoffmann (PR), voltou a negar no encontro que o PT trabalhe com a possibilidade de um plano B.

"Lula é o nosso candidato às eleições de 2018", afirmou ela no palco, antes de colocar em votação a candidatura do ex-presidente, aprovada por aclamação pelo auditório reunido na sede nacional da CUT (Central Única dos Trabalhadores), na região central de São Paulo.

JESUS CRISTO

Lula disse ainda que a candidatura não é uma tentativa de se proteger das ações judiciais e que sua maior defesa é sua inocência.

O petista afirmou que às vezes tem a impressão de que as investigações contra ele são "a maior injustiça cometida na humanidade".

"Não é verdade", prosseguiu. "Jesus Cristo foi condenado à morte sem dizer uma palavra, recém-nascido. E se o José não corre ele tinha sido morto. [...] Era a tentativa de julgar alguém que vinha para fazer alguma coisa boa."

Para gargalhadas da plateia na convenção, arrematou: "E olha que não tinha empreiteira naquele tempo, não tinha Lava Jato".

"Eu sei que amanhã a imprensa vai dizer: 'Lula se compara a Cristo'. Longe disso. Mas eu tô apenas querendo relembrar a vocês. Não vai ser uma tarefa fácil. Esse partido passou um monte de tempo gritando que não ia ter golpe e teve golpe."

Para o ex-presidente, o PT é "vítima de uma trama premeditada" a partir "de um pacto entre Poder Judiciário, a mídia e as instituições outras do Estado brasileiro que constroem uma versão".

"E eles encontraram uma coisa que detona qualquer político: corrupção. Corrupção é uma desgraça. Mesmo os amigos da gente, quando a gente é denunciado, num primeiro momento, até a gente provar que não é, as pessoas falam: 'E se for?'."

"Não é uma coisa simples você andar na rua e alguém gritar que você é ladrão. Isso é o que mais coloca a minha honra acima da pele, porque eu aceito me chamar até de corintiano, mas não posso aceitar que um canalha qualquer nesse país me chame de ladrão."

CARTEL

Ao se defender, o petista disse ainda ser vítima de um "cartel" dos juízes do TRF-4 que confirmaram a sentença de primeira instância aplicada pelo juiz Sergio Moro e aumentaram a pena.

"Um cidadão ficou seis meses com o processo, o outro teve seis dias, e o outro nem tinha pegado para ler. E eles construíram um cartel para dar uma sentença unânime para evitar o tal embargo infringente. Eles formaram um cartel para tomar uma decisão com o pretexto de apressar a possibilidade de evitar que o PT tenha o Lula como candidato a presidente da República ou de evitar que a gente volte a ganhar as eleições."

"Somente ontem [quarta] eu compreendi o que era um cartel. Dava até para mandar para o Cade [órgão do governo que investiga a formação de cartéis]", disse ele.

O discurso, de 35 minutos, foi recheado de críticas à Operação Lava Jato e de frases em que o petista diz estar de consciência tranquila após a sentença.

"Se eles tivessem encontrado um crime que eu cometi, eu sinceramente estaria aqui pedindo desculpas para vocês. E eles sabem que o que eu estou falando é verdade."

ALIANÇA

Após reunião fechada com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o comando do PT divulgou uma resolução em que determina formação de ampla aliança. O documento não restringe partidos aos quais se aliar.

A nota prega "aprofundar o diálogo e manter a unidade com partidos e forças sociais, buscando formar ampla e sólida aliança, com todos que se coloquem de acordo com o programa de governo que estamos construindo e apresentaremos ao país", diz a nota.

Segundo petistas, Lula acompanhou a redação da nota, que afirma que o ex-presidente é vítima de "violência judicial".



Fonte: Com informações da Folhapress. 

COMENTE!

PF se prepara para cumprir ordem de prisão contra Lula, diz jornal

Ideia é combinar com advogados para petista se apresentar

PF se prepara para cumprir ordem de prisão contra Lula, diz jornal   
 Foto: Reuters

A Polícia Federal começou a se preparar para cumprir uma eventual ordem de prisão contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado ontem (24) em segunda instância por lavagem de dinheiro e corrupção passiva a 12 anos e um mês de prisão.  

De acordo com uma reportagem do jornal "O Estado de S.Paulo", a cúpula da PF articula como proceder caso algum juiz emita uma ordem de prisão contra Lula. A ideia mais bem aceita no momento é a de combinar com os advogados do petista para que o ex-presidente se apresente para cumprir a pena voluntariamente. Lula não tem direito à prisão especial, pois não possui curso superior. A PF, portanto, tenta deixar um plano pronto para garantir a segurança do ex-presidente e dos próprios agentes.

Em março de 2016, quando a PF levou Lula em condução coercitiva para um depoimento, foi preciso escolta e uma operação especial devido aos protestos de militantes petistas em São Paulo, os quais entraram em confronto no aeroporto de Congonhas.

Lula tinha sido condenado a nove anos e meio de prisão, em primeira instância, pelo juiz Sergio Moro, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo caso do triplex no Guarujá, apontado como um imóvel recebido da OAS Empreendimentos como favorecimento a contratos com a Petrobras.

Ontem, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, decidiu manter a condenação em segunda instância e elevar a pena para 12 anos e um mês de prisão. Mas não foi determinada prisão imediata, o que deve ocorrer apenas quando se esgotarem todos os recurso na corte.



Fonte: (ANSA)


COMENTE!

PT vai lançar candidatura de Lula nesta quinta, reitera Padilha

"O PT não trabalha com outro nome, nosso candidato à presidência da República é Lula", disse Padilha

PT vai lançar candidatura de Lula nesta quinta, reitera Padilha 
 Foto: Agência Brasil

O vice-presidente nacional do PT, Alexandre Padilha, reiterou na manhã desta quinta-feira, 25, em entrevista à Rádio Eldorado, que, independentemente do resultado do julgamento de quarta-feira, 24, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o partido lançará nesta quinta, na reunião de seu Diretório Nacional, o nome de Luiz Inácio Lula da Silva como cabeça de chapa à Presidência da República, nas eleições gerais de outubro deste ano. "O PT não trabalha com outro nome, nosso candidato à presidência da República é Lula", disse Padilha.  

Ele destacou que a sigla está apenas seguindo a legislação eleitoral que permite apresentar o ex-presidente como candidato. "Vamos formalizar a candidatura de Lula ao Planalto em agosto."

Na quarta, o colegiado do TRF-4 de Porto Alegre, segunda instância da Justiça, confirmou por unanimidade a sentença do juiz Sérgio Moro, que condenou Lula no caso do tríplex do Guarujá. E foi além, elevando sua pena de 9 anos e seis meses de prisão para 12 anos e um mês. Além disso, autorizou a prisão imediata do líder petista, após serem esgotados os recursos de sua defesa.

Para Padilha, todos os esforços do TRF-4, inclusive o de "antecipar o julgamento da ação de Lula", foi uma manobra para tentar tirá-lo do quadro eleitoral neste pleito presidencial. Contudo, o vice-presidente nacional do PT pontuou, na entrevista, o lado positivo dessa ofensiva: "A violência brutal sofrida por Lula só unificou o PT em torno de sua candidatura à presidência da República, ajudou a aglutinar o centro/esquerda, mesmo nomes não ligados ao PT, como Fernando Henrique Cardoso, saíram em defesa do ex-presidente, e tudo isso irá acelerar a construção de uma frente ampla de centro-esquerda para as eleições gerais deste ano."

Alexandre Padilha disse ainda à Eldorado que Lula não teme nada, nem mesmo a iminência de ser preso quando forem esgotados os recursos de sua defesa. "O que Lula teme é a afronta à democracia, como a que ocorreu ontem, sua condenação foi uma farsa jurídica e, infelizmente, nossa democracia fica cada vez menor."

Segundo ele, Lula irá participar, ao lado de outras lideranças, da reunião desta quinta do Diretório Nacional do PT, que será realizada a partir das 10 horas na sede da CUT na capital paulista, e na sexta, 26, segue para a Etiópia, como convidado de honra da FAO, para falar sobre a fome que atinge o mundo.



Fonte: Com informações do Estadão Conteúdo.


COMENTE!

Aliados veem Lula inviabilizado para eleição

Os principais aliados de Lula reconheceram que o rigor da sentença proferida nesta quarta-feira (24) encurta o cronograma projetado originalmente pelo PT

Aliados veem Lula inviabilizado para eleição 
 Foto: Reuters / Ueslei Marcelino  

A derrota de Luiz Inácio Lula da Silva por unanimidade estreita o campo de atuação da defesa do petista, enfraquece a viabilidade de sua candidatura presidencial e pode isolar o PT na eleição.  

Os principais aliados de Lula reconheceram, horas depois do julgamento, que o rigor da sentença proferida nesta quarta-feira (24) encurta o cronograma projetado originalmente pelo PT até decisão final sobre o registro de seu nome da disputa pelo Palácio do Planalto.

Os petistas esperavam que Lula chegasse ao período de registro de candidaturas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em condições mais favoráveis -com recursos pendentes em segunda instância ou abatido por uma sentença menos rígida.

Agora, petistas ouvidos pela reportagem admitem que a discussão sobre o caso do tríplex em Guarujá (SP) deve se encerrar no TRF-4 muito mais cedo do que esperavam as lideranças do partido -uma vez que, derrotado por placar unânime, Lula só poderá apresentar um tipo de recurso ao tribunal.

Aliados do ex-presidente estimam que os embargos de declaração, usados para esclarecer pontos da sentença, devem ser julgados em pouco mais de dois meses.

Como esse recurso não reverte a condenação, eles acreditam que o caso deve estar encerrado em abril, quando o tribunal pode decretar a prisão de Lula.

Além disso, o julgamento sepultou uma esperança de que Lula tivesse direito a apresentar, ainda no TRF-4, embargos infringentes -permitidos quando há divergência a favor do réu na votação. Nesse caso, o PT previa que o processo se arrastaria na segunda instância pelo menos até as vésperas do registro da candidatura, em julho e agosto deste ano.

Petistas enxergam hoje, portanto, um ambiente ainda mais desfavorável para o ex-presidente no Judiciário e avaliam que há menos chances de ministros de tribunais superiores reverem as condenações, consideradas rígidas.

Diante desse cenário, a estratégia dos petistas será radicalizar o discurso contra o Judiciário e os adversários políticos de Lula por considerarem que os espaços de mediação na Justiça estão limitados.

Faz parte desse plano insistir na candidatura de Lula à Presidência -que deve ser lançada nesta quinta (25) em São Paulo- como a principal frente de sua defesa.

O partido vai insistir nesse processo, de acordo com aliados, mesmo que o ex-presidente seja preso. Eles preveem uma sucessão de recursos e liminares no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e no STF (Supremo Tribunal Federal) que poderão garantir o registro de sua candidatura ou, ao menos, adiar uma declaração de inelegibilidade.

O PT ainda aposta na tese de que a rigidez da sentença desta quarta e uma eventual prisão de Lula podem alimentar um discurso de martirização do petista.

ISOLAMENTO

Petistas reconhecem que a condenação e a chance de prisão aumentam o risco de que o partido fique isolado no processo eleitoral.

Partidos que discutiam uma possível aliança com o PT mesmo diante da incerteza sobre a candidatura de Lula agora mudam o discurso e cobram uma decisão imediata sobre um possível plano B.Siglas e movimentos sociais alinhados ao petista acreditam que há sinais claros de que a sentença não deve ser revertida em instâncias superiores e que Lula estará fora da corrida presidencial.

Caso o PT não antecipe a substituição do ex-presidente, esses grupos tendem a procurar projetos alternativos.



Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

24 de janeiro de 2018

TRF-4 mantém condenação de Lula por unanimidade

Juiz Victor Laus foi o terceiro a proferir seu voto e seguiu o relator e revisor do caso, João Pedro Gebran e Leandro Paulsen, respectivamente

TRF-4 mantém condenação de Lula por unanimidade 
 Foto: Ricardo Moraes

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve sua condenação confirmada no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) na tarde desta quarta-feira (24). O revisor Leandro Paulsen, o relator João Pedro Gebran e o juiz federal Victor Laus votaram por aumentar a pena do petista para 12 anos e um mês de prisão. Em julho de 2017, o juiz Sergio Moro havia dosado a sentença em 9 anos e meio.  

A defesa de Lula tem dois dias a partir da publicação do acórdão para apresentar embargos de declaração, que pedem, apenas, esclarecimento da sentença. Já que a votação foi unânime, não cabem embargos infringentes. Paulsen disse que o ex-presidente terá mandado de prisão expedido após o julgamento dos recursos.

Paulsen disse por volta das 16h que a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em desvios na Petrobras é "inequívoca".

Mais cedo, o juiz federal João Pedro Gebran Neto, relator da apelação do ex-presidente Lula no TRF-4, confirmou a condenação em primeira instância e votou pelo aumento da pena do réu para 12 anos e um mês.


Fonte: Folha Press 

COMENTE!

'Lula é responsável pelo desastre político do país', diz tucano

Ataídes Oliveira (PSDB-TO) defendeu que o TRF-4 mantenha condenação do ex-presidente

'Lula é responsável pelo desastre político do país', diz tucano 
 Foto: DR

O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) disse nesta quarta-feira (24) que a decisão mais sensata dos três desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região será manter a decisão do juiz Sérgio Moro pela condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e 6 meses de prisão.  

De acordo com o senador, "se os desembargadores mantiverem a condenação a Lula, imposta pelo juiz Sérgio Moro, estarão tomando a decisão judicial correta que atende à expectativa de uma sociedade consciente do que vem acontecendo no país".

"Eu não tenho nenhuma dúvida  em afirmar que Lula é o principal responsável pelo desastre político e econômico que tomou conta do Brasil durante os governos do PT. Por isso, espero dos desembargadores do Tribunal Regional Federal não só a manutenção da sentença condenatória como também uma decisão por unanimidade e a determinação do recolhimento imediato de Lula para o cumprimento da pena”, destacou o senador. 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, favorito nas eleições presidenciais de 2018, pode ser preso e se tornar inelegível após julgamento em segunda instância do caso do triplex no Guarujá. Lula é acusado de ter recebido o imóvel de alto padrão como propina em um esquema de corrupção orquestrado pela construtora OAS. Ele já foi condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro e aguarda a decisão dos três desembargadores do Tribunal Federal da 4ª Região. (Sputnik)



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Relator aumenta pena de Lula para 12 anos em regime fechado

Agora, será a vez de o revisor, Leandro Paulsen, anunciar seu parecer sobre o recurso do petista no TRF-4

Relator aumenta pena de Lula para 12 anos em regime fechado 
 Foto: Sylvio Sirangelo/TRF4

Após mais de três horas de exposição, o voto de João Pedro Gebran Neto, relator do caso triplex no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), foi por manter a condenação do ex-presidente Lula e ainda aumentar a pena para 12 anos e um mês em regime fechado. Em sua fala, o desembargador também estabeleceu multa de R$ 1,1 milhão ao ex-presidente.  

Agora, será a vez de o revisor, Leandro Paulsen, anunciar seu parecer. Em seguida, o desembargador Victor Luiz dos Santos Laus também vota. Os magistrados não têm tempo pré-determinado para se manifestar.

O tom do voto de Gebran Neto, porém, desde o começo, já indicava que o relator ligaria os desvios na Petrobras às acusações contra o ex-presidente Lula. O fato de Gebran ter respaldado, na análise de preliminares, o comportamento de Sérgio Moro, também apontou que o relator votaria por manter a condenação do ex-presidente.

Ele disse que houve uma "tentativa de desqualificar" o juízo, em referência a críticas a manifestações públicas do magistrado. Gebran também defendeu as ordens de condução coercitiva, como a que Lula foi submetido em 2016. O juiz do TRF lembra que não foi negado ao petista, naquela ocasião, o direito de ficar em silêncio.

O juiz federal comentou os pedidos de suspeição do juiz Sergio Moro por parte da defesa de Lula, rejeitando essa argumentação. "O fato do magistrado tomar decisões e fundamentar suas decisões ao longo do processo não torna o magistrado suspeito. Tem o direito de fundamentar de acordo com sua compreensão dos fatos", afirmou.

Gebran também defendeu a legalidade da condução coercitiva determinada por Moro em março de 2016.

Sobre um questionamento feito por Moro ter escrito um artigo sobre a Operação Mãos Limpas, na Itália, Gebran disse: "Ninguém se torna suspeito porque analisou um fato dez anos antes em outro país". Gebran também falou que contestação ao trabalho dos procuradores já foi rechaçada e lê trecho da decisão da época.

O juiz afirmou que algumas das teses defendidas pelos advogados de Lula, como a suposta incompetência de Sergio Moro para julgar o caso, já foram negadas pela corte.

"A usurpação de competência não se sustenta", disse Gebran. Ele disse que isso já foi decidido várias vezes e que o próprio STF já remeteu casos para a Vara Federal em Curitiba.

PRELIMINARES

Gebran rejeitou todas as preliminares da defesa e falou sobre a dinâmica do "ato de ofício", a contrapartida do agente público em um ato de corrupção.

O tom da fala contrariou as teses da defesa de Lula, de que não há prova de alguma atitude de Lula no poder público que configure corrupção. Gebran lembrou de precedentes da ação do mensalão, julgada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), e disse que o ato de ofício "não é elementar" para o crime de corrupção passiva.

O relator também falou sobre o esquema de corrupção na Petrobras e que não há mais como negar que houve irregularidades, como acerto entre empreiteiras e lavagem de dinheiro. A sessão em Porto Alegre já chega a três horas de duração.

Ele ainda citou a influência de Lula sobre a nomeação de diretores da Petrobras e lembrou depoimentos de delatores.

"Há provas acima de razoáveis de que o ex-presidente foi um dos articuladores, senão o principal, de um amplo esquema de corrupção. As provas aqui colhidas levam à conclusão de que no mínimo tinha ciência e dava suporte àquilo que ocorria no seio da Petrobras, destacadamente a destinação de boa parte das propinas para o Partido dos Trabalhadores. Episódios como a nomeação de [ex-diretores] Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Jorge Zelada entre outros, não deixam margens de dúvidas de sua intensa ação dolosa no esquema de propinas."

TRÍPLEX

Após uma hora e meia de leitura de voto, o relator começou a falar especificamente sobre a suposta reserva do tríplex de Guarujá ao ex-presidente Lula. Ele disse que o petista foi um dos articuladores ou o "mantenedor" do esquema de corrupção na Petrobras, e citou como argumentos depoimentos de delatores, a exemplo de Pedro Corrêa e Fernando Soares. 

Para Gebran, tudo o que envolve o imóvel do Guarujá ocorreu de forma muito fora do padrão do mercado imobiliário.

O juiz lê longos trechos de depoimentos do processo a respeito da suposta reserva, reforma e decoração do imóvel para Lula. Todos esses relatos reforçam a expectativa de que o petista ficaria com o apartamento e o vínculo da cúpula da OAS com o caso. 


Fonte: FolhaPress

COMENTE!

23 de janeiro de 2018

'Nós vamos enfrentar e derrotar o PT', afirma Alckmin

Tucano evitou declarar preferências por resultado no julgamento do ex-presidente

'Nós vamos enfrentar e derrotar o PT', afirma Alckmin 
 Foto: Reuters

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta terça-feira, 23, que vai derrotar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e qualquer outro candidato petista na disputa presidencial deste ano.  

Sobre o julgamento do petista, que ocorre nesta quarta-feira, 24, em Porto Alegre, o tucano evitou declarar preferências por resultado. "Decisão judicial se respeita. Eu não tenho detalhes da questão jurídica nem sou da área do Direito", afirmou, durante inauguração da estação Higienópolis-Mackenzie, da Linha 4-Amarela do Metrô. "Eu aguardo a decisão da Justiça, qualquer que for".

"Agora, nós vamos enfrentar e derrotar o PT, seja quem for o candidato. Concorrente não se escolhe. Estamos preparados para enfrentá-los", declarou o governador.

Ao chegar à estação por volta das 10h, Alckmin foi recebido sob protesto do Movimento Passe Livre (MPL), que pede a revogação do aumento da tarifa de ônibus, metrô e trem. Estava presente ainda na agenda o prefeito em exercício de São Paulo, Bruno Covas.

Quando as portas da estação abriram para a entrada de Alckmin e das autoridades, 15 manifestantes gritaram frases de protesto, abriram uma faixa "4 reais nunca" e tentaram entrar.

Houve confusão e empurra-empurra. Além dos seguranças da ViaQuatro, concessionária responsável pela operação da Linha 4-Amarela, dois homens que aguardavam Alckmin empurraram os manifestantes e tentaram puxar a faixa do grupo.

Na confusão, o grupo foi expulso e barrado por seguranças que bloquearam a entrada na Rua da Consolação. O valor da passagem do transporte público subiu este ano de R$ 3,80 para R$ 4 na capital paulista.


Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

Lula chega a Porto Alegre para ato na véspera de seu julgamento

Manifestação no centro de Porto Alegre reúne políticos do PT e de outros partidos, como os senadores Roberto Requião (MDB-PR) e João Capiberibe (PSB-AP)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) (@pauloteixeira/Twitter)  

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou por volta das 18h10 à Esquina Democrática, tradicional palco de manifestações políticas no centro de Porto Alegre, onde participará de um ato relacionado ao seu julgamento nesta quarta-feira, 24, pelo Tribunal Regional Federal (TRF4).

Lula será julgado na 8ª Turma do TRF4 no caso envolvendo o tríplex do Guarujá, supostamente dado a ele e reformado pela empreiteira OAS. Ele foi condenado na primeira instância a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sergio Moro.  

O ato foi organizado por movimentos sociais e centrais sindicais e conta com a presença de políticos de outros partidos, como os senadores Roberto Requião (MDB-PR) e João Capiberibe (PSDB-AP), a deputada estadual Manuela D`Ávila (PCdoB), pré-candidata à Presidência da República, e Guilherme Boulos, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que pode ser candidato ao Planalto pelo PSOL.

Do PT participam do ato, entre outros, a ex-presidente Dilma Rousseff, a senadora Gleisi Hoffmann (presidente do partido), o ex-ministro Alexandre Padilha, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, os ex-governadores do Rio Grande do Sul Tarso Genro e Olívio Dutra e os líderes do partido na Câmara e no Senado, Paulo Pimenta e Lindbergh Farias, além de outros senadores e deputados.

Os organizadores do ato falam em 40.000 pessoas presentes.  A Brigada Militar não fez estimativa de público.    


Fonte: Veja 

COMENTE!

22 de janeiro de 2018

Caso Lula entra em semana decisiva; saiba o que pode acontecer dia 24

Sessão no TRF-4 está marcada para começar às 8h30 e terá transmissão ao vivo pelo Youtube

Caso Lula entra em semana decisiva; saiba o que pode acontecer dia 24 
 Foto: Ricardo Moraes / Reuters

O julgamento da apelação criminal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra sentença imposta pelo juiz Sérgio Moro, da primeira instância, a nove anos e meio de prisão, iniciará às 8h30 do dia 24 próximo, na sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. A previsão é de que o julgamento termine por volta das 15 horas.  

O recurso envolve o favorecimento da Construtora OAS em contratos com a Petrobras, com o pagamento de propina destinada ao PT e ao ex-presidente, por meio do apartamento triplex do Guarujá e do depósito do acervo presidencial.

As imputações são de corrupções ativa e passiva, e de lavagem de dinheiro. Além de Lula (condenado no primeiro grau a 9 anos e 6 meses), recorreram contra a sentença o ex-presidente da OAS, José Aldemario Pinheiro Filho (condenado em primeira instância a 10 anos e 8 meses), o ex-diretor da área internacional da OAS, Agenor Franklin Magalhães Medeiros (condenado a 6 anos), e o ex-presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto (absolvido em primeira instância, mas requer troca dos fundamentos da sentença).

A sessão, que terá transmissão ao vivo pelo canal do TRF-4 no Youtube, começa com a abertura do presidente da 8ª Turma, desembargador federal Leandro Paulsen. Após, o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, faz a leitura do relatório do processo. Em seguida, ocorre a manifestação do MPF que, levando em conta que recorre quanto à situação de diversos réus, terá o tempo de 30 minutos. 

Depois, se pronunciam os advogados de defesa, com tempo máximo de 15 minutos cada réu. Ao todo será disponibilizada uma hora para o conjunto das sustentações orais da defesa, de modo que possam reforçar oralmente, nesta sessão, suas razões e seus pedidos.  

A seguir, Gebran lê o seu voto e passa a palavra para o revisor, desembargador Leandro Paulsen, que profere o voto e é seguido pela leitura de voto do desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus. Paulsen, que é o presidente da turma, proclama o resultado. Pode haver pedido de vista. Neste caso, o processo será decidido em sessão futura, trazido em mesa pelo magistrado que fez o pedido.

Caso confirmada a condenação, a determinação de execução provisória da pena pelo TRF-4 só ocorrerá após o julgamento de todos os recursos do segundo grau. Os recursos possíveis são os embargos de declaração, utilizados pela parte com pedido de esclarecimento da decisão, e os embargos infringentes.

Este último só pode ser pedido quando a decisão for por maioria e tenha prevalecido o voto mais gravoso ao réu. Por meio deste recurso o réu pode pedir a prevalência do voto mais favorável. Os embargos infringentes são julgados pela 4ª Seção do TRF4, formada pelas 7ª e 8ª Turmas, especializadas em Direito Penal, e presidida pela vice-presidente da corte.

Confira algumas questões sobre antes e depois do julgamento:

O processo se encerra no dia 24? 

Não. Seja qual for o resultado – condenação ou absolvição –, cabem recursos ao próprio TRF-4. 

Os desembargadores podem pedir vista antes da sentença?

Sim. Eventual pedido de vista de qualquer um dos três integrantes da 8ª Turma pode postegar a decisão. 

Se houver pedido de vista, há prazo para retomada do julgamento?

Não. Em geral, há entendimento tácito nos tribunais de que um processo com pedido de vista deve voltar à pauta do colegiado na sessão seguinte. Esse acordo, contudo, quase nunca é respeitado. Nos casos da Lava-Jato no TRF-4, o pedido de vista mais demorado levou cinco meses. O mais rápido, duas semanas.

O que ocorre em caso absolvição? 

O MPF pode recorrer da decisão do TRF-4. Neste caso, o recurso sobe para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Se houver nova absolvição, ainda cabe recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF).  

E se houver condenação?

A defesa pode recorrer ao próprio TRF-4 de duas formas: com embargos de declaração e infringentes. 

Se condenado, Lula pode ser preso?  

Não no dia do julgamento (24). Caso tenha a condenação mantida pelo TRF4, Lula só teria ordem de prisão expedida contra si após se esgotarem todos os recursos na própria Corte. Esse entendimento vem sendo aplicado pelo TRF-4 mesmo depois de o STF permitir a execução provisória da pena após condenação judicial em segundo grau. 

Como tramitaria uma ordem de prisão contra Lula? 

Após esgotados todos os recursos no TRF-4, a própria Corte pode determinar a execução provisória da pena. Em seguida, a ordem de prisão é expedida por Moro, juiz natural da causa. Após o recolhimento do condenado, quem administra a punição é a 12ª Vara Federal de Curitiba, responsável por administrar a execução penal. 

Em quanto tempo seria expedida eventual ordem de prisão? 

É impossível prever com exatidão. Nos dois processos da Lava-Jato em que réus soltos receberam ordem de prisão após esgotados os recursos na 2ª instância, esse período foi de nove e de 10 meses após o julgamento de segundo grau. Se esse tempo médio se repetir no processo de Lula, ele só seria preso a partir do final de outubro, período que coincide com o segundo turno das eleições presidenciais de 2018.

O ex-presidente pode não ser preso mesmo após esgotados os recursos no TRF-4? 

Sim. Ele pode ingressar com habeas corpus no STJ ou no STF. Também é possível enviar pedido de efeito suspensivo da pena. 



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

21 de janeiro de 2018

Ciro diz que torce por Lula, mas não vê conspiração do Judiciário

Ex-ministro, que não assinou manifesto de apoio ao petista, pede, porém, que TRF4 dê ‘evidências incontestáveis’ da culpa ou da inocência do ex-presidente

Resultado de imagem para Ciro Gomes 
 Ciro Gomes (Foto: Reprodução)

O ex-ministro Ciro Gomes, pré-candidato do PDT à Presidência da República na eleição deste ano, disse neste domingo, 21, no Facebook que torce para Luiz Inácio Lula da Silva (PT)  ser inocentado no julgamento de seu recurso pelo Tribunal Regional Federal (TRF4) na quarta-feira, 24, mas disse que não acredita em conspiração do Judiciário para tirar o petista da disputa eleitoral, como alegam o ex-presidente e seus apoiadores.

Ciro foi o único pré-candidato identificado com a esquerda que não assinou um manifesto proposto pelo PT que defende que “eleição sem Lula é fraude”. Manuela D´Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL), que também são pré-candidatos, assinaram o documento. Ciro foi convidado a assinar, mas recusou. 

Lula recorre contra a condenação, pelo juiz Sergio Moro, a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por ser o proprietário oculto de um tríplex no Guarujá, que teria sido dado a ele pela OAS em troca de favores na Petrobras. O petista nega e acusa Moro de ser parcial e ter conduzido o processo contra ele como uma “inquisição”.

“Torço para que seu recurso seja reconhecido pelo tribunal regional, órgão de segunda instância da Justiça Federal, e ele [Lula]  seja declarado inocente”, afirmou. “O Judiciário brasileiro, assim como os outros poderes de nossa frágil República, tem graves defeitos – nunca me abstive de criticá-los -, mas imaginá-lo parte orgânica de uma conspiração política ofende a inteligência média do país e, pior, a consequência inevitável desta constatação teria desdobramentos tão graves que a um democrata e republicano só restaria a insurgência revolucionária. Não creio, definitivamente nisto.”

Apesar disso, Ciro criticou o Judiciário. “É definitivamente constrangedor e inexplicável que nenhum quadro relevante do PSDB esteja preso apesar de fartas e robustas evidências de seu orgânico e ancestral envolvimento em corrupção”, afirmou, para emendar que, no entanto, “não é irrelevante que estejam presos quadros centrais do PMDB como Eduardo Cunha, Gedel Vieira Lima ou Henrique Alves”.

“O que quero dizer nesta hora crítica é que, apesar de seus graves problemas, a Justiça brasileira ainda deve merecer o respeito institucional da nação. O oposto é a baderna, a anarquia e, evidentemente, a violência”, afirmou.  

Segundo ele, o TRF4 deve compreender “a transcendência de sua decisão”. “Que, independentemente de pressões legítimas ou espúrias, afirme a Justiça! Que tenha a força moral de afirmar a inocência de Lula no processo em questão, se, como eu, não vislumbrar clara a sua culpa. Que dê evidências incontestáveis de sua culpa, caso assim entenda, de maneira que a qualquer do povo não reste dúvidas e, assim, possa a nação afirmar como o injustiçado alemão: há juízes em Berlim. E, apesar de tudo, também no nosso sofrido Brasil.”

A frase “há juízes em Berlim” é retirada do conto “O Moleiro de Sans-Souci”, do escritor François Andriex (1759-1833). O episódio teria ocorrido 18, quando o imperador alemão Frederico II, o Grande, tentou comprar um moinho que atrapalhava os planos de expansão do palácio. O moleiro (dono de moinho) rejeitou a proposta e, ao ser confrontado pelo monarca, que disse que poderia simplesmente tomar a propriedade, respondeu: “Isso seria verdade, se não houvesse juízes em Berlim!”. A frase virou uma referência quando se quer dizer que os cidadãos, mesmo os menos poderosos, podem contar com a Justiça.



Fonte: Veja 

COMENTE!

Senador tucano admite ter recebido proposta de caixa 2 da Odebrecht

Cássio Cunha Lima disse ter recusado a oferta, feita em 2014

Senador tucano admite ter recebido proposta de caixa 2 da Odebrecht 
 Foto: Jaciara Aires/Senado Federal

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), primeiro-vice-presidente do Senado, reconheceu em depoimento prestado à Polícia Federal que ouviu a proposta de um executivo da empreiteira Odebrecht para que recebesse dinheiro em esquema de caixa dois para sua campanha ao governo da Paraíba, em 2014. O parlamentar disse que recusou a oferta.  

Não há registro nos discursos de Cunha Lima no Senado de que ele tenha feito denúncia sobre a proposta. Da mesma forma, o parlamentar não procurou a PF ou os órgãos de controle para alertar o que havia ocorrido em seu gabinete no Senado.

A afirmação do senador à PF contradiz os depoimentos de delatores da Odebrecht e o resultado de análise técnica feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República) no Drousys, um sistema de comunicação criado pela empreiteira para o "departamento de propina" da companhia, o Setor de Operações Estruturadas.

Os arquivos do Drousys estavam em um servidor em Estocolmo, na Suécia, e foram entregues pela Odebrecht como parte do seu acordo de delação premiada fechado com a PGR.

Segundo o relatório da PGR, planilhas do Drousys encontradas em anexo de e-mails enviados em 2014 "corroboram as afirmações do executivo da Odebrecht Alexandre José Lopes Barradas, que revelou o pagamento de R$ 800 mil nas eleições de 2014, via caixa dois, em favor de Cássio Cunha Lima". Segundo Barradas, o parlamentar foi identificado pelos codinomes "Trovador" e "Prosador".

Em sua delação, o presidente da Odebrecht Ambiental na época, Fernando Reis, afirmou que a empresa resolveu ajudar a campanha de Cunha Lima porque havia apresentado ao governo da Paraíba uma proposta de parceria público-privada para um projeto de esgotamento sanitário na região da Grande João Pessoa (PB), mas o então governador, Ricardo Coutinho (PSB), ex-aliado de Cunha Lima, "não deu andamento" ao projeto.

Segundo o executivo, Barradas acreditava que o senador paraibano "poderia ter uma opinião mais favorável à participação privada no setor de saneamento do Estado da Paraíba".

'PREOCUPAÇÃO'

O depoimento do senador foi dado em junho. O senador disse que, após pedido de ajuda para a sua campanha, Barradas apareceu para dizer que havia recebido autorização para fazer a doação. "Entretanto, Barradas informou que somente poderia fazer uma doação eleitoral para a campanha do declarante [Lima] de forma não oficial", disse o senador à PF.

Cunha Lima afirmou que "reagiu imediatamente à proposta", dizendo "que não poderia aceitar doação eleitoral não contabilizada". O senador argumentou que a tratativa parou por ali e que sua campanha recebeu R$ 200 mil do grupo Odebrecht, mas oficialmente e por meio do braço petroquímico da companhia, a Braskem.

No seu depoimento, Barradas disse que esteve com Cunha Lima para "tratar de assuntos relacionados ao processo de manifestação de interesse que a Odebrecht Ambiental havia pedido ao governador" Coutinho.

Barradas disse que o senador de fato "demonstrou incômodo e preocupação" com a sugestão do caixa dois, mas que, como "estava precisando, aceitou receber os valores não contabilizados".

Segundo Barradas, o senador apresentou um assessor chamado Luiz como a pessoa que iria intermediar o recebimento. Barradas disse que operacionalizou o pagamento dos R$ 800 mil, em duas parcelas, entregues em espécie em "um hotel na periferia de Brasília". A PF agora quer saber quem era Luiz.

OUTRO LADO

Cunha Lima disse à reportagem que o caixa dois em eleições "fez parte da cultura política brasileira" e que tomou a atitude "correta, que lhe cabia, que foi recusar" a proposta feita pelo executivo da construtora Odebrecht.

Indagado sobre não ter levado o assunto à tribuna do Senado, Cunha Lima afirmou: "Ele apenas disse que faria a doação por caixa dois e, sejamos sinceros, a doação de caixa dois fez parte da cultura política brasileira, a imprensa sabia disso, o Ministério Público sabia disso, o país inteiro sabia. Em boa hora passou a ser criminalizada".

"Queria deixar registrado que o delator disse que eu fui o único a resistir ao caixa dois. Eu não pedi, resisti e não recebi."

No seu depoimento, Alexandre Barradas disse que a princípio Cunha Lima recusou, mas depois aceitou a doação em caixa dois.

O senador disse que há inconsistências no relato de Barradas. "Ele fala que entregou o dinheiro a um tal de 'Luiz', que ninguém acha. E num hotel que ele não lembra qual foi. Como é que você faz a entrega de um valor expressivo desses num local que foi combinado e não lembra o hotel que foi?"

Em nota, a Odebrecht disse que "reforça a consistência e plenitude de sua colaboração com a Justiça no Brasil e nos países em que atua e está empenhada em ajudar as autoridades a esclarecer qualquer dúvida".



Fonte: Com informações da Folhapress.

COMENTE!

19 de janeiro de 2018

Sem Braide na disputa, Flávio Dino pode ganhar no primeiro turno

Braide desequilibra o pleito favorável ao governador.

Em todas as pesquisas divulgadas até agora, Flávio Dino sempre aparece à frente da disputa pela sucessão estadual. Nas por ele contratadas, o cenário mostra que ele ganha no primeiro turno. Nas demais, o jogo aparece conturbado, com o indicativo claro de dois turnos, o que demonstra ser mais verdadeiro. Isto, graças a presença do deputado Eduardo Braide no páreo.

 

 Foto: Reprodução 

Caso anuncie aos quatro cantos do Maranhão que é candidato, Braide desequilibra o pleito favorável ao governador. Com ele dentro, terá no mínimo 15% a 20%, ganhando de todos em São Luís. E se conseguir uma coligação que abrigue bons partidos, pode até ser o nome do segundo turno com Flávio Dino.

Uma turma ligada ao governador já defende que ele ofereça a vaga de segundo senador para Eduardo Braide, o que possibilitaria a vitória com folga no primeiro turno. Mas soube que o parlamentar teria sido sondado e não aceitou.

Ele tem despertado a curiosidade do eleitor do interior, como aconteceu na eleição em São Luís, quando surgiu do nada e quase ganha. Porém, ainda é incerto afirmar que Braide sairá mesmo candidato a governador.

Se topar o desafio não perde nada ficando sem mandato. No mínimo será o fiel da balança no provável segundo turno e ainda se cacifa para ser o próximo prefeito da capital.

Braide já esteve nos dois grupos (Dino e Sarney) e sabe perfeitamente com que lida. Como independente tem adquirido mais visibilidade e confiança, além de ser preparado intelectual e politicamente.   



Fonte: Blog do Luís Cardoso 

COMENTE!

Collor anuncia em rádio que concorrerá à Presidência neste ano

Senador é pré-candidato pelo PTC; ele disse ter "vantagem" em relação aos concorrentes por já ter governado o país

Collor anuncia em rádio que concorrerá à Presidência neste ano 
 Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) anunciou nesta sexta-feira (19) ser pré-candidato à eleição presidencial de 2018. De acordo com o UOL, a declaração foi feita em entrevista a uma rádio de Arapiraca, cidade que fica a 130km de Maceió.  

"Tenho uma vantagem em relação a alguns candidatos porque já presidi o país. Meu partido todos conhecem, sabem o modo como eu penso e ajo para atingir os objetivos que a população deseja para a melhoria de sua qualidade de vida", disse o parlamentar.

Na manhã do mesmo dia, o parlamentar participou de cerimônia de instalação do diretório do PTC no município. Ele também comentou sobre os planos para a eleição no evento. "Eu digo a vocês que esse é momento dos mais especiais da minha vida pessoal e como homem público. Porque hoje a minha decisão foi tomada: sou, sim, pré-candidato à Presidência. Obrigado e vamos à vitória", afirmou.

O parlamentar já foi presidente do país entre 1990 e 1992, quando se tornou o primeiro chefe da República a sofrer impeachment. Em seu lugar assumiu Itamar Franco, vice dele à época.


Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

17 de janeiro de 2018

Vidente prevê vitória de Bolsonaro e prisão de Lula

Ela já acertou a queda de Dilma, muito antes da abertura do processo de impeachment

No programa do famoso colunista e apresentador Amaury Júnior, vidente disse que Lula será preso e que o deputado federal Jair Bolsonaro será eleito presidente da República agora em 2018. Ela já acertou a queda de Dilma, muito antes da abertura do processo de impeachment, a vitória de Trump quando todas as pesquisas davam como certa a eleição de Hillary Clinton, assim como a eleição de João Dória para prefeito de São Paulo. Confira a entrevista abaixo: 

 
 Foto: Reprodução




Fonte: Blog do Luís Cardoso 

COMENTE!

Gleisi: PSB, PCdoB e PDT são aliados preferenciais para vice de Lula

Senadora também afirmou que será redigida pelo ex-presidente uma nova versão da “Carta aos Brasileiros”, com a intenção de dialogar com a população

Gleisi: PSB, PCdoB e PDT são aliados preferenciais para vice de Lula 
 Foto: Adriano Machado / Reuters

A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou nessa terça (16), em entrevista publicada no jornal Valor Econômico, que será redigida uma nova versão da “Carta aos Brasileiros” voltada para a população, buscando o diálogo.  

“Vamos deixar claro: não é uma carta dirigida ao mercado como em 2002. É dirigida ao país, ao povo. Vamos falar de como faremos para que o Brasil se desenvolva e retome seu crescimento”, afirmou Hoffmann. “Não precisamos dirigir nada ao mercado. O mercado já conhece o presidente Lula e como ele governa”, acrescentou.

Gleisi adiantou que o programa de Lula terá como pilares a criação de emprego e renda, um impulso na disponibilidade de crédito e aumento no consumo interno.

“A economia não pode ser pensada só sob o olhar do mercado. Tem que incluir o povo”, explicou. “Emprego é um indicador importante da economia. Aumento de renda também. Aumento de crédito é muito importante, bem como aumento do consumo interno.”

Retomada de direitos

A presidenta do PT também foi enfática ao afirmar que será realizado um plebiscito para revogar todas as reformas aprovadas sob o governo de Michel Temer, como a PEC do teto de gastos e a Reforma Trabalhista.

“Todas as medidas que retiraram direitos serão derrubadas, se a população concordar. O presidente Lula se manifesta no sentido de chamar um plebiscito para revogar todas as medidas do governo Temer, como a PEC do teto de gastos e a reforma trabalhista”.

Ela destacou que “até o Henrique Meirelles [ministro da Fazenda] quer mudar a ‘regra de ouro'”, em referência às discussões no governo para alterar o dispositivo que evita que o governo aumente sua dívida para pagar despesas correntes.

Gleisi também apontou a possibilidade de reformas política e tributária, por meio de uma nova Constituinte. “A Constituinte é uma proposta que veio do Congresso do PT. O formato seria construído, mas temos claro que abordaria mudanças em toda a Constituição e a realização de reformas tributária e política”.

A presidenta do PT ainda aproveitou para criticar o processo injusto contra Lula, que será julgado em segunda instância no dia 24 de janeiro.

“A sentença de Moro tem muitos vícios e problemas jurídicos. Temos 122 juristas que assinaram um manifesto, do Brasil e de várias partes do mundo, contestando a decisão.”

Ela também disse que o partido está preparando uma autocrítica e, ao analisar os possíveis aliados para formar a chapa com o ex-presidente, senadora citou o PSB, PCdoB e PDT.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

16 de janeiro de 2018

Sarney diz que trecho liberado da duplicação da BR 135 “é conquista de Roseana”

A conquista, como todos maranhenses sabem, foi da bancada federal que usou das emendas coletivas e aplicou na obra.

O ex-presidente da República, José Sarney, é capaz de tudo para olhar a filha novamente comandando o Maranhão. Capaz de até de inventar que a liberação do trecho de 11 km da duplicação da BR 135 foi uma conquista de Roseana, como dito no artigo em que ele escreveu sábado no EMA.

 
 Foto: Reprodução
 

A conquista, como todos maranhenses sabem, foi da bancada federal que usou das emendas coletivas e aplicou na obra. Foi o esforço dos deputados federais e senadores que obrigaram o governo Temer a acelerar a conclusão do primeiro trecho.

Roseana Sarney foi governadora por 16 longos anos e nunca moveu uma palha pela iniciação e nem na conclusão do trecho entregue.

Aliás, o pai José Sarney foi senador de vários mandatos, bem como presidiu por vários anos o Congresso Nacional, e chegou até a ser presidente da República por cinco anos e a duplicação da BR 135 nunca saiu. Não existe uma grande obra que ele tenha feito no Maranhão no período em que comandou o país.

Aí veio a filha e aproveitou para esticar também o nariz. Ela prometeu, durante entrevista dada à Mirante AM, que se for eleita, vai fazer a duplicação da BR 135 até a cidade de Timon. Se for igual ao que foi “feito” em Arame/Paulo Ramos, teremos mais um estrada pé de cobra.  


Fonte: Blog do Luís Cardoso 

COMENTE!

15 de janeiro de 2018

O risco de uma crise contratada

Lula repete o comportamento de Dilma – com uma diferença. É mais agressivo do que ela na contestação ao devido processo legal

Resultado de imagem para Lula 
 Foto: Reprodução Istoé

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula em processos da Operação Lava Jato, diz esperar “um julgamento isento” quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, reunir-se no próximo dia 24 para decidir sobre o caso do tríplex do ex-presidente na praia do Guarujá.

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, diz que “a única solução possível” para o julgamento “do ponto de vista legal é a absolvição”. Uma sentença condenatória simplesmente “não será uma sentença justa”, segundo ela. E por tabela, não deveria ser respeitada por ninguém.

“Se eles fizerem uma coisa dessas, existe a possibilidade de uma rebelião popular”, dispara o senador Lindberg Farias (PT-RJ). Afirma Tarso Genro (PT-RS), ex-ministro da Justiça: “Lula tem a obrigação de submeter-se à soberania popular e contestar as acusações que lhe são feitas”.

Ou seja: “um julgamento isento” e a única solução possível “do ponto de vista legal” seriam aqueles que resultassem na absolvição do ex-presidente. Do contrário, Lula terá a obrigação de disputar as próximas eleições mesmo impedido pela Justiça. E o país correrá o risco de ser palco “de uma rebelião popular”.

Estamos entendidos? Legal e justo para o PT é somente o que o PT aceita como legal e justo – dane-se a Justiça, dane-se o que está escrito nas leis, dane-se o bom senso, e dane-se o que no passado recente disse ou praticou o próprio PT. Ou vai ou racha. Condene-se Lula para ver só uma coisa! (Isso pode, Arnaldo?)

“É preciso derrotar o golpe em todas as suas manifestações e a ofensiva reacionária de parte do Judiciário é uma delas”, conclama nota oficial do PSOL divulgada no último sábado. Curioso! A ser um golpe a possível condenação de Lula, o PT e o ex-presidente não deveriam ter participado dele. Deveriam apenas tê-lo denunciado.  

Mas participaram, sim, e continuarão participando até ficarem roucos de tanto gritar que é um golpe, até se resignarem a concorrer às eleições deste ano com outro nome na impossibilidade de Lula ser candidato. Nessa hipótese, o nome seria o do ex-ministro e ex-governador da Bahia Jaques Wagner.

Dilma reconheceu a legitimidade do processo de impeachment ao se defender das acusações em todas as instâncias da Justiça, ao comparecer ao Congresso para ser interrogada pelos senadores, e, por fim, ao se beneficiar do ato criminoso do Senado – esse, sim, um golpe – que preservou seus direitos políticos.

A Constituição manda que, uma vez cassada, a pessoa perca o direito de se candidatar e de exercer cargos públicos por oito anos. Sabe muito bem disso o ministro Ricardo Lewandowisk, que comandou a fase final do processo de impeachment na condição de presidente do Supremo Tribunal Federal. Ou sabia e esqueceu.

Lula repete o comportamento de Dilma – com uma diferença. É mais agressivo do que ela na contestação ao devido processo legal. Não perde uma única oportunidade de avacalhar a Justiça. E como é popular e Dilma nunca foi, vale-se de sua força eleitoral para atrair parte do povo em sua defesa.

Foi uma parte minúscula do povo que atendeu ao convite e que participou dos comícios de Lula promovidos ao arrepio da lei nos últimos meses. Mas nada impede que essa parte possa crescer a depender da consistência, ou da falta dela, do juízo a ser conhecido dentro de nove dias. Haverá dias turbulentos pela frente. Ou meses.

Cabe a Justiça ser rápida para condenar ou absolver Lula. Do contrário teremos uma crise inédita e contratada desde já: a de um ex-presidente, líder nas pesquisas de intenção de voto, impedido de disputar eleições às vésperas das próximas. Ou pior: em meio a uma campanha oficialmente em curso. Seria o pior dos mundos.  



Por: Ricardo Noblat
Fonte: Veja 


COMENTE!

'Não sou candidato a presidente da República', diz Rodrigo Maia em NY

"Entre a aventura e o risco tem um caminho muito longo para você ser candidato a presidente", afirmou o presidente da Câmara

'Não sou candidato a presidente da República', diz Rodrigo Maia em NY 
 Foto: Reuters / Ueslei Marcelino  

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ressaltou que não é candidato ao cargo de presidente da República. "Eu não sou candidato", disse para jornalistas em Nova York. "Entre a aventura e o risco tem um caminho muito longo para você ser candidato a presidente. Agora, eu analiso cenários. De fato, como eu tenho dito sempre, a eleição no Brasil é uma eleição aberta. Isso gera mais insegurança. Eu não estou preocupado."  

"Talvez se eu estivesse preocupado com eleição eu estaria ouvindo muitos dos meus amigos dizendo que eu não deveria manter a votação da reforma da Previdência", ressaltou o presidente da Câmara. "A minha preocupação com as eleições agora é nenhuma."

Maia esclareceu que tal posição de amigos seus é que eles avaliam que a reforma da Previdência Social é impopular. "É o que muitos acham. Não estou dizendo que eu acho", ressaltou. "E isso tem impacto no Congresso. Se não tivesse, certamente eu estaria dizendo que a votação em fevereiro seria fácil. Ela não é fácil porque ela tem rejeição."

Antes, Rodrigo Maia já havia pontuado como "viável" a aprovação da reforma da Previdência em fevereiro pelos parlamentares. "É viável, porque cinco governadores já não pagaram décimo terceiro (salário), e se a situação continuar vai aumentar isso", destacou.

"A capacidade de investimento dos Estados é muito pequena. A cada três meses aparece algum pleito de governo de Estado tentando aprovar alguma lei para aprovar um fluxo de caixa de curto prazo", ressaltou. "O que eu tenho dito a eles é que não adianta mais a gente encontrar soluções de curto prazo se nós não reestruturarmos as contas públicas brasileiras."

Maia destacou que sua viagem aos EUA não tem o foco eleitoral. Ele está acompanhado de alguns parlamentares do DEM, como os deputados José Carlos Aleluia (Bahia) e de outros partidos, como Heráclito Fortes (PSB-PI). Ele ressaltou que esta agenda internacional já estava marcada há 3 meses. "Eu não vou deixá-la de fazer. Estou no recesso. Não há nenhum problema de eu estar aqui, inclusive participando de eventos falando um pouquinho sobre a situação do Brasil. Eu acho que ajudo, posso ajudar nos eventos de que vou participar. E vou continuar com minha agenda de reformas."

O presidente da Câmara ressaltou que convidou deputados de outros partidos para a viagem aos EUA, mas que vários deles preferiram não se distanciar de suas bases eleitorais ou famílias durante o recesso parlamentar.


Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

13 de janeiro de 2018

Luciano se reúne com Firmino e Wilson

Eles se reuniram para discutir candidatura da oposição

O prefeito Firmino Filho, o ex-governador Wilson Martins, e o deputado Luciano Nunes, pré-candidato ao Governo do Estado, se reuniram hoje para discutir candidatura da oposição.

Firmino e Wilson fizeram elogios a Luciano Nunes, afirmando que se trata de um nome em condições de governar o Estado.  


COMENTE!

12 de janeiro de 2018

Enem 2017: divulgação das notas será antecipada

Será antecipada pa 18 de Janeiro

Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 serão disponibilizados com um dia de antecedência, em 18 de janeiro, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).  

Os resultados só poderão ser consultados individualmente na Página do Participante. Será necessário informar o CPF e a senha cadastrada na inscrição. A mesma senha dará acesso ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que ficará aberto de 29 de janeiro a 1º de fevereiro.

Para aqueles que se esqueceram da senha, o Inep sugere que a recuperação seja feita com antecedência.

Como em outras edições, e conforme previsto em edital, os resultados dos treineiros serão liberados 60 dias depois da divulgação regular. Os espelhos de correção das redações também serão divulgados após 60 dias. O acesso ao espelho de correção é uma forma do participante saber como se saiu em cada uma das cinco competências avaliadas pela prova.

As provas

O Enem 2017 inaugurou uma série de mudanças, entre elas, a aplicação em dois domingos. No primeiro dia, foram aplicadas as provas de linguagens e ciências humanas, além da redação, que teve como tema os desafios da educação de surdos no Brasil. No segundo domingo, os candidatos responderam às perguntas de matemática e ciências da natureza.

No total, nos dois dias cerca de 4,5 milhões de alunos fizeram as provas. O índice de abstenção, na casa dos 32%, ficou um pouco acima da média dos últimos anos.

O Enem é a principal forma de acesso para vagas na rede pública de ensino superior, passando até mesmo a ser aceito pela Universidade de São Paulo (USP) e em 27 instituiçoes de Portugal. Para o Ministério da Educação (MEC), é a segunda maior prova do tipo no mundo, só perdendo para o gao kao, prova de admissão ao ensino superior da China , com 9 milhões de candidatos.



Fonte: G1

COMENTE!

Tererê vai para o palanque de Wellington Dias

O político de Parnaiba assinará ficha do PTC

O suplente de deputado estadual Deuzimar Brito, o Terêrê, político com base eleitoral em Parnaiba, vai ingressar no PTC, partido presidido pelo deputado estadual Evaldo Gomes, sob as bênçãos deste e do preidente da Assembléia Legislativa do Estado, Themístocles Sampaio Pereira Filho.Terêrê está preparado para subir no palanque do governador Wellington Dias, candidato à reeleição em outubro proximo.

Terêrê recebeu forte influência para ingressar no PTC da parte do deputado Themístocles Filho.Na quinta-feira ele esteve na TV Antena 10 e deu uma entrevista em que atacou o prefeito Firmino Filho, dizendo que este não cumpre acordo, e o ex-prefeito Silvio Mendes, que, no seu entender, não gosta de pessoas pobres.

Resultado de imagem para Deputado Deusimar Brito Terere
 Deputado Deuzimar Brito, o Tererê            (Foto: Reprodução)

COMENTE!

Promotor denuncia acusados da morte de Émile

O inquérito da Homicídios já se encontra na Justiça

Com atuação no Tribunal Popular do Juri, o promotor Regis Marinho, depois de examinar o inquérito conduzido pelo delegado Higo Martins, da Delegacia de Homicídios, e considerar bem fundamentado o trabalho, o promotor Regis Marinho, com atuação no Tribunal do Juri, ofereceu denúncia contra o soldado Aldo Luis Barbosa Dornel e o cabo PM Francisco Venicio Alves, autores da abordagem, no final da noite do dia 25 de dezembro de 2017, na avenida João XXIII, que resultou na morte da menina Émile Caetano, de 9 anos, que era transportada no carro de seu pai, um Renault Clio.

Agora, na área da Justiça,  juiz do Tribunal do Juri receberá ou não a denúncia, para iniciar uma fase processual que passa por depoimentos de testemunhas de acusação e defesa e também pelos depoimentos dos acusados. Concluída essa fase, o juiz decide se os pronuncia ( manda para o Juri ) ou não.

  Foto: Reprodução

COMENTE!

11 de janeiro de 2018

Comando da PM não instala conselho de disciplina

A omissão pode deixar "janela" para acusados de crimes

A não instalação de um Conselho de Disciplina para analisar os atos criminosos cometidos pelos responsáveis pela morte da garota Emile, pode deixar, segundo revelação de um oficial que procurou este blog, uma "janela" para que os acusados a utilizem mais na frente como forma de se defender e até escapar de uma punição mais severa.

Este blog foi alertado pelo policial no final da tarde desta quinta-feira, dia 11.A providencia, segundo o mesmo informante, é prerrogativa do comandante da Polícia Militar do Estado, coronel Carlos Augusto.

O mesmo oficial informou que a omissão na instalação de conselhos para apurar crimes cometidos por militares é responsável pela falta de punição a muita gente.Ele lembrou da organização comandada pelo coronel Correia Lima, quando só ele, no Governo Hugo Napoleão, foi punido.   

 Coronel Carlos Augusto (Foto: Reprodução)


COMENTE!

Luciano recebe apoio em Piripiri

O Apoio foi do grupo político do prefeito Luís Meneses

Candidato ao Governo do Estado, o deputado Luciano Nunes, recebeu, hoje, o apoio do grupo político do deputado estadual Marden Meneses(PSDB) , e do pai deste, prefeito de Piripiri, Luís Meneses(MDB) .

O encontro com as lideranças aconteceu em Piripiri, depois que Luciano se deslocou de Parnaiba, onde se encontrou pela manhã com prefeito Francisco de Assis Moraes Souza, o Mão Santa.    

COMENTE!

Bolsonaro diz que só abandona candidatura se for morto

O deputado também afirmou estar propenso a vender seu apartamento na capital federal e passar a ocupar um imóvel funcional da Câmara

Bolsonaro diz que só abandona candidatura se for morto 
 Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil  

Afirmando que só abandona a sua candidatura à Presidência da República se for morto ou tirado "na covardia", Jair Bolsonaro (PSC-RJ) publicou em suas redes sociais a primeira manifestação de viva voz sobre reportagens da Folha de S.Paulo que relataram o patrimônio dele e dos filhos parlamentares, além do recebimento de auxílio-moradia mesmo tendo apartamento próprio em Brasília.  

"Só em duas situações eu posso não estar neste ano no debate presidencial: se me tirarem na covardia por um processo qualquer, na covardia, (...) ou se me matarem. Não to preocupado com isso. Se me matarem vão ter que me enterrar, vão arranjar outro Celso Daniel [prefeito petista, assassinado em 2002]."

Em um vídeo de 11min39s postado no final da noite desta quarta-feira (10), Bolsonaro afirmou estar propenso a vender seu apartamento na capital federal e passar a ocupar um imóvel funcional da Câmara e acusou a Folha de S.Paulo de ser um jornal "canalha".

"O que está em jogo? É o poder, é quem vai sentar-se naquela cadeira presidencial. (...) Sou uma pessoa completamente fora do establishment, sou o diferente, sou aquele intruso no poder", afirma, citando que PSDB e PT tem um leque de apoio parlamentar e no Executivo muito maior do que o dele. "O que acontece? Aponta a bateria pra cima de mim. No caso, a Folha de S.Paulo, tentando me desestabilizar e me colocar no mesmo nível dos candidatos deles, que eles apoiam, do PSDB. Eles preferem até um petista na Presidência do que eu."

Em reportagens publicadas nos últimos dias, a Folha de S.Paulo mostrou que Jair Bolsonaro e seus três filhos parlamentares multiplicaram o patrimônio na política, tendo hoje 13 imóveis em pontos valorizados do Rio e de Brasília, com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões. Relatou também que o presidenciável e seu filho Eduardo, deputado federal como o pai, recebem mensalmente R$ 6.167 de auxílio-moradia da Câmara mesmo tendo apartamento próprio em Brasília.

"Por exemplo, pegaram meu patrimônio [e disseram]: 'Óóóó´, ele tem um apartamento em Brasília e recebe auxílio-moradia'. Tenho sim, apartamento de aproximadamente 60 metros quadrados [na verdade, 69 metros quadrados]. Que que eu posso fazer? Vender o apartamento, comprar aqui no Rio de Janeiro um outro imóvel e ir morar num apartamento mansão da Câmara, de 200 metros quadrados, alguns com hidromassagem, com tudo, com segurança, que eu não vou pagar. Não vou pagar IPTU, não vou pagar condomínio", afirmou o deputado.

"Estão implicando em R$ 3.500, R$ 3.600 que eu recebo a título de auxílio-moradia, como se eu fosse um bandido. Eu estou propenso a fazer isso, de acordo com os comentários que eu vejo aqui no Face [Facebook], vender o apartamento em Brasilia e comprar um aqui [no Rio]."

A Câmara destina apartamentos funcionais aos parlamentares, mas como não há imóveis para todos os 513, ela paga auxílio-moradia no valor mensal de R$ 4.253. De duas formas, por reembolso para quem apresenta recibo de aluguel ou em espécie, sem necessidade de apresentação de qualquer recibo, mas com desconto de 27,5% relativo a Imposto de Renda. Jair e Eduardo Bolsonaro utilizam essa segunda opção, o que rende mensalmente, para cada um, R$ 3.083.

O auxílio-moradia pode ser recusado pelos congressistas. Em novembro, por exemplo, 27 dos atuais 513 parlamentares abriram mão da verba.

No vídeo, Bolsonaro não faz menção a essa hipótese, porém. "Alguns falam que o apartamento do Sudoeste [na região central de Brasília] é área nobre. Comprei esse apartamento em 1994, naquele tempo não era área nobre. Como na Barra da Tijuca. No caso, há 40 anos atrás Barra da Tijuca não tinha o valor que tem hoje. Aí a Folha [de S.Paulo] pega o patrimônio meu, junta com os dos filhos... Eu sou eu, o meu filho responde pelos atos deles, assim como meu irmão responde pelos atos dele."

Diferentemente do que diz, Bolsonaro adquiriu suas duas casas em um condomínio fechado da Barra da Tijuca nos últimos 9 anos, não há 40 anos. Ele também atua política e legislativamente em conjunto com seus três filhos parlamentares, um deputado federal, um estadual e um vereador.

O deputado confirma que o valor atual de seu patrimônio e dos filhos parlamentares é o que foi publicado pela Folha de S.Paulo -"Pegue o patrimônio dos três [quatro, na verdade], se for atualizar o nosso patrimônio, deve ser aproximadamente isso que eles botaram lá, R$ 13 milhões [ao menos R$ 15 milhões]"-, afirma defender mudanças na legislação para que os valores de imóveis possam ser atualizados no Imposto de Renda, mas critica o jornal em tom mais contundente em relação à reportagem que relata seu recebimento de auxílio-moradia.

"A Folha [de S.Paulo] pega e multiplica os anos todos que estamos em Brasília, soma com meu filho e dá um milhão: 'Ganhou um milhão de auxílio-moradia'. Ao longo de quantos anos? Eu não sei, de 20 anos? É um crime, é um jornal canalha, a Folha de S.Paulo é um jornal canalha!"

No vídeo, em que Bolsonaro está de bermuda e veste camisa da seleção de futebol do Japão, o deputado diz que não responderá as 32 perguntas enviadas pela Folha de S.Paulo na semana passada, antes da publicação da reportagem. Mas chama por três vezes os repórteres a inquiri-lo pessoalmente, possibilidade que não havia sido oferecida por ele até agora.

"Eu não vou responder [as perguntas enviadas pela reportagem]. Folha de S.Paulo, venha aqui, senta aqui, senta aqui [bate com a mão na mesa], traga aqui seus homens, seus contadores, seus advogados, seus jornalistas e vamos conversar. E eu vou gravar. As duas últimas vezes que fizeram isso comigo, e não fizeram mais, se deram mal", afirma o presidenciável, completando: "Me chamar de corrupto, aí complica. Dá a entender que eu sou corrupto como uma parte são os parlamentares, aí complica, aí fica difícil. Isso não é jornalismo, isso é um trabalho porco da mídia."

A Folha de S.Paulo procurou novamente a assessoria de Bolsonaro no começo da manhã desta quinta-feira (11) solicitando a marcação de local e hora para a entrevista.

No vídeo, Bolsonaro diz ainda ser o único que não irá "compor" para obter governabilidade -"Governabilidade pra eles é ratear o poder público, ministérios, estatais"- e defende medidas radicais para resolver alguns dos problemas do Brasil.

"A gente vai resolver as questões do Brasil e ponto final. E certas coisas tem que ser com radicalismo. Como você vai combater a violência, soltando pombinhas? Dizendo que são excluídos da sociedade.? 'Ah, vamos investir em educação'. Sim, tem que investir em educação, mas o reflexo vai ser daqui a 30 anos no tocante à violência. Nós temos como resolver os problemas do Brasil, sem salvador da pátria, mas com salvadores, que será a grande maioria da população brasileira, que pensa como eu."



Fonte: Folha Press 

COMENTE!

Jefferson diz que PTB manterá indicação Cristiane Brasil para Trabalho

Na noite de quarta-feira (20), o TRF-2 manteve a decisão da primeira instância que suspendeu a posse da parlamentar

Jefferson diz que PTB manterá indicação Cristiane Brasil para Trabalho 
 Foto: DR

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, disse nesta quinta-feira (11) que o partido manterá a indicação da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o Ministério do Trabalho.  

Na noite de quarta-feira (20), o TRF (Tribunal Regional Federal) da 2ª Região manteve a decisão da primeira instância que suspendeu a posse da parlamentar, desgastando ainda mais a imagem do governo.

Os recursos eram a última alternativa do presidente para tentar empossar a parlamentar sem passar pela terceira instância, que deu sinais ao Palácio do Planalto de que está disposta a manter a suspensão caso seja acionada.

A deputada foi condenada a pagar R$ 60 mil a um de seus motoristas e fez acordo com outro profissional, pagando R$ 14 mil para evitar uma condenação.

"Nós manteremos a indicação", disse Jefferson à Folha de S.Paulo.

Nesta quinta-feira (11), Temer e Jefferson devem discutir o assunto. Na noite da quarta-feira (10), o presidente se reuniu com auxiliares e assessores, no Palácio do Jaburu, para analisar o quadro jurídico.

"Está decidido que vamos recorrer", disse o ministro da Carlos Marun (Secretaria de Governo), após o encontro.

O Palácio do Planalto, contudo, ainda avalia as possibilidades jurídicas para evitar uma nova derrota, desta vez no STF (Supremo Tribunal Federal) ou no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Em viagem a São Paulo para exames médicos, nesta quinta-feira (11), o presidente irá abordar o tema com o advogado criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, um dos seus principais conselheiros jurídicos.

Em conversas reservadas, o presidente tem ressaltando que a decisão final cabe ao PTB. O objetivo é mostrar à sigla que ele tenta esgotar todas as instâncias, indo até o fim nos esforços para garantir a nomeação.

A avaliação é de que qualquer sinal de desistência ou falta de empenho do governo para a posse da deputada federal teria potencial de abrir uma guerra com o PTB, que se estenderia às demais siglas da base aliada.

Para o Palácio do Planalto, a sustentação do governo no Congresso Nacional e o apoio dos partidos à agenda de reformas pode desmoronar se o presidente não mantiver o acordo de nomear os ministros escolhidos pelos dirigentes das legendas governistas.

A insegurança sobre uma derrota no Supremo ocorreu após o presidente ter recebido sinais de que há uma tendência de que a ministra Cármen Lúcia mantenha a decisão de suspensão da posse.

O Palácio do Planalto enviou um emissário na noite de terça-feira (9) para consultar auxiliares dela sobre a chance de sucesso de um recurso ao tribunal. Segundo a reportagem apurou, a equipe da ministra indicou que ela poderia barrar a cerimônia ou remeter o caso ao plenário.

Como o STF está em recesso até 1º de fevereiro, o impasse sobre a posse se estenderia e agravaria o desgaste do governo com o episódio.

Para a equipe do presidente, a relação de Temer com Cármen se deteriorou com o episódio em que a ministra suspendeu parte do indulto natalino concedido pelo governo, no fim do ano passado.



Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

Luciano vai a Parnaiba pedir apoio de Mão Santa

Gracinha, filha de Mão Santa, pode ser indicada para candidata a vice

Pré-candidato ao Governo do Estado, o deputado Luciano Nunes ( PSDB ) está em Parnaiba desde a noite desta quarta-feira para se encontrar com o ex-governador e atual prefeito da cidade, Francisco de Assis Moraes Souza, o Mão Santa, para pedir o seu apoio na empreitada que está disposto a abraçar.O prefeito pensa em liberar a sua filha, Gracinha Moraes Souza, secretária de infraestrutura do município, para se candidatar a vice-governadora numa chapa oposicionista que tenha viabilidade.

Gracinha Moraes Souza é a mais importante auxiliar do prefeito e tem correspondido às expectativa, impondo uma politica de contenção de gastos e zelo pela coisa pública, segundo seus auxiliares.O prefeito Mão Santa tem sido tratado como politico altamente importante para definição do pleito de outubro proximo.   

Luciano Nunes,Gracinha Moraes Souza e Mão Santa (Foto: Reprodução)

COMENTE!

10 de janeiro de 2018

Presidente Temer oferta importantes secretarias ao DEM e PRB, sendo uma para Cléber Verde

O PP de André Fufuca também foi agraciado com outro cargo importante.

Na sua política de fortalecer a relação com os partidos visando a aprovação das reformas, o presidente da República, Michel Temer, acaba de entregar duas importantes secretarias do Ministério das Cidades aos partidos DEM e PRB, sendo que uma delas ficou a cargo da indicação do deputado federal maranhense Cléber Verde.

 
 Foto: Reprodução 

A segunda vaga será indicada pelo deputado federal Efraim de Moraes (DEM). O PP de André Fufuca também foi agraciado com outro cargo importante.

Na verdade, Temer busca também um alinhamento nacional dos partidos da sua base para que, na medida do possível, todos possam ficam no mesmo palanque agora em 2018.  

Fonte: Blog do Luís Cardoso 

COMENTE!

Temer procura um novo ministro do Trabalho

De como se escolhe um auxiliar do presidente da República

 
 Funcionários preparam local onde aconteceria a posse, que ainda segue indefinida
Foto: (André Dusek/Estadão Conteúdo)   

Bem que o ex-deputado Roberto Jefferson tentou salvar da degola sua filha Cristiane Brasil, deputada do PTB do Rio de Janeiro, nomeada pelo presidente Michel Temer para comandar o ministério do Trabalho.

Tão logo soube ontem à tarde que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) negara recurso do governo contra a decisão de primeira instância que considerara Cristiane inabilitada para o cargo, Jefferson procurou Temer.  

Em meio a uma longa conversa no gabinete presidencial do Palácio do Planalto, Jefferson advogou em favor da filha, exaltando os seus méritos. E, lá para as tantas, formulou um apelo a Temer:

– Por que o senhor não fala com a ministra Cármen Lúcia?

Temer foi rápido na resposta:

– Não vou falar. Ela foi muito dura comigo quando suspendeu parte do indulto de Natal que dei aos presos.

Como presidente do Supremo Tribunal Federal e ministra de plantão durante as férias da Justiça, caberá a Cármen Lúcia dar a palavra final sobre a sorte de Cristiane. É o que deverá fazer hoje.

Então Jefferson jogou a toalha. Saiu do Palácio do Planalto convencido de que nada mais poderia fazer por Cristiane. Foi dormir com a certeza de que Cármen Lúcia confirmará a decisão do TRF2.

Antes, porém, sofreu o constrangimento de bancar o anfitrião do jantar que encomendara ao Hotel Nacional para celebrar a posse da filha que deveria ter ocorrido à tarde.

Esperava o comparecimento de 200 pessoas. Pelo menos 170 estavam em Brasília. Compareceram cerca de 30. Jefferson passou a noite fingindo que estava tudo bem. Cristiane brindou e circulou em todas as rodas.

A mais nova e estrepitosa trapalhada do governo Temer teve início quando ele decidiu nomear para o Ministério do Trabalho o deputado Pedro Fernandes (PTB-MA).

Michel Temer e José Sarney
Presidente Michel Temer fala com José Sarney durante cerimônia de posse do novo
ministro da cultura, Sérgio Sá Leitão, no Palácio do Planalto, em Brasília – 25/07/2017
Foto: (Evaristo Sá/AFP)

Consultou Jefferson e outros líderes do PTB que abençoaram a nomeação. Esqueceu de consultar o ex-presidente José Sarney (PMDB), adversário político de Fernandes no Maranhão. Sarney vetou a nomeação.

O veto foi aceito por Temer, que assim se justificou em confidências a amigos: “Devo muito a Sarney, viu?”

A pedido de Temer, o ministro Moreira Franco, da Secretaria da Presidência, telefonou para o deputado Benito Gama (BA), presidente do PTB, perguntando se ele aceitaria o cargo.

Benito respondeu que sim, desde que o seu não fizesse parte de nenhuma lista de nomes a ser submetida a Temer. Garantiu que nesse caso uniria o PTB em torno de sua indicação.

Mas Jovair Arantes (MT), líder do PTB na Câmara e fiel aliado do governo, vetou o nome de Benito porque seu candidato ao cargo era outro. Foi quando Temer chamou Jefferson para uma reunião no Palácio do Jaburu.

Partiu de Temer a sugestão do nome da filha de Jefferson para ministra do Trabalho. Jefferson viu ali a chance de resgatar o protagonismo político que perdera com o escândalo do mensalão. Cristiane topou a ideia. Aí…

Bem… De tão recente, o resto é história conhecida. Que começou com Temer à procura de um ministro do Trabalho. E que continua com ele à procura da mesma coisa.   


Fonte: Ricardo Noblat
           Veja 

COMENTE!

Sarney será coordenador da campanha de Roseana

O ex-presidente troca eleição tida como certa no Amapá para ajudar a filha

O ex-presidente José Sarney, apesar da idade avançada, se prepara para coordenar pessoalmente a campanha da filha, Roseana, que aparece nas últimas pesquisas como uma candidata altamente viavel para enfrentar a candidatura à reeleição do governador Flávio Dino.Sarney vai trocar uma eleição ao Senado tida como certa, no Amapá, estado pelo qual já foi senador, para se dedicar à campanha da filha.

O atual governador do Maranhão é Flávio Dino, filiado ao Partido Comunista do Brasil, e desde que assumiu o poder  em janeiro de 2015 tem feito duras críticas à família Sarney, acusando-a de ser responsável pelos baixos índices de desenvolvimento do Estado do Maranhão.

Dino critica os Sarney mas sua equipe e esquema político estão cheios de ex-aliados do ex-presidente, como o ex-governador José Reinaldo, que é deputado federal e agora espera pelo apoio do governador para ser candidato ao Senado da República.  

Imagem relacionada 
 Sarney e sua filha Roseana (Foto: Reprodução) 

COMENTE!

09 de janeiro de 2018

Sarney desiste do Amapá para fazer Roseana governadora do Maranhão

Na disputa, para quem conhece os métodos de Sarney, vale tudo.

Com o passaporte garantido para uma candidatura com chances reais de voltar ao Senado Federal pelo Amapá, o ex-presidente da República, José Sarney, trocou tudo pelo Maranhão. Quer a todo custo a volta da filha Roseana Sarney ao cargo de governadora.

 
 Foto: Reprodução 

Líder nas pesquisas para o Senado pelo Amapá, Sarney decidiu se afastar em definitivo do parlamento, mas pretende exercer influência na República, qualquer que seja o eleito presidente agora em 2018. Mas ele vai ficar mesmo no Maranhão coordenando a campanha da filha.

Sarney vai usar de toda influência junto ao governo federal para fazer uma gestão paralela aqui no Maranhão. Vai trazer o governo de Michel Temer pra cá e bloquear todas as ações que pode ser em convênio com Brasília e Maranhão.

Portanto, como disse o deputado federal José Reinaldo tavares, a disputa não acontecerá com Roseana, mas será entre Sarney e Flávio Dino. Além de Roseana, o pai tem a obrigação de eleger outro filho, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho que quer ser senador.

Na disputa, para quem conhece os métodos de Sarney, vale tudo.  



Fonte: Blog do Luís Cardoso 

COMENTE!

Câmara de Coelho Neto reprova contas do ex-prefeito Soliney

O parecer com a decisão do legislativo municipal será submetido ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A Câmara Municipal de Coelho Neto reprovou nesta segunda-feira (08) as contas da prefeitura referente ao ano de 2011. Com a decisão, o ex-prefeito, Soliney Silva (MDB), inelegível, ficando assim impedido de registrar candidatura junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), e até mesmo de votar nas eleições. 

O parecer com a decisão do legislativo municipal será submetido ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Apesar das contas do ex-prefeito terem vindo com recomendação pela aprovação com ressalvas por parte do Tribunal de Contas, a Comissão de Finanças e Orçamentos da Câmara Municipal em análise previa das contas, apontou uma série de irregularidades na prestação de contas, tais como diversos vícios em Licitações, como ausência de tomada de preços, falta de aviso em jornais de grande licitação e assinatura do responsável pelo pregão.

SESSÃO

Dez vereadores votaram pela reprovação das contas dos ex-prefeito, e dois apoiaram o ex-prefeito, defendendo suas contas, votando pela aprovação. Um vereador simplesmente sumiu, novamente, se abstendo de fazer seu papel.

Cabe destacar, a fala do vereador Rafael Cruz (MDB), que insinuou que os colegas de parlamento não tem capacidade para analisar as contas do ex-prefeito, portando não poderiam reprovar as contas de Soliney. Já o vereador Marcos Tourinho (PDT), pontuou que a reprovação pelas contas do ex-prefeito se dá pelas inúmeras obras abandonas pela sua gestão, como Creches e Unidades Básicas de Saúde incompletas, que tudo no papel está bonito e concluído, mas na realidade o ex-prefeito abandonou a cidade.

Votam “SIM”

Junior Santos (MDB)
 Osmar Aguiar (PT)
 Silas do Louro (MDB)
 Cará (MDB)
 Wilson Vaz (PT do B)
 Moabe (PSD)
 Camilas Liz (PROS)
 Liza Pires (PCdoB)
 Luis Ramos (PSD)
 Marcos Tourinho (PDT)

Votam “Não”

Rafael Cruz (MDB)
 João Paulo (MDB)

Sumiu
 Ricardo Chaves (PPS)    


Fonte:  Blog Observatório dos Cocais

COMENTE!

Rodrigo Maia trabalha para minar candidatura de Meirelles

De olho na vaga de Temer, presidente da Câmara, antes alinhado com o ministro, agora busca ressaltar diferenças entre eles

Resultado de imagem para Rodrigo Maia e Meirelles 
 Foto: Reprodução

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), atua para minar a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), ao Palácio do Planalto. Aposta de seu partido para disputar a Presidência da República, o parlamentar fluminense, antes alinhado com o chefe da economia do governo Michel Temer, agora busca distinguir o seu perfil e o de Meirelles.  

A movimentação ocorre em meio à crescente “agenda eleitoral” do titular da Fazenda – na sexta-feira, Meirelles participou de evento evangélico em Brasília, por exemplo. Aliados de Maia e integrantes do próprio governo passaram a intensificar ataques ao ministro. “Em vez de falar em eleições, ele deveria estar centrado na estratégia para aprovar a reforma da Previdência”, disse o deputado Pauderney Avelino (AM), secretário-geral do DEM.

O ministro da Secretaria-Geral, Moreira Franco, afirmou que Meirelles, para ser candidato ao Planalto, “tem de trabalhar” e disse que a porta está “aberta” para o PSDB.

Maia, Meirelles e o governador tucano Geraldo Alckmin tentam se apresentar como a candidatura de centro e sonham com o apoio dos partidos da base governista. Temer, para aglutinar essas forças em torno de um nome, tem exigido a defesa de seu legado econômico.

Apesar de Maia buscar a desestabilização da candidatura de Meirelles, seus aliados dizem que o presidente da Câmara vê hoje Alckmin como principal concorrente ao Planalto. A avaliação é de que o ministro da Fazenda não conseguirá concorrer, entre outros motivos porque não terá apoio nem mesmo de seu próprio partido.

Enquanto a decisão sobre a candidatura de Meirelles fica para abril, como o próprio ministro já afirmou, a estratégia dos aliados de Maia é desgastar o titular da Fazenda. Como ambos defendem a reforma da Previdência, o presidente da Câmara se colocará como “defensor radical” da agenda reformista. Ao mesmo tempo, deixará o “desgaste” com parlamentares para Meirelles.

Aliados de Maia são diretos nesse trabalho: “Meirelles tem de cumprir a tarefa dele no Ministério da Fazenda. Não pode confundir. Na hora que mistura política partidária e política econômica, uma delas sai prejudicada”, afirmou Danilo Forte (DEM-CE). “Como ele quer ter uma política fiscal eficiente e fazer parte do balcão de negócios da política? Em lugar nenhum do mundo isso combinou”, disse.

Um exemplo desses atritos lançados para Meirelles é o veto de Temer ao projeto que criou um programa de parcelamento de dívidas tributárias, conhecido como Refis, para micro e pequenas empresas. Maia fez questão de não emitir opinião sobre o assunto e deixou claro aos parlamentares que o presidente derrubou a medida por orientação da equipe econômica.

Na semana passada, Maia e Meirelles entraram em choque em meio à articulação para mudar a chamada “regra de ouro”, que impede a emissão de dívida para o pagamento de despesas correntes, como conta de luz e salário de servidores.

‘Juntos’

Meirelles minimizou as informações de que Maia tente inviabilizar sua potencial candidatura. “Ele foi muito importante para a aprovação da PEC do Teto de Gastos e da reforma trabalhista. Estamos trabalhando juntos no objetivo principal que é aprovar a reforma da Previdência e depois manter a agenda de reformas”, disse.



Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

08 de janeiro de 2018

Contra Lula e Bolsonaro, FHC defende união de 'forças não extremadas'

Tucano ainda enumerou os presidenciáveis que deveriam, na sua opinião, se juntar em torno de consensos mínimos: Alckmin, Marina, Meirelles e Joaquim Barbosa

Contra Lula e Bolsonaro, FHC defende união de 'forças não extremadas' 
 Foto: Nacho Doce

No primeiro artigo publicado em 2018, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu unidade entre "as forças não extremadas" para as eleições de outubro. "Se as forças não extremadas se engalfinharem para ver quem entre vários será o novo líder e não forem capazes de criar consensos em favor do País e do povo, o pior acontecerá", avaliou.  

Em texto publicado no jornal O Estado de S. Paulo, Fernando Henrique deixou claro o que considera perigoso. "Nas pesquisas brasileiras de opinião, pelo menos até agora, sem o quadro eleitoral formado, despontam um capitão irado de cujas propostas pouco se sabe e um líder populista sobre o qual pesam acusações (e mesmo condenações) que destroem o sonho que outrora representou", disse, referindo-se ao deputado Jair Bolsonaro e ao ex-presidente Lula, respectivamente.

Ele também criticou o que chamou de “capitalismo de laços” produzido pelo PT, alertando para o que, segundo ele, ainda pode trazer prejuízo. "E no Brasil? Já não terá bastado o descalabro econômico-financeiro produzido pelo 'capitalismo de laços' que o lulopetismo patrocinou, envolvendo e beneficiando empresas e partidos políticos, para que aprendamos a lição de que não há atalhos fáceis para o desenvolvimento e que este requer o império da lei? Será que o Bolsa Família (que se originou em governos anteriores e sem tanto alarde) foi suficiente para amortecer a consciência popular e fazer crer que a esperança em dias melhores se contenta com migalhas?", questionou o ex-presidente.

O tucano ainda enumerou os presidenciáveis que deveriam, ao seu ver, se juntar em torno de consensos mínimos. "As forças representadas (ou que os adiante mencionados gostariam de representar) por Alckmin, Marina, Meirelles, Joaquim Barbosa, ou quem mais seja (incluídos os setores ponderados da esquerda) precisam entender que os riscos se transformam em realidade pela inércia, pela covardia ou pela falta de visão dos que poderiam a eles se opor", destacou.

O texto foi publicado uma semana depois de FHC ter considerado, em entrevista ao mesmo jornal, a chance de o PSDB apoiar um nome de fora para o Planalto. Para ele, o governador Geraldo Alckmin ainda precisa provar ser capaz de aglutinar o centro do espectro político e de "transmitir uma mensagem" aos brasileiros para se viabilizar como candidato do PSDB e de seus aliados ao Palácio do Planalto neste ano.

Na oportunidade, Fernando Henrtique foi enfático ao defender Alckmin, mas avaliou que, caso ele não cumpra essas tarefas, os tucanos podem apoiar outro nome para evitar a fragmentação do centro, hoje reunido em torno das bandeiras do governo. "Se houver alguém com mais capacidade de juntar, que prove essa capacidade e que tenha princípios próximos aos nossos, temos que apoiar essa pessoa."



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Huck comenta eleições e diz que não existe 'salvador da pátria'

Global foi cortejado por alguns partidos políticos, sobretudo pelo PPS, para se lançar candidato à Presidência nas eleições deste ano

Huck comenta eleições e diz que não existe 'salvador da pátria' 
 Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto  

Convidado para um quadro do "Domingão do Faustão", na TV Globo, nesse domingo (7), o apresentador Luciano Huck afirmou que não existe "salvador da pátria" capaz de resolver os problemas do Brasil e que é preciso aproveitar o momento de "derretimento da classe política" para "reocupar esse espaço".Faustão havia pedido que Huck falasse sobre suas perspectivas e explicasse por que é otimista com o futuro.  

"A gente tem que acreditar. Nesse último ano, eu fui até dragado por uma discussão que eu não levantei a mão, que é você começar a tentar pensar quais são as possibilidades concretas para o Brasil neste ano. Me propus a colocar um pouco a cara na rua e tentar mobilizar a minha geração", disse Huck, acompanhado por sua mulher, Angélica.

O global foi cortejado por alguns partidos políticos, sobretudo pelo PPS, para se lançar candidato à Presidência nas eleições deste ano. Em novembro, ele publicou um artigo na Folha de S.Paulo afirmando que não seria candidato, mas que atuaria na política por meio de movimentos cívicos.

O apresentador e empresário disse que 2018 será "um ano superimportante" e criticou quem defende o retorno à ditadura militar: "Não existe isso".

"Nosso papel é de que as pessoas saibam que o voto é o melhor jeito e o único jeito de transformar", ele disse.

Huck também criticou quem defenda que uma só pessoa -um "salvador da pátria"- possa resolver os problemas do país. "Não adianta a gente achar que vai ter um salvador da pátria que vai resolver esse problema. Quem falar isso é mentira."


Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

07 de janeiro de 2018

Procuradora da República pede abertura de inquérito contra Ciro Nogueira no STF

O presidente do PP é suspeito de receber propina da JBS

Senador Ciro Nogueira (PP-PI) 
  Ciro Nogueira (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)  

Está na mesa do ministro Edson Fachin um pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para que se abra inquérito contra o presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI). 

O objetivo é apurar o envolvimento de Nogueira nas irregularidades denunciadas pelo J&F.Segundo delações, Nogueira recebeu mais de R$ 50 milhões para apoiar a ex-presidente Dilma Rousseff em dois momentos: nas eleições de 2014 e no processo de impeachment.    


Fonte: Revista Época 


COMENTE!

05 de janeiro de 2018

Entenda possíveis cenários que podem definir futuro político brasileiro

País começa 2018 de olho nas eleições presidenciais e na expectativa de uma saída para a instabilidade

Entenda possíveis cenários que podem definir futuro político brasileiro 
 Foto: Divulgação

Imerso numa profunda crise política que se arrasta desde 2014, o Brasil começa 2018 de olho nas eleições presidenciais e na expectativa de uma saída desse cenário marcado pela instabilidade. O retorno do eleitor às urnas, no entanto, tampouco oferece um horizonte seguro para o futuro político brasileiro.  

Em pesquisa publicada pelo Datafolha em 2 de dezembro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece liderando as pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais com 34% das intenções de voto, seguido por Jair Bolsonaro, com 17%. Atrás deles, Marina obteve 9%, ficando tecnicamente empatada com Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), ambos com 6%.

A Sputnik Brasil faz uma análise sobre os possíveis cenários que podem definir o futuro político brasileiro a partir das eleições presidenciais de 2018.

O fator Lula

Condenado pelo juiz Sérgio Moro pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá sua situação jurídica decidida pelo tribunal de segunda instância, que pode torná-lo inelegível se confirmar a condenação. 

Tendo em vista que o ex-presidente lidera todas as pesquisas de intenções de voto e realiza uma pré-campanha eleitoral à todo vapor pelo país, a definição de seu processo pode ser encarado como um divisor de águas em relação às eleições. Caso seja absolvido e dispute a corrida eleitoral, Lula tem grandes chances de voltar à presidência, mesmo com a grande rejeição ao projeto do PT por parte de significativa parcela da sociedade brasileira, desencadeada pelo processo de impeachment de Dilma Rousseff.  

Lula ainda mantêm uma grande popularidade na sociedade brasileira, sobretudo entre as camadas mais pobres da população, conquistada principalmente pelos programas sociais implementados durante seus 8 anos de governo, o que significou a saída de milhões de brasileiros do mapa da fome e uma significativa distribuição de renda no Brasil, tendo os programas Bolsa Família e Fome Zero como carros-chefe do seu projeto social.

No entanto, as limitações do projeto do PT ficaram expostas com a promiscuidade do Partido dos Trabalhadores com grupos políticos e empresariais envolvidos em severos escândalos de corrupção deflagrados pela Lava Jato, gerando, por um lado, grande rejeição por uma parcela da população e, por outro, uma alta dose de descredibilidade por parte da própria esquerda brasileira.

O provável retorno ao poder, em caso de absolvição, colocará o ex-presidente, portanto, no epicento de um país polarizado e instável, deixando uma incógnita sobre a sua capacidade de conseguir governar o Brasil. Caso seja condenado e fique ilegível, abre caminho para uma maior ascensão de Jair Bolsonaro, que lidera as pesquisas na ausência do petista.

A ameaça Bolsonaro

Com uma plataforma política marcada por um discurso intolerante com minorias e rejeição aos direitos humanos, o candidato Jair Bolsonaro, que há algum tempo atrás teria sua candidatura tratada como piada, cresceu bastante nas pesquisas e vem se consolidando como o segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018, tendo chances reais de se tornar presidente. 

Por um lado, uma possível vitória de Bolsonaro e seu discurso totalitário gera um cenário nebuloso e incerto para a democracia brasileira. Com notórias declarações explicitamente preconceituosas contra homossexuais, mulheres, e pronunciamentos elogiosos a práticas da ditadura e torturadores deste período, Bolsonaro inflama a direita radical diante da crise política brasileira provocada pela descrença nos partidos políticos tradicionais. Uma presidência de Bolsonaro representaria, portanto, a maior ameaça à jovem democracia brasileira desde o fim da ditadura militar. 

Por outro lado, Bolsonaro se aproxima de um discurso liberal em alta, o que aumenta o seu eleitorado com ideias econômicas contrárias à presença do Estado na economia. Mas o preparo para governar e estabilizar o país do ponto de vista econômico não gera maior segurança. Com um discurso vago contra a corrupção, Bolsonaro já manifestou em diversas entrevistas demonstrações de despreparo e desconhecimento sobre temas fundamentais da economia brasileira. Ele chegou a cometer incoerências históricas ao afirmar que durante a ditadura os militares teriam levado o Brasil ao lugar de 8ª maior economia do mundo, igorando a explosão da dívida externa e a hiperinflação que se deu no período. 

Ele chegou a ser comparado ao caso do presidente dos EUA, Donald Trump, pela mídia internacional, por conta da popularidade angariada na descrença e crise da classe política, dificuldade de dialogar com as críticas e, sobretudo, pelo discurso conservador e agressivo.  

Diante de um período marcado pela extrema polarização na sociedade e séria recessão econômica, além dos inúmeros escândalos que marcaram o impopular governo de Temer, uma possível eleição de Bolsonaro representa uma perigosa guinada ao extremismo no país. 

Velhos nomes ou possíveis surpresas? 

Tecnicamente empatados nas pesquisas de intenção de voto, Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) correm por fora na disputa eleitoral na busca de aumentar as chances de chegar à presidência com o fator da imprevisibilidade que pode surgir com uma possível saída de Lula do páreo. Candidatos veteranos em eleições presidenciais passadas, Ciro e Marina ainda podem surpreender, tendo em vista a flexibilidade do eleitorado em relação aos outros pré-candidatos.  

Pesquisas mostram, por exemplo, que Marina Silva seria muito beneficiada no caso de uma condenação de Lula na Lava Jato, ficando somente 5% atrás de Bolsonaro em uma disputa sem a presença do ex-presidente.

Já Ciro Gomes vem declarando estar convicto de que consegue angariar os votos que iriam para Lula se o petista ficar ilegível ou desistir das eleições. Além disso, o ex-ministro do governo Lula vem alcançando uma boa projeção através das redes sociais, com uma grande adesão de seguidores disseminando vídeos, entrevistas e palestras, em que vem convencendo parte da população sobre o seu preparo para guiar a economia do país e com o seu discurso duro contra as reformas impopulares do governo Temer.   

Disputa interna do PSDB

Outro fator que pode embaralhar ainda mais a disputa pela presidência é a decisão sobre o candidato do PSDB. O prefeito de São Paulo, João Doria, e o governador do Estado, Geraldo Alckmin, protagonizam uma disputa interna no partido que tenta recuperar sua imagem, desgastada pelos escândalos de corrupção da Lava Jato. 

Com uma imagem mais "nova" na política brasileira, Doria supera Alckmin em todos os cenários, mas enfrenta o desafio de superar a briga interna contra o seu mentor político e reverter a brusca queda de sua popularidade após um ano à frente da prefeitura paulista. Além disso, Doria é visto como um político com mais desenvoltura na auto-promoção e na estratégia de marketing do que na formação de alianças políticas, sendo uma opção de maior risco para o PSDB. 

Alckmin, por sua vez, tem seu nome mais vinculado ao que pode ser entendido como a "velha política", sendo mencionado indiretamente na delação da Odebrecht e tendo uma imagem que vai na contramão da expectativa da população brasileira por uma renovação no cenário político. 

Entre a esperança de uma saída da crise política e a insegurança em relação ao futuro da democracia brasileira, a única certeza que o eleitor parece ter é de que o xadrez político do país ainda está longe de ficar claro, tendo em vista os desdobramentos políticos e judiciais que ainda podem alterar bastante o desenho do pleito eleitoral de 2018. (Sputnik)  



Fonte: Notícias ao Minuto 


COMENTE!

Governo quer alterar Constituição para poder se endividar mais

Governo quer alterar Constituição para poder se endividar mais

Governo quer alterar Constituição para poder se endividar mais 
 Foto: Reuters / Ueslei Marcelino  

Para evitar que Michel Temer e futuros presidentes da República sejam acusados de crime de responsabilidade, a equipe econômica trabalha em uma PEC (proposta de emenda à constituição) para amenizar a "regra de ouro", que impede a União de emitir dívida em volume superior a investimentos e custeio.  

A proposta foi discutida na manhã desta quinta-feira (4) em reunião entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia e o ministro Henrique Meirelles (Fazenda), ambos cotados para serem candidatos à presidência, além de Dyogo Oliveira (Planejamento) e Alexandre Baldy (Cidades).

O objetivo da regra é evitar que o Estado se endivide demais para pagar despesas correntes, como gasto com pessoal e conta de luz, empurrando a conta para outros governos.

A PEC, que será relatada pelo deputado Pedro Paulo (MDB-RJ), permite que a regra seja descumprida sem que isso seja considerado crime de responsabilidade.

Segundo a reportagem apurou, essa punição será substituída pela proibição da criação de novas despesas obrigatórias, como contratações ou reajustes salariais -os mesmos mecanismos corretivos que entram em vigor se o teto de gastos for descumprido. Essas sanções também valerão para Estados e municípios que descumprirem as regras.

O texto ainda está sendo estruturado em parceria com técnicos da Câmara, do Ministério do Planejamento e do Ministério da Fazenda -não está claro se as novas regras valeriam também em 2018 ou somente a partir de 2019.

"A solução por mudar a regra do jogo reforça quão enroscado o governo está no quesito fiscal", afirma o economista Fabio Klein, da consultoria Tendências. "A regra de ouro passou a se tornar um problema à medida que o deficit foi se ampliando e gerando nova dívida. Como a fonte do deficit decorre muito do crescimento de gastos correntes obrigatórios, forçando o corte nos investimentos, então de certa forma faz sentido buscar soluções que ataquem a fonte do problema: o crescimento dos gastos obrigatórios", completa.

Ele ressaltou, entretanto, que mudanças de regras no meio do jogo sempre parecem "problemáticas". "O problema aqui é que, enquanto não se resolve a fonte do problema, não se cura o paciente, por mais que se tente recuperá-lo", declarou, se referindo à necessidade de aprovação da reforma da Previdência e reversão de desonerações tributárias.

BNDES

O risco de descumprimento da regra de ouro aumentou com o agravamento da situação fiscal. De um lado, o governo tem emitido mais títulos para financiar despesas. De outro lado, foi obrigado a cortar drasticamente os investimentos públicos, uma das poucas despesas que pode manejar sem mudanças na legislação.

Em 2017, a situação foi resolvida com o retorno de R$ 50 bilhões do BNDES aos cofres do Tesouro. Mas em 2018 esse descompasso alcançará os R$ 184 bilhões, de acordo com o Tesouro.

Sem uma devolução mais substancial de recursos do banco no ano que vem -o pedido é por R$ 130 bilhões adicionais, o que ainda está em negociação- não há solução para o problema.

No início deste mês, o diretor do BNDES, Carlos Thadeu de Freitas, afirmou) que se tiver que repassar recursos ao PIS/Pasep e ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), o banco não terá como devolver ao governo federal os R$ 130 bilhões aguardados em 2018.

Segundo ele, o BNDES tem a repassar esse ano cerca de R$ 70 bilhões ao FAT e ao PIS/Pasep. "A devolução ao FAT é uma decisão institucional e, no caso do PIS/Pasep, depende do volume de saques que até agora está baixo", disse. 



Fonte: Com informações da Folhapress. 


COMENTE!

04 de janeiro de 2018

Ministro da Saúde anuncia que também deixará cargo para reeleição

Ricardo Barros quer uma vaga na Câmara dos Deputados e só fica na função até abril

Ministro da Saúde anuncia que também deixará cargo para reeleição 
 Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil  

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, atualmente licenciado do mandato de deputado federal (PP-PR), disse hoje (4) que deixa a pasta até abril para tentar a reeleição para o cargo no Congresso Nacional.  

“Eu saio para disputar a eleição. Vou concorrer à reeleição de deputado federal. E fico no ministério até a data que o presidente me solicitar, desde que seja até 7 de abril, porque preciso descompatibilizar”, explicou.

Outras saídas

Ontem (3), o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, entregou à Presidência da República carta pedindo exoneração do cargo de ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, alegando questões pessoais e partidárias.

Já no final de dezembro, o deputado federal Ronaldo Nogueira (PTB-RS) também pediu exoneração do cargo de ministro do Trabalho para se dedicar à campanha eleitoral. Ele será substituído pela deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), cuja nomeação foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Situação de Alckmin vai determinar decisão de Luciano Huck

Ele abriu o jogo para um tucano: se governador não decolar, apresentador deve voltar ao páreo

 Foto: Sinais difusos (Antonio Milena/VEJA.com)  

Mesmo depois de anunciar publicamente a desistência de concorrer à presidência da República, Luciano Huck já admitiu em conversas particulares que ainda não descartou a hipótese de voltar para o páreo.

No bate-papo com um tucano, o apresentador deixou claro que o fiel da balança de sua decisão definitiva tem nome, sobrenome e um desempenho fraco nas pesquisas até agora: Geraldo Alckmin.

Ou seja, se a candidatura do governador de São Paulo não decolar até abril, Huck tem tudo para se lançar na disputa presidencial.


Fonte: Veja
Gabriel Mascarenhas 

COMENTE!

03 de janeiro de 2018

Cristiane Brasil, filha de Roberto Jefferson, será ministra do Trabalho

Deputada deve assumir posto deixado por Marcos Pereira

Cristiane Brasil, filha de Roberto Jefferson, será ministra do Trabalho 
 Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados

A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do delator do mensalão, Roberto Jefferson, será a nova ministra do Trabalho. As informações são da Folhapress.  

A informação foi confirmada pelo próprio Jefferson, após reunião com o presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu na tarde desta quarta-feira (3).

A escolha foi anunciada pela Presidência em nota.Entre lágrimas, Jefferson disse que a nomeação de sua filha é um "resgate" à sua imagem após o mensalão. O dirigente do partido foi o pivô do escândalo político e chegou a ser condenado e preso.

Segundo ele, Temer consultou o líder do PTB na Câmara dos Deputados, Jovair Arantes (GO), e telefonou para a nova ministra para saber se eles aceitariam o convite. E teve resposta afirmativa de ambos.

O Ministério do Trabalho está sem titular desde que o também deputado federal pelo PTB Ronaldo Nogueira pediu demissão, no último dia 27. Ele se desligou com o argumento de que quer se dedicar à sua campanha pela reeleição.

No mesmo dia em que saiu da pasta, ele publicou nova portaria sobre a definição de trabalho escravo, que deixa mais rígidas as definições do que leva à punição do empregador.

O deputado federal Pedro Fernandes (PTB-MA), chegou a ser escolhido para comandar o ministério, mas teve o nome vetado pelo ex-presidente José Sarney (MDB). Sarney nega o veto.

VOZ ABAFADA

Em nota, a Presidência anunciou a escolha. "O presidente Michel Temer definiu hoje que a deputada federal Cristiane Brasil será a nova ministra do Trabalho. O presidente recebeu na tarde desta quarta-feira a indicação oficial feita pelo PTB."

Jefferson apresentou na reunião os nomes dos deputados federais Sérgio Moraes (RS) e Pastor Josué (MA). Lembrou ainda o nome de sua filha, que também chegou a ser oferecido por ele para o Ministério da Cultura. Para ser ministra, Cristiane abriu mão de ser candidata no próximo ano.

O pai disputará o posto de deputados federal por São Paulo. Segundo ele, é uma maneira de fazer o partido crescer no maior colégio eleitoral do país. Perguntado se os eleitores irão redimi-lo por conta do escândalo, ele respondeu que só as urnas dirão.

Segundo Jefferson, Temer, que se trata de uma infecção urinária, está mais magro e com uma voz abafada, "surdinas". "Mas está bem e corado", acrescentou.

Em 2015, Cristiane foi autora de uma PEC (proposta de emenda à Constituição) que restringe a reeleição de presidente, governadores e prefeitos. Pelo texto, só seria permitida a candidatura "para um único período subsequente, sendo proibida, a reeleição por períodos descontínuos". A medida impediria, por exemplo, nova candidatura de Lula à presidência.

No mesmo ano, servidoras da Câmara protestaram contra a proposta da deputada de aprovar um código de vestimenta para banir minissaias e decotes mais ousados dos corredores e salões da Casa.


Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

Mãe de Emily pede apoio da OAB-PI para revogação de Portaria expedida pela PM

Documento é considerado ilegal

 
 Foto: Divulgação

Na manhã desta quarta-feira (03), os familiares da menina Emily Costa Caetano, 9 anos, morta durante uma abordagem policial, estiveram reunidos com o presidente da OAB-PI, Chico Lucas, o Comitê de Prevenção e Combate à Tortura, o Conselho Tutelar e o Sindicato dos Delegados de Polícia Civil de Carreira do Estado do Piauí (SINDEPOL).

Na ocasião, a mãe, Daiane Félix Caetano, e o avô da criança solicitaram apoio da Ordem para revogar a Portaria expedida pela Polícia Militar do Piauí (PMPI), em dezembro de 2017, na qual determina que os crimes militares sejam de jurisdição da PMPI.

Sobre isso, o presidente Chico Lucas explicou que a Portaria é ilegal e inconstitucional. “Por se tratar de um crime doloso contra a vida, o crime deve ser julgado no âmbito do Tribunal do Júri, não da Justiça Militar. Da mesma forma, as investigações devem ser conduzidas pela Polícia Civil e não pela Polícia Militar. Deve haver transparência na apuração, pois o que está acontecendo é muito temerário, visto que o comandante da PMPI proibiu que o delegado responsável pelo caso ouvisse os investigados”, declarou o presidente Chico Lucas, informando ainda que a OAB expedirá uma recomendação à Polícia Militar para revogar a Portaria.

O presidente interino do Sindicato dos Delegados, Marcelo Dias, falou da importância da parceria com a Ordem para revogar a Portaria expedida pela PM. “Como a OAB é uma instituição que defende a sociedade, é de extrema importância essa união para fazermos cumprir a Lei e evitarmos outros abusos como o ocorrido”, declarou.

A mãe Daiane Félix agradeceu o apoio dado pela Ordem e de todos os presentes. Também integraram a reunião o delegado e integrante do SINDEPOL, Josimar Brito, o conselheiro tutelar Djan Moreira e Lourdes Nunes, representante do Comitê de Combate à Tortura. 



Fonte: OAB PI 

COMENTE!

Lista do Bolsa Família de Temer tem 500 mil famílias a menos

Balanço do atual governo

 Foto: Redução de beneficiários (Ueslei Marcelino/Reuters)  

Desde que Michel Temer assumiu o comando, a quantidade de cidadãos agraciados com recursos do Bolsa Família vem caindo.

Em 1 ano e meio, aproximadamente 4,3 milhões de famílias entraram no programa, enquanto outras 4,8 milhões deixaram de receber o benefício no mesmo período.

Ou seja, cerca de meio milhão de famílias a menos na lista de beneficiários.


Fonte: Veja
Por: Gabriel Mascarenhas 

COMENTE!

Lula diz ao PT que vai a Porto Alegre para julgamento

Ex-presidente fez pedido a desembargadores para ser ouvido antes de sentença, mas ainda não foi respondido

 Foto: O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) (Pedro Ladeira/Folhapress)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comunicou a dirigentes do PT que vai comparecer ao julgamento que pode torná-lo inelegível, no Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), dia 24 de janeiro, em Porto Alegre (RS).

A direção do partido também prepara um grande ato de recepção ao ex-presidente no mesmo dia, no retorno a São Paulo. No dia seguinte, a Executiva Nacional do PT faz uma reunião ampliada para reafirmar a candidatura do ex-presidente, líder das pesquisas para as eleições de 2018, seja qual for o resultado do julgamento.

Oficialmente, a assessoria do Instituto Lula não confirma que o ex-presidente vá acompanhar o julgamento em Porto Alegre. Segundo o instituto, a defesa do petista solicitou ao TRF-4 que Lula seja ouvido durante o julgamento, mas o pedido ainda não foi apreciado pelos desembargadores do tribunal — a expectativa é que ele seja aceito.

A aliados, o petista afirmou que pretende ir a Porto Alegre de qualquer maneira. Ele deve chegar à capital gaúcha no dia 22 ou 23 e participar das manifestações preparadas pelo PT.

Antes do julgamento, o partido prepara uma onda de eventos que começa no dia 13 e vai até o dia seguinte ao julgamento. No dia 23, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) vai participar da abertura de uma vigília no Parque Harmonia, em frente ao TRF-4.

O ato de recepção na volta, em São Paulo, deve ser o ponto alto das mobilizações organizadas pelo partido e movimentos sociais que defendem o direito de o ex-presidente ser candidato.

Lula foi condenado, em primeira instância, a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá (SP). Se a condenação for confirmada, o ex-presidente pode ser impedido de disputar a eleição presidencial.

Programação paralela

Semana passada, a Justiça Federal em Porto Alegre decidiu proibir um acampamento que o Movimento dos Sem Terra (MST) pretendia fazer em frente ao TRF-4, mas liberou o local para manifestações de grupos que apoiam o ex-presidente. O MST negocia com as autoridades da capital gaúcha outro local para o acampamento.

No dia 22 de janeiro, um grupo de advogados brasileiros e estrangeiros vai participar de um debate público sobre o processo. De acordo com o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, vice-presidente do PT e coordenador das mobilizações em defesa do ex-presidente, o Fórum Social Mundial promete fazer um ato no dia 23, com a presença de líderes e entidades de esquerda de vários países.

Além disso, o PT e suas lideranças têm difundido nas redes sociais o manifesto “Eleição Sem Lula é Fraude”, escrito pelo ex-chanceler Celso Amorim. Com versões em português, inglês, espanhol, francês e árabe, o documento já recebeu mais de 80 mil assinaturas, entre elas a do linguista e filósofo norte-americano Noam Chomsky e dos pré-candidatos Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila (PCdoB).  



Fonte: Veja
Por: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

02 de janeiro de 2018

Na 1ª eleição após impeachment, PT teme redução da bancada no Senado

Dos nove parlamentares do partido que ocupam uma cadeira na Casa, sete terão seus mandatos encerrados no próximo ano

Na 1ª eleição após impeachment, PT teme redução da bancada no Senado 
 Foto: Filipe Araújo/Fotos Públicas  

Dos nove senadores do PT, atualmente, sete terão seus mandatos encerrados no próximo ano. Destes, dois devem se reeleger com facilidade, avaliam analistas políticos. Os outros ainda dependem das alianças estaduais.  

As eleições de 2018 serão as primeiras após o impeachment da presidente Dilma Rousseff, ocorrido no ano passado. Para se ter uma ideia, em 2015, a sigla contava com 13 políticos no Senado federal. Mas, desde então, o partido vem perdendo força, em decorrência dos escândalos de corrupção revelados pela Lava Jato.

A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a 9 anos e meio de prisão, também agravou o quadro. Muitos parlamentares ainda aguardam uma definição sobre a candidatura dele para poder traçar um caminho.

É o caso de Gleisi Hoffmann (PR), Humberto Costa (PE), Regina Sousa (PI) e José Pimentel (CE). Tamanho desgaste ainda levou os governadores do partido a preferirem, segundo informações da Folha de S. Paulo, dar apoio a legendas que ajudem em suas reeleições. 

As assessorias de imprensa de Costa, Regina e Pimentel disseram haver disposição dos parlamentares de disputar a reeleição, mas isso depende da composição da chapa local. Gleisi, por sua vez, pode optar por disputar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Já Jorge Viana (AC), Lindbergh Farias (RJ) e Paulo Paim (RS) confirmaram suas candidaturas ao Senado.

Todo o cenário tem causado preocupação ao partido, que teme uma redução da bancada. Para piorar, há dificuldade na sigla em conquistar novas vagas na Casa. Jaques Wagner e de Eduardo Suplicy, que perdeu a vaga para José Serra (PSDB-SP), em 2014, são as principais apostas..

Em São Paulo, o ex-prefeito Fernando Haddad ainda corre por fora. A sigla pretende lançar apenas um dos nomes para evitar divisão dos votos.  


Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

PDT é o partido campeão em governismo no país

Legenda lançou o nome de Ciro Gomes como candidato ao Planalto em 2018

PDT é o partido campeão em governismo no país 
 Foto: Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil  

No Ceará e na Bahia, são aliados do governo do PT. No Pará, apoiam o PSDB. Também firmaram alianças com governadores do PSB, do MDB, do PP e do PCdoB.  

O PDT, legenda que na esfera federal faz oposição ao presidente Michel Temer (MDB) e lançou o nome de Ciro Gomes como candidato ao Planalto em 2018, tem filiados ocupando 22 secretarias estaduais em 13 unidades da federação. É o partido que mais cargos de primeiro escalão ocupa em governos de outros partidos.

A conclusão é resultado de um levantamento da Folha de S.Paulo que apurou o perfil e a filiação partidária dos 547 secretários dos governos dos 26 Estados e do Distrito Federal. Ao todo, são 180 secretários filiados ao mesmo partido do governador, 180 filiados ou indicados por partidos aliados e 184 sem filiação partidária.

Depois do PDT, completam o topo do ranking de cargos em primeiro escalão em governos aliados MDB, PSB, PSDB e PSD, nesta ordem.

Os dados do levantamento apontam para uma capacidade camaleônica dos partidos em apoiar governos de diferentes linhas ideológicas.

Peemedebistas (hoje emedebistas) são parceiros do PT no Piauí e em Minas, a despeito da firme oposição no plano nacional desde a eclosão do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A recíproca acontece em Sergipe, onde petistas são aliados do governador Jackson Barreto (MDB).

O PDT firmou a maioria de suas alianças com governos de esquerda, mas também tem parcerias com o PSDB no Pará e no Paraná e cargo no primeiro escalão do governo do MDB no Rio de Janeiro.

"Cada Estado tem sua característica particular. Em muitos casos, a nomeação é mais da relação pessoal do filiado com o governador do que uma aliança institucional entre partidos", afirma o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.

LICENÇA

Os secretários estaduais pedetistas Thiago Pampolha (da pasta de Esporte do Rio) e Edgar Bueno (de Assuntos Estratégicos do Paraná) licenciaram-se da sigla para assumir ou permanecer no cargo.

Por outro lado, o partido trouxe para seus quadros, nos últimos meses, secretários estaduais que não tinham filiação partidária no Acre, no Espírito Santo e em Alagoas.

Neste último, o PDT está em um típico caso de "um pé em cada canoa" -aderiu ao governo Renan Filho (MDB) e ocupa cargos na gestão do prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), provável adversário do governador em 2018.

A presença dos partidos no primeiro escalão também reflete a força da legenda na negociação por cargos. Em muitos casos, o espaço conquistado nos governos aliados é maior do que o tamanho com que o partido saiu nas urnas.

É o caso do PCdoB, que, com uma bancada de 12 deputados federais, ocupa dez secretarias em seis governos aliados.

Além da parceria com os governos petistas, o PCdoB também compõe com governadores como Renan Filho (MDB), de Alagoas, Paulo Câmara (PSB), de Pernambuco, e Robinson Faria (PSD), no Rio Grande do Norte. A maior parte das pastas ocupadas pelo partido, contudo, tem baixo orçamento.

"A gente procura colaborar com os governos em áreas que temos afinidade, como esporte, cultura e direitos humanos", afirma o deputado federal Daniel Almeida (PC doB-BA). Na Bahia, o partido tem a pasta do Trabalho e Esporte, além da secretaria de Políticas para Mulheres.

Outro exemplo é o PPS, que tem uma bancada de apenas nove deputados federais, mas teve força para emplacar cargos de primeiro escalão em oito governos -mais do que o DEM, que tem 30 deputados federais.

FORÇA NA CÂMARA

Outras siglas com maior bancada na Câmara, como PR, PRB e PSC, têm menos força nos Estados e baixa presença em secretarias.

Em três casos, o principal partido aliado possui mais secretarias do que o do próprio governador, tornando-se uma espécie de "sócio majoritário" da gestão de outra legenda. No Ceará, por exemplo, comandado pelo governador petista Camilo Santana, o PDT ocupa quatro secretarias, incluindo algumas estratégicas como Fazenda e Infraestrutura. O PT, por sua vez, ocupa três pastas.

O protagonismo pedetista é resultado das costuras para a eleição de 2014, quando os ex-governadores Cid e Ciro Gomes apadrinharam a candidatura de Santana.

O mesmo acontece em Santa Catarina, onde o MDB ocupa cinco secretarias, enquanto o PSD do governador Raimundo Colombo ocupa quatro. No Espírito Santo, o PSDB tem mais secretarias que o MDB, partido do governador Paulo Hartung.

Há ainda casos de secretários filiados a partidos adversários de seus respectivos governadores.

No Ceará, o tucano Maia Júnior assumiu a secretaria de Planejamento do governo petista de Camilo Santana e tem implementado medidas de contenção de despesas e equilíbrio fiscal, bandeiras históricas do PSDB.

Ainda há um emedebista como secretário no governo Tião Viana (PT) no Acre e um filiado ao PCdoB no primeiro escalão da gestão de Pedro Taques (PSDB-MT). 


Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

Por causa de R$ 2, vereador, irmão de prefeito, é assassinado no Maranhão

O político era irmão do prefeito Cláudio Cunha

O vereador Jorge Cunha (foto abaixo) participava de uma festa na madrugada de hoje em Apicum Açu quando um elemento se aproximou dele e lhe pediu R$ 2. Diante da recusa, os dois começaram a discutir forte, quando o indivíduo sacou de uma faca e matou o vereador. Segundo informações ao blog, o assassino já teria sido preso. O político era irmão do prefeito Cláudio Cunha. 

 
 Foto: Reprodução



Fonte: Blog do Luís Cardoso


COMENTE!

01 de janeiro de 2018

Doria é o preferido de Michel Temer para sucedê-lo

O preferido

Foto: Reprodução

Ele não assume, mas Michel Temer continua achando que o melhor candidato para unir todo o centro, com bom apelo eleitoral e verve para defender seu governo, é João Doria.   



Fonte: Veja
Gabriel Mascarenhas (Coluna Radar) 

COMENTE!

29 de dezembro de 2017

Vereador Dudu teve seis leis sancionadas em 2017

Dudu avalia o trabalho legislativo na Câmara Municipal

Vereador Dudu (PT) 
 Foto: Divulgação

Com a conclusão de mais um ano, o vereador Dudu aproveitou para realizar um balanço do seu mandato. Para o vereador, 2017 foi um ano bastante produtivo, marcado pela preposição de ações e atividades que geraram resultados efetivos para a cidade de Teresina. Foram mais de 400 indicativos de autoria do parlamentar que permitiram a execução de intervenções urbanas, como asfaltamento de ruas, esgotos, limpeza pública e solucionando problemas apontados pela população. 

Cerca de 40 projetos de lei foram apresentados; seis leis sancionadas tratando sobre educação no trânsito, combate à depressão e combate a erotização infantil. Além disso, o diálogo com a sociedade ocorreu ainda por meio das audiências públicas, dentro e fora da Câmara Municipal, onde o povo compareceu para ouvir as explicações e propostas dos vereadores e outros profissionais. Como atividade principal do poder legislativo, o vereador Dudu ainda acompanhou de perto e fiscalizou a aplicação dos recursos públicos, cobrando transparência do Executivo Municipal. Junto com a população, Dudu foi voz atuante contra a taxa de lixo domiciliar proposta pela Prefeitura para o próximo ano. Dudu inclusive apresentou requerimento verbal na CMT de Teresina, solicitando a suspensão dessa cobrança. A aplicação dos recursos do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério) pela administração municipal também foi alvo de fiscalização do parlamentar, que acompanhou o julgamento da primeira ação no Tribunal de Contas do Estado (TCE). Apesar da liberação dos recursos, o vereador pretende continuar fiscalizando essa questão e garantindo o correto uso dos recursos disponíveis. 

Dudu ressalta ainda a proposição de Ação Civil Pública em relação a indústria das multas em Teresina, com ação tramitando atualmente no Tribunal de Justiça, como também a fiscalização sobre a especulação, compras e vendas de imóveis na capital, com uma ação acatada pelo Ministério Público sobre a Palitolândia, zona sul da capital e análise de outras negociações. “Todas essas ações do nosso mandato buscam ações enérgicas para que a cidade de Teresina possa caminhar na trilha do desenvolvimento e da transparência. Nosso mandato que sempre foi popular, democrático e que visa a cidadania e inclusão social tem como principal foco a melhoria da qualidade de vida das pessoas, seja da zona sul, norte, leste, sudeste ou rural da cidade”, pontuou o vereador. 

Outro ponto de destaque na atuação do parlamentar foi a busca por mais recursos no orçamento de 2018 para as políticas públicas voltadas para jovens e mulheres de Teresina. Dudu propôs por meio de requerimentos apresentados aquela Casa, que as verbas, superiores a R$ 3 bilhões, fossem melhor distribuídas entre as secretarias municipais. Apesar de o orçamento ser aprovado pela maioria dos vereadores sem as alterações propostas, para Dudu isso revela a falta de compromisso com os jovens e mulheres visto que as verbas disponibilizadas são muito aquém do necessário para o início, realização e conclusão de um trabalho sérios por meio dessas secretarias. Em contrapartida, órgãos como a Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT), que recebeu somente em 2016 valores superiores a R$ 13 milhões como forma de subsídios das passagens, deve receber em 2018 uma receita ainda superior a esse valor, o que segundo o vereador Dudu é muito incoerente visto que a população paga caro, por um serviço precário, que deixa a desejar em muitos aspectos e que seguindo a orientação da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (STRANS), de aumentar o valor da tarifa, pode se tornar ainda mais caro e danoso para os teresinenses. 

Em 2018, a promessa é seguir com o trabalho, buscando soluções viáveis para a população e cobrando que a cidade seja voltada para todos e dedique a mesma atenção para a população que mais precisa de atenção e políticas públicas. “Consideramos que foi um ano positivo para nossa legislatura e encerramos agradecendo a Deus pela oportunidade de finalizar mais um ano trabalhando por Teresina e pela parcela da população que mais precisa”, finalizou o vereador Dudu. 


Fonte: Ascom 

COMENTE!

PT confirmará lançamento de Lula ao Planalto um dia após julgamento

Anúncio deve ser feito durante uma reunião ampliada da executiva da sigla

PT confirmará lançamento de Lula ao Planalto um dia após julgamento 
 Foto: Ricardo Stuckert / Divulgação

Um dia após o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, marcado para o dia 24 de janeiro, o PT relançará a candidatura dele à Presidência da República em 2018.  

De acordo com informações da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o anúncio deve ser feito durante uma reunião ampliada da executiva da sigla. Senadores, deputados e governadores já foram convocados para o evento.

Embora haja a expectativa de que o ex-presidente terá a pena de 9 anos e meio de prisão confirmada pelo tribunal, a ideia do partido é mostrar apoio a Lula, além de apresentar-se como um gesto de resistência.

Outras ações também estão sendo planejadas para os dias que antecedem o julgamento. A capital do Rio Grande do Sul irá receber militantes a partir do dia 20 de janeiro, quando será instalado um acampamento do MST. Além disso, está prevista a chegada de caravanas de diversos municípios e estados.

Já no dia 22, juristas brasileiros e estrangeiros de renome realizarão um grande debate público, com o objetivo de discutir o processo movido contra Lula.

No dia seguinte, em 23 de janeiro, as secretarias de mulheres do Partido dos Trabalhadores promoverão um potente ato com a presença da ex-presidente Dilma Rousseff e da ex-ministra Eleonora Menicucci. Na mesma data, terá início uma vigília nacional que, segundo os organizados, defenderá a democracia, a justiça e Lula.

Já no dia 25, ocorrerá um grande ato político-cultural. “Vamos provar que este processo é uma farsa e que Lula tem direito de ser presidente de novo”, reforça o presidente do PT-RS, Pepe Vargas.

“O TRF-4 será uma das batalhas que enfrentarmos neste 2018”, ressalta o vice-presidente do PT Nacional, Alexandre Padilha. "É por isso que, no dia 25, o PT reunirá seu Diretório Nacional e parlamentares de todo o país para reafirmar o nome de Lula como única opção para a candidatura à Presidência da República nas eleições de outubro".



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

28 de dezembro de 2017

Morte de Emile: juiz decreta prisão de militares

Na representação a dupla é acusada de homicídio

O juiz José Olindo Gil Barbosa, acatando representação do delegado Higgo Martins, designado pelo coordenador da Delegacia de Homicídios, Francisco da Chagas Santos Costa, o Bareta, para presidir o inquérito em torno da operação militar da noite da última segunda-feira  que resultou na morte da garota Emile Caetano, de 9 anos, decretou a prisão preventiva do soldado Aldo Luis Barbosa e do cabo PM Francisco Vinicius Alves, por crime de homicídio, deixando a discussão do mérito sobre se houve crime militar ou civil para o juiz que vai acompanhar o caso. A decisão vai na contramão da atitude da corregedoria da PM que enquadrou os militares como autores do crime de "lesão corporal grave seguida de morte e disparo em via pública" o que ameniza a pena dos acusados caso sejam condenados. O delegado se baseou no preceito constitucional de que crimes cometidos por militares contra civis devem ser apurados pela Polícia Judiciária. 

Os militares acusados do crime estão sob a custodia da Corregedoria no que chamam de presidio militar localizado n as imediações do BOPE.A Delegacia de homicídios vai cumprir o prazo legal de 10 dias para concluir o inquérito e encaminhá-lo para a Justiça. O delegado acusa os PMs de homicido doloso e não de lesão corporal seguida de morte como quer a corregedoria da PM. 

Resultado de imagem para delegado Higgo Martins 

  Higgo Martins     (Foto: Reprodução) 



 


COMENTE!

27 de dezembro de 2017

João Vicente Claudino é candidato ao governo em 2018

Ex-senador não vai disputar o Senado e avisa: não tenho perfil de vice

Ex-senador João Vicente Claudino 
 Foto: Reprodução Portal Cidade da Luz

O ex-senador João Vicente Claudino, ainda sem partido, mas com data marcada para retornar ao PTB, não vai ser candidato a senador e muito menos a vice-governador. A candidatura dele será ao governo em 2018. JVC argumenta que não tem perfil de vice. 

“Porque não sei ser passivo dentro de um trabalho político. Talvez a minha inquietude de querer ver um governo mais dinâmico, forte e verdadeiramente transformador, eu incomodaria muito o governador e talvez romperia com ele antes do primeiro semestre. Eu não teria o perfil”, repetiu João Vicente Claudino. 

O ex-senador vai voltar ao PTB em março, quando se abre a janela partidária. O caminho natural, segundo ele, é mesmo o retorno ao PTB. "Isso não tem mais o que discutir. Agora, no meu tempo é que vou decidir se serei candidato ou não. Quem vai definir o lado do PTB é se o partido terá uma candidatura majoritária ou não, como também se vamos ser governo ou oposição. Então, existe a possibilidade para nos colocarmos a disposição de uma candidatura [ao governo]”, avisou. 


Fonte: PTB 

COMENTE!

Cármen Lúcia nega dois pedidos de habeas corpus a Paulo Maluf

Um dos pedidos foi feito por um advogado que é amigo da família do deputado

Cármen Lúcia nega dois pedidos de habeas corpus a Paulo Maluf 
 Foto: José Cruz/Agência Brasil

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, nesta terça-feira, 26, julgou incabíveis dois habeas corpus que foram pedidos em nome do deputado federal Paulo Maluf.  

Um dos pedidos foi feito por um advogado que é amigo da família de Maluf, Eduardo Galil, e o outro, por um advogado que não é conhecido pela defesa do deputado, Antonio José Carvalho Silveira. Ao pedirem uma liminar para libertar Maluf, ambos alegaram que não seria possível a condenação pelo crime de lavagem de dinheiro porque já teria havido prescrição (esgotamento do prazo da Justiça para a punição).

Cármen Lúcia fundamentou as decisões afirmando que não é admissível habeas corpus contra decisão do próprio Supremo Tribunal Federal, de acordo com a própria jurisprudência da corte. Assim, os pedidos teriam "inviabilidade jurídica".

Além disso, quanto à alegação de prescrição do crime, Cármen Lúcia afirmou que o argumento não procede, pois os prazos processuais teriam transcorrido normalmente, conforme decidido pela Primeira Turma do STF.

A defesa de Maluf, em si, está aguardando uma decisão da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal sobre o pedido que fez para que o deputado possa cumprir a pena em casa, devido à má condição de saúde. O juiz responsável pelo caso ainda aguarda manifestações para tomar a decisão.

Maluf foi condenado em maio pelo Supremo Tribunal Federal a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro, por desvios milionários em obras viárias como Túnel Airton Senna, Avenida Água Espraiada e Avenida Roberto Marinho, em São Paulo, da época em que foi prefeito entre 1993 e 1996.

O parlamentar começou a cumprir pena na quarta-feira, 20 de dezembro, e está desde a sexta-feira, 22, no Centro de Detenções Provisórias do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.



Fonte: Com informações do Estadão Conteúdo. 


COMENTE!

Alckmin critica condicionar verbas à reforma da Previdência

"Acho que foi equívoco do ministro e tenho certeza que ele vai corrigir isso", disse o governador, referindo-se a Carlos Marun

Alckmin critica condicionar verbas à reforma da Previdência 
 Foto: Sergio Dutti/A2img  

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, considerou um "equívoco" do ministro da Secretaria do Governo, Carlos Marun, condicionar a liberação de recursos do governo federal e dos bancos públicos ao esforço de governadores e prefeitos para garantir apoio à reforma da Previdência.  

Em entrevista à Radio Jovem Pan nesta quarta-feira, 27, Alckmin avaliou que esta vinculação não é permitida. "Acho que foi equívoco do ministro e tenho certeza que ele vai corrigir isso porque não pode uma instituição financeira vincular liberação de financiamento a órgão público à votação de parlamentares. É um retrocesso", afirmou.

Na terça-feira, 26, Marun admitiu a ação e disse que "realmente o governo espera reciprocidade" de quem tem recursos a serem liberados. Disse que são ações de governo e que está apenas pedindo 'ajuda' em troca de votos pela Previdência.

Alckmin acrescentou que o PSDB é favorável à reforma, fechou questão em torno do assunto e tentará combater a divisão interna que ainda existe no partido a respeito do tema por meio do convencimento dos parlamentares.

Ele argumentou que a reforma é uma questão de justiça, na medida em que iguala as condições entre o trabalhador da iniciativa privada e do funcionalismo, e, por isso, o apoio à reforma é uma questão de responsabilidade do partido. Alckmin disse que já há maioria no PSDB a favor da mudança de regras da Previdência. "Quanto mais se postergar, mais grave fica a situação."

Prévias

O governador defendeu que a realização de prévias dentro do partido para definir os candidatos que concorrerão aos cargos majoritários na eleição de 2018 aconteça antes de março. Esse é o prazo final da janela partidária, quando políticos podem mudar de partido para concorrer. Alckmin já anunciou sua intenção de disputar a Presidência da República e deverá enfrentar internamente o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, que também quer concorrer ao cargo.

Sobre o apoio ao vice-governador Marcio França (PSB) em uma eventual candidatura ao governo do Estado, ao mesmo tempo em que o PSDB também deve lançar um candidato próprio, Alckmin avaliou que o ideal seria que a coligação entre os dois partidos se mantivesse, mas caso não seja possível, a aliança pode ser retomada em um eventual segundo turno.

Ao falar sobre a influência da Operação Lava Jato nas eleições do próximo ano, o governador avaliou que o saldo é positivo, por causa do fortalecimento das instituições. Disse ser otimista com relação ao futuro, porque o País está 'vocacionado' a crescer, mas para isso precisa de um governo eficiente. "O Brasil não precisa de 'show man'. Eu não sou da ribalta, esta coisa de discurseira é meio atrasada. Temos que falar a verdade às pessoas", afirmou, em referência indireta às críticas que recebe sobre sua suposta falta de carisma.


Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

26 de dezembro de 2017

Jornalista abandona senador e padrinho politico

O jornalista Marcelo Coelho militou na imprensa do Piauí

Resultado de imagem para senador Roberto Rocha 
 Padrinho senador Roberto Rocha ....

Indicado secretário de Meio Ambiente do Estado do Maranhão pelo senador Roberto Rocha, o jornalista Marcelo Coelho, que durante anos militou na imprensa do Piauí, se recusou a acompanhar o padrinho politico quando este decidiu romper com o Governador Flávio Dino e lançar sua candidatura ao Governo pelo PSDB, partido para o qual está voltando.Marcelo apresentou a desculpa, segundo politicos do Maranhão, de que o "Roberto foi quem abandonou o nosso projeto politico".  

Resultado de imagem para Marcelo Coelho secretário do meio ambiente do Maranhão 
 Jornalista Marcelo Coelho abandonou....

Nos bastidores da politica do Maranhão o que se comenta é que Marcelo Coelho não acompanhou o senador para não perder o comando da Secretaria de Meio Ambiente do Estado por que pretende ser candidato a deputado federal.Amigos de Rocha afirmam, entretanto, que as chances de Coelho se eleger "são as menores possiveis".

COMENTE!

2017 termina com dez candidatos à Presidência da República

Lista inclui de tradicionais postulantes, como Lula, Alckmin, Marina e Ciro, a nomes inéditos na disputa, como Bolsonaro, Meirelles, Manuela e Amoêdo

2017 foi um dos anos mais tumultuados da vida política brasileira, principalmente pelo fato de Michel Temer (PMDB) ter se tornado o primeiro presidente da República no cargo denunciado por crime comum – foram três acusações, por corrupção passiva, obstrução de Justiça e formação de quadrilha, todas elas enterradas pela Câmara dos Deputados em meio a negociações de cargos e emendas em massa pelo governo.

Mas não é por isso que a cadeira de comandante máximo do país deixou de ser desejada. Ao longo do ano, nada menos que dez nomes apareceram como postulantes à sua sucessão – a lista deverá aumentar ainda durante o primeiro semestre de 2018.    

A relação de presidenciáveis inclui desde velhos nomes da política como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), a novidades, como o banqueiro João Amoêdo, do Partido Novo, o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro (PSC), e a deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB).

Houve também o lançamento de candidaturas um tanto folclóricas, com quase nenhuma chance de se tornarem realidade, como as do cirurgião plástico e apresentador de TV Roberto Miguel Rey Júnior, o Dr. Rey, e a ex-apresentadora do Jornal Nacional, a jornalista Valéria Monteiro.

Outros candidatos devem surgir no espectro mais à esquerda do cenário político, como a dos nanicos PSTU e PCO e, muito provavelmente, a do PSOL, que “namora” Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), para sair candidato – a ex-deputada federal Luciana Genro é outra probabilidade.

Também é provável que nanicos contumazes na cédula de candidatos presidenciais, como José Maria Eymael (PSDC), candidato em 1998, 2006, 2010 e 2014, participem novamente da disputa.

O ano também teve pré-candidaturas que fizeram muito barulho, mas que ficaram pelo caminho, como as do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e do apresentador de TV Luciano Huck.

O número de candidatos já na disputa para 2018 está longe de ser um recorde – em 1989, foram 22 candidatos – e está próximo dos contendores das três últimas eleições: oito em 2006, nove em 2010 e onze em 2014.

Veja quem são os pré-candidatos com mais possibilidades de confirmarem suas candidaturas ao Planalto em 2018:



1) Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

Condenado em um processo da Operação Lava Jato, réu em outros seis e denunciado em mais três, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) uniu a sua defesa jurídica com a luta para projetar sua candidatura à Presidência. Além de apontar perseguições nas ações que enfrenta, o petista começou a construir o discurso que levará as urnas: acusará o presidente Michel Temer (PMDB) de desmontar os sistemas de proteção trabalhista e previdenciária e defenderá um plebiscito sobre as reformas econômicas. Também vai argumentar a favor da retomada do consumo e dos investimentos estatais como forma de reaquecer a economia. A principal pendência da sua candidatura é jurídica: condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sergio Moro no caso do tríplex do Guarujá, pode ficar de fora da disputa caso tenha a sentença confirmada em segunda instância no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Mesmo com uma decisão negativa, no entanto, ele deve continuar tentando alguma solução judicial nas instâncias superiores para manter a sua candidatura. Segundo a última pesquisa Datafolha, divulgada em 4 de dezembro, Lula lidera a disputa em todos os cenários de primeiro turno (com percentuais que vão de 34% a 37% dos votos). 



2) Geraldo Alckmin (PSDB)

Depois de muita disputa interna, precisando enfrentar até seu afilhado político João Doria, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, se consolidou como o candidato do PSDB à sucessão de Temer. Ficaram para trás o prefeito de São Paulo, que caiu nas pesquisas, e Aécio Neves (MG), que chegou a ser afastado do Senado após a eclosão das delações da JBS. De quebra, assumiu a presidência do partido por aclamação numa tentativa do tucanato de acalmar as suas divisões internas. O Instituto Teotônio Vilela, braço teórico do PSDB, lançou o documento "Gente em primeiro lugar: o Brasil que queremos", conjunto de ideias e propostas que incluem, ao mesmo tempo, um "choque de capitalismo", com privatizações e fim da estabilidade de servidores, e um "estado musculoso", com regulações e cobrança de impostos de mais ricos. Alckmin deve apostar em ser o nome do centro ideológico em 2018, entre Lula (à esquerda) e Jair Bolsonaro (à direita). 



 3- Jair Bolsonaro (PSC-RJ)

Capitão da reserva do Exército, o polêmico deputado federal Jair Bolsonaro (hoje no PSC, mas prestes a deixar o partido) vai se lançar pela primeira vez na disputa a um cargo executivo, após mais de 25 anos no Congresso Nacional. Com um histórico de declarações controversas em relação a negros, gays e mulheres, Bolsonaro tenta se aproximar da pauta econômica liberal, passando a defender uma agenda de privatizações, alinhada aos interesses do mercado. Em viagens e palestras pelo país, bem como nas redes sociais, é apoiado vorazmente por militantes que defendem seu discurso, conservador nos costumes e radical contra o "comunismo". 

4 - Ciro Gomes (PDT)

Candidato nas eleições de 1998 e 2002 pelo PPS, Ciro Gomes volta a ocupar a lista de postulantes à Presidência da República quinze anos depois. Ex-governador do Ceará, ex-ministro da Fazenda (governo Itamar Franco) e da Integração Nacional (governo Lula), Ciro se filiou ao PDT já com ares de pré-candidato em 2015, passando a falar publicamente nessa condição a partir deste ano. O pedetista, que faz oposição ao governo Temer, deve adotar um discurso mais à esquerda, defendendo uma intervenção forte do Estado na economia como forma de combater a crise econômica. 

5 - Marina Silva (Rede)

A ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente bateu na trave duas vezes. Em 2010, pelo PV, e em 2014, pelo PSB, ela foi candidata à Presidência da República e ostentou altas votações no primeiro turno: cerca de 20 milhões de votos em ambas as eleições, que lhe renderam o terceiro posto na corrida presidencial. Desde 2015, quando fundou a Rede Sustentabilidade, seu nome é cotado como uma possível alternativa para as próximas eleições, o que se confirmou com o anúncio de sua pré-candidatura no início de dezembro. Seu discurso para as próximas eleições deve ser baseado no desenvolvimento sustentável, oscilando entre direita e esquerda conforme os temas pautados. 

6 - Alvaro Dias (Podemos)

O senador paranaense, que nunca conseguiu um espaço para seus anseios presidenciais no PSDB, mudou duas vezes de partido na atual legislatura, mas encontrou um abrigo para o seu projeto. Alvaro Dias passou pelo PV entre 2015 e 2017, quando participou da refundação do PTN e da adoção do novo nome da sigla, Podemos, que o tem desde o primeiro dia como pré-candidato. O ex-tucano deve se focar em um discurso ético contra a corrupção, como tem feito em casos recentes, como a condenação de Lula por Sergio Moro, as acusações contra Michel Temer e o afastamento de Aécio Neves (PSDB) do Senado. 

7 - Henrique Meirelles (PSD)

Em entrevista no evento Amarelas ao Vivo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), prometeu decidir até o final de março se será candidato à sucessão do chefe, Michel Temer. Exaltando números positivos da economia em público e fazendo articulações políticas em privado, Meirelles tenta se cacifar para disputar o cargo como o candidato de continuidade do governo. O ministro já procurou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), para tentar costurar uma aliança. No programa eleitoral do PSD divulgado no dia 21 de dezembro, ele ocupou quase a totalidade dos dez minutos destinados à propaganda do partido. 

8 - Manuela D'Ávila (PCdoB)

Ex-deputada federal e hoje deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manuela D´Ávila (PCdoB) pode ser a primeira candidata à Presidência da República da história dos comunistas, que desde 1989 fazem alianças sistemáticas com o PT. Ela foi anunciada no congresso do partido como o nome para o Planalto e descarta desistir para uma aliança com a candidatura de Lula. Os aliados do ex-presidente, por outro lado, ainda esperam que o PCdoB volte para a órbita do PT e trabalham com a hipótese de Manuela ter como objetivo ser vice de Lula na disputa. O petista foi ao congresso do PCdoB em novembro, quando o nome de Manuela foi lançado, e elogiou bastante a deputada - disse que ninguém deveria ficar surpreso se ele aparecesse no palanque dela. 

9 - João Amoêdo (Novo)

Fundador do Partido Novo, legenda que se gaba por não utilizar recursos do Fundo Partidário e por fazer processos seletivos para definir candidatos, o empresário João Dionísio Amoêdo, ex-sócio do banco BBA, é o provável nome da legenda para 2018. Amoêdo foi apresentado em novembro como pré-candidato e já se afastou do comando do partido, pré-requisito para estar nas urnas, segundo o regulamento interno do Novo. Seu principal guru econômico deve ser o economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central no governo FHC, que deixou o PSDB para assumir a Fundação Novo. 

10 - Paulo Rabello de Castro (PSC)

Presidente do BNDES, o economista Paulo Rabello de Castro é a alternativa do PSC após a definição da provável saída de Jair Bolsonaro do partido. Rabello incorpora a mudança no direcionamento do partido cristão, que passou a focar menos as pautas conversadoras nos costumes e começou a se concentrar na defesa liberal de um estado mínimo. Antes do BNDES, Rabello comandou também o IBGE. 

Fonte: Veja





COMENTE!

DEM quer testar nome de Maia para presidente da República

Legenda investe no discurso de que ele é o único candidato com capacidade de "reunificar" a política nacional

DEM quer testar nome de Maia para presidente da República   
 Foto: DR

O DEM trabalha para lançar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), como candidato à Presidência da República em 2018. A legenda investe no discurso de que ele é o único candidato com capacidade de "reunificar" a política nacional, por ser hoje um dos poucos políticos com trânsito no governo e nos principais partidos da oposição (PT, PC do B e PDT), que o ajudaram a se eleger para o comando da Casa, além de manter boa relação com o Judiciário.  

O lançamento da pré-candidatura já tem data para acontecer: 6 de fevereiro, quando está marcada a convenção nacional do DEM. Ao lançar Maia, a estratégia do partido é testar o nome do presidente da Câmara nas pesquisas eleitorais. O parlamentar fluminense tem dito a aliados que só aceita disputar o Palácio do Planalto se atingir pelo menos 10% das intenções de voto. Nos últimos levantamentos, ele ainda patina, com menos de 5%.

"O Rodrigo tem os principais atributos que o legitimam a exercer essa função de candidato do centro: capacidade de diálogo, equilíbrio e serenidade para tomar decisões. Hoje é um presidente respeitado pelo governo e pela oposição, mostrando vocação para romper esse clima de intolerância política que agita o País", diz o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), um dos principais entusiastas da candidatura de Maia.

Em busca de apoio para se viabilizar como candidato, Maia atua em pelo menos duas frentes. Em uma delas, tenta se firmar como líder do Centrão, grupo do qual fazem parte partidos grandes e médios, entre eles PP, PR, PSD, PRB e PTB, e que está sem liderança desde a prisão do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na outra, investe numa aproximação com o PMDB do presidente Michel Temer, o qual trabalha por uma candidatura única da base aliada que defenda o legado de seu governo.

Com os movimentos, Maia busca afastar essas legendas do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), um dos nomes que tenta se viabilizar como o candidato de centro-direita apoiado pelos partidos da atual base aliada. Além do tucano, outro que se movimenta para ser esse candidato único da base é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), que se aproximou do presidente da Câmara nos últimos meses.

TV

Com apoio oficial desses partidos, Maia teria o maior tempo de televisão, o que o ajudaria a se tornar mais conhecido perante a população. Atualmente exercendo seu quinto mandato de deputado consecutivo, ele teve desempenho eleitoral pequeno no último pleito, em 2014. Naquele ano, o parlamentar fluminense se elegeu deputado com 53.167 votos, três vezes menos do que seu melhor desempenho nas urnas, que aconteceu em 2006 (198.770 votos).

"O Rodrigo, pela condição de presidente da Câmara e características de atuação política dele, converge muito com partidos de todas as matizes. Ele está construindo, num processo extremamente delicado, uma candidatura que pode vir a unir partidos do centro e juntar, mesmo que não coligados, mas com apoio, esquerda direita e centro", afirma o deputado Pauderney Avelino (AM), secretário-geral do DEM.

Planejamento Segundo Efraim, a candidatura de Maia vem sendo planejada estrategicamente. O primeiro passo, diz, foi fortalecer a bancada da sigla na Câmara, que elegeu 21 deputados em 2014 e deve dobrar de tamanho até março, segundo estimativa da legenda. "Isso dá capilaridade nos Estados", diz o líder. A segunda etapa será lançamento de 12 pré-candidaturas a governador em 2018 (BA, GO, AP, PE, RJ, SP, RS, DF, PA, MT, MS e RO), ante apenas duas em 2014.

"Estamos tentando ocupar espaço de centro, lacuna deixada pelo próprio PSDB, nos conflitos externos, brigas e disputas internas", afirma Efraim. De acordo com o líder, a pré-candidatura de Maia terá três "pilares": a agenda econômica, com foco no emprego e empreendedorismo; a social, tendo como "vitrine" a reforma do ensino médio feita pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, que é do DEM; e segurança pública, com propostas em "defesa da vida e da família".

"O Rodrigo tem cumprido papel fundamental para estabilidade econômica e política do Brasil. Tem articulação política interna, mas também espírito público para interpretar o que Brasil precisa", diz o deputado licenciado Rodrigo Garcia (SP), secretário estadual de Habitação de São Paulo e um dos vice-presidentes do DEM. "O Rodrigo terá um papel fundamental nas eleições de 2018, sendo ele o candidato a presidente ou não", emendou.

Procurado, o presidente da Câmara disse que em 2018 tentará se reeleger para o sexto mandato consecutivo como deputado e, se tiver sucesso, reeleição para Presidência da Casa. No Rio, diz, seu foco será eleger seu pai, o ex-prefeito César Maia (DEM), para o governo do Estado ou para uma das duas vagas do Senado. Ele defende que o DEM tenha candidatura própria a presidente e cita o nome do prefeito de Salvador, ACM Neto, e do senador Ronaldo Caiado (GO) como bons candidatos a presidente pela sigla.



Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

25 de dezembro de 2017

Collor admite vontade de concorrer ao Planalto em 2018

Senador teria conversado sobre a possibilidade com interlocutores, diz coluna

Collor admite vontade de concorrer ao Planalto em 2018 
 Foto: DR

O senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) vem falando que pretende se candidatar à Presidência nas eleições de 2018. As informações são da coluna Expresso, do site da revista Época, deste domingo (24).  

Segundo a publicação, o parlamentar considera a possibilidade por seu mandato no Senado terminar apenas em 2022.  

No entanto, Collor responde a investigações no Supremo Tribunal Federal (STF), o que poderia prejudicar uma eventual campanha.  


Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Campanha de Lula recebeu US$ 40 milhões do exterior, diz Palocci

Ex-ministro tenta homologação de delação junto a procuradores da Lava Jato

Campanha de Lula recebeu US$ 40 milhões do exterior, diz Palocci 
 Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters  

Ex-ministro do governo Lula, Antonio Palocci está em tratativas de um acordo de delação premiada com o Ministério Público. Uma das informações concedidas pelo ex-petista, segundo o jornalista Lauro Jardim, é a de que a campanha eleitoral do ex-presidente Lula teria recebido US$ 40 milhões vindos do exterior.  

Parte deste valor - US$ 1 milhão - teria sido enviado pelo ex-ditador líbio Muamar Kadafi, capturado e morto em outubro de 2011.

Palocci está preso desde setembro do ano passado após condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro praticados durante os governos Lula e Dilma - ele foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 12 anos, 2 meses e 2' dias de prisão.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

22 de dezembro de 2017

Marin é condenado em seis acusações do Caso Fifa

Ex-presidente da CBF foi julgado nos EUA e ainda poderá recorrer

Marin é condenado em seis acusações do Caso Fifa 
 Foto: REUTERS/Stephen Yang  

A Justiça americana condenou nesta sexta o ex-presidente da CBF José Maria Marin por seis crimes. O ex-dirigente está preso nos Estados Unidos desde 2015 após virem à tona os escândalos envolvendo líderes de confederações e membros da Fifa.  

Segundo o GloboEsporte.com, a juíza Pamela Chen ainda não definiu a pena de Marin, que aguardará a decisão, que não tem data para acontecer, em prisão domiciliar.

Caso seja enquadrado com o máximo de cada pena, o ex-presidente da CBF pode pegar até 60 anos de prisão, mas esse número é improvável, afirma a reportagem. Vale lembrar que a sentença foi dada em primeira instância e que ainda cabe recurso.

No mesmo julgamento, Juan Angel Napout, ex-presidente da Conmebol, também foi condenado. Assim como Manuel Burga, ex-líder do futebol no Peru. As sentenças de cada um deles também ainda não foi proferida pela juíza do caso.

Entre os crimes de Marin está o de recebimento de propinas de cerca de 6,5 milhões de dólares de 2012 a 2015. Os pagamentos eram feitos por empresas de marketing esportivo para levar vantagens em direitos de transmissão e presença em competições.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

21 de dezembro de 2017

Governo vai acionar a Justiça para receber R$ 316 milhões

Wellington Dias determinou que a PGE acione receber o valor do empréstimo

Governador do Piauí, Wellington Dias 
 Foto: Seadprev

O governador Wellington Dias (PT) determinou ao procurador-Geral do Estado, Plínio Clêrton, que ingresse com uma ação da Justiça para receber do Governo Federal os R$ 316 milhões relativos ao empréstimo contraído junto à Caixa Econômica Federal para obras e investimentos no Piauí. O empréstimo foi aprovado pelo Tesouro Nacional e pela Assembleia Legislativa. 

“Acabei de receber uma boa notícia da Bahia, onde o governador conseguiu, na Justiça, a liberação de empréstimo, junto ao Banco do Brasil, que também já tinha sido autorizado em todas instâncias. Por isso estamos adotando as mesmas providências para que seja liberado aqui no Estado”, adiantou o governador, durante a inauguração do Centro de Atenção à Saúde do Servidor Público, no Centro de Teresina. 

Veja o vídeo!  




Fonte: PGE
Editor: Paulo Pincel 

COMENTE!

20 de dezembro de 2017

TRE-PA cassa mandato do deputado federal Wladimir Costa

Ele chamou a atenção este ano, após divulgar falsas tatuagens em homenagem ao presidente Michel Temer (PMDB) e também após acusações de assédio sexual

TRE-PA cassa mandato do deputado federal Wladimir Costa 
 Foto: Antônio Barboza / Divulgação do Solidariedade  

O deputado federal Wladimir Costa (SD-PA), que ganhou fama em 2017 graças a uma série de acontecimentos polêmicos, foi condenado nesta terça-feira (19), por unanimidade, no Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) por abuso de poder econômico e gastos ilícitos na campanha eleitoral de 2014.  

De acordo com o 'G1', com a decisão, o parlamentar perde o mandato de deputado federal e ainda fica inelegível por oito anos. Ele chamou a atenção este ano, após divulgar falsas tatuagens em homenagem ao presidente Michel Temer (PMDB) e também após acusações de assédio sexual. 

Essa não é a primeira vez que Wladimir Costa é condenado pelo TRE-PA a perder o mandado. Na época, a Corte julgou a arrecadação e gastos ilícitos na campanha eleitoral do deputado. Costa declarou que gastou R$ 642.457,48 durante sua campanha, mas segundo o MPE, o candidato deixou de declarar R$ 149.950 em despesas de material gráfico, além de mais de R$ 100 mil em despesas efetuadas entre julho e setembro do ano eleitoral de 2014, que não constam na prestação de contas.

Ainda de acordo com informações do portal G1, o deputado recorreu da decisão.



Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

Lula atinge ápice de aprovação, mostra pesquisa Ipsos

Outros possíveis candidatos à Presidência, como Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Jair Bolsonaro (PSC), sofrem desgaste na imagem

Lula atinge ápice de aprovação, mostra pesquisa Ipsos 
 Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino  

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) atingiu o ápice de aprovação na série histórica das pesquisas Barômetro Político Estadão-Ipsos, enquanto outros possíveis candidatos, como Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Jair Bolsonaro (PSC), sofrem desgaste na imagem. Em dezembro, Lula teve seu sexto mês seguido de melhora na avaliação, chegando a 45% de aprovação. A parcela da população que o desaprova, no entanto, ainda é maior: 54%.  

O levantamento do Ipsos, porém, não estima as chances eleitorais dos presidenciáveis. A pesquisa mede apenas as taxas de aprovação e desaprovação de uma lista de personalidades, a maioria do mundo político.

Em junho, o ex-presidente era aprovado "um pouco" ou "totalmente" por 28% dos brasileiros, segundo o instituto. Nos meses seguintes, a taxa passou para 29%, 32%, 40%, 41%, 43% e, finalmente, 45%. Já a desaprovação caiu 14 pontos porcentuais desde junho.

Para Danilo Cersosimo, diretor do Ipsos, a mudança de percepção sobre o ex-presidente está vinculada à crise da rede de proteção social no País. "Lula é bastante associado a causas sociais, e essa associação é relevante em um momento de degradação do emprego, da economia e dos programas de assistencialismo e fomento de políticas públicas de combate à desigualdade, que vem aumentando no Brasil."

No próximo mês, será julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) um recurso apresentado pelo ex-presidente contra a condenação a 9 anos e 6 meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Lula foi acusado de receber um apartamento no Guarujá como propina da empreiteira OAS. O recurso será analisado no dia 24 de janeiro - se a condenação for confirmada, o petista poderá ficar legalmente impedido de concorrer novamente à Presidência da República.

Quedas

Geraldo Alckmin aparece na pesquisa Ipsos com 19% de aprovação e 72% de desaprovação. No levantamento do mês anterior, as taxas eram, respectivamente, de 24% e 67%. Isso significa que o governador paulista teve uma leve deterioração na imagem no momento em que se preparava para assumir a presidência do PSDB.

Jair Bolsonaro, que tem aparecido em segundo lugar em pesquisas de intenção de voto, atrás de Lula, é aprovado por 21% e reprovado por 62%, segundo o Ipsos. Houve piora de suas taxas em relação aos dois levantamentos anteriores.

A mesma tendência foi observada nos números relativos a Marina Silva, vista favoravelmente por 28% e desaprovada por 62% - desde outubro, a aprovação caiu oito pontos.

No mesmo período, a aprovação a Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e citado como possível presidenciável pelo PSB, caiu onze pontos, de 48% para 37%.

Metodologia

A pesquisa Ipsos não é de intenção de voto. O que os pesquisadores dizem aos entrevistados é o seguinte: "Agora vou ler o nome de alguns políticos e gostaria de saber se o (a) senhor (a) aprova ou desaprova a maneira como eles vêm atuando no País".

O Barômetro Político Estadão-Ipsos é uma pesquisa mensal que monitora a opinião da população sobre personalidades do mundo político e jurídico. Nenhum presidenciável tem taxa de aprovação maior do que a de desaprovação. Dos 24 nomes monitorados em dezembro, apenas Luciano Huck tem avaliação positiva superior à negativa. O apresentador já anunciou que não vai disputar a Presidência.

Na primeira quinzena deste mês, foram feitas 1.200 entrevistas em 72 municípios do País - a margem de erro é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

19 de dezembro de 2017

Wellington participa de posse da nova presidência do TRE

O governador parabenizou a antiga gestão e mantém expectativas positivas

Posse do Presidente e Vice do TRE 
 Foto: Reprodução 

O governador Wellington Dias participou, nesta terça-feira (19), da solenidade de posse da nova presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI). Assumem os desembargadores Francisco Antônio Paes Landim Filho e Sebastião Ribeiro Martins, nos cargos de presidente e vice-presidente e corregedor Regional Eleitoral, respectivamente, para o biênio 2018/2019. 

Na oportunidade, o governador parabenizou a antiga gestão e mantém expectativas positivas. "O TRE tem uma participação federal e estadual com o comando de desembargadores do Tribunal de Justiça do Piauí. Joaquim Santana e o Edvaldo Moura completaram a última gestão com êxito, que muito contribuiu para a democracia e para a justiça eleitoral. Esse trabalho de excelência vai ser continuado pelos novos nomes que assumem”, afirmou Wellington Dias.

“Foi um grande prazer trabalhar durante esses dois anos para contribuir com a justiça eleitoral para o povo piauiense. Tenho certeza que os novos desembargadores empossados continuarão nossos serviços e darão mais contribuições para a democracia do país” comentou o desembargador Joaquim Santana.

O novo presidente do TRE, Francisco Paes Landim, falou sobre os planos para o próximo ano e destacou a importância do
processo eleitoral. "2018 é um ano de eleição e temos a expectativa de muito trabalho, mas é preciso que se relembre que o Tribunal Regional Eleitoral não vive apenas para presidir as eleições. Existe um trabalho de pré e pós eleições que o Tribunal desempenha, que é justamente verificar se os trabalhos das urnas são legítimos e essa legitimidade se dá por meio de pesquisas econômicas, políticas e sociais dos candidatos.  Agora iniciaremos um trabalho político de consciência para produzirmos eleições democráticas e significativas para o próximo ano” pontuou.
 


Autoria: Lorenna Costa
Fonte: Ccom 

COMENTE!

PMDB aprova mudança de nome e volta a se chamar MDB

Decisão era um dos itens da pauta da convenção extraordinária da sigla, realizada nesta terça-feira (19)

PMDB aprova mudança de nome e volta a se chamar MDB 
 Foto: Igo Estrela/PMDB Nacional  

Para um auditório esvaziado, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), anunciou que os integrantes do partido aprovaram a mudança do nome para MDB (Movimento Democrático Brasileiro), como era chamado durante o regime militar.  

A decisão era um dos itens da pauta da convenção extraordinária da sigla, realizada nesta terça-feira, 19, em Brasília.

O MDB foi criado em 1966, para fazer oposição à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido que dava sustentação à ditadura militar. O fim do bipartidarismo, em 1979, levou à reorganização do quadro partidário e fez o MDB virar PMDB.

A mudança do nome, às vésperas do ano eleitoral, é uma estratégia para dar uma repaginada na sigla após Michel Temer assumir a Presidência da República.

Dirigentes negam que a alteração seja uma tentativa de "esconder" a sigla atrás de uma nova marca, já que a cúpula da legenda e o próprio Temer têm sido alvo de escândalos de corrupção, especialmente no âmbito da Operação Lava Jato.

Durante o evento, foi apresentado um vídeo e um jingle com uma espécie de slogan que deve ser usado pela legenda: "Quem move o Brasil é o MDB."

Jucá também afirmou que serão criados novos grupos setoriais para atender alas do partido como os evangélicos e o núcleo ambientalista.

Temer, que chegou a cancelar a sua participação por medo de rachas e vaias durante a convenção, voltou atrás e decidiu participar do evento.

O cancelamento gerou especulações sobre a saúde do peemedebista após ele passar por três cirurgias nos últimos 45 dias.



Fonte: Estadão Conteúdo 

COMENTE!

Ministro Fachin determina prisão de Paulo Maluf

Parlamentar foi condenado, em maio, a mais de sete anos em regime fechado

Ministro Fachin determina prisão de Paulo Maluf 
 Foto: Leonardo Prado/ Câmara dos Deputados  

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) teve recurso rejeitado pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), e deverá iniciar o cumprimento de pena em regime fechado. Em maio, o parlamentar foi condenado a sete anos, nove meses e dez dias de prisão pelo STF por crime de lavagem de dinheiro. Recorreu, mas teve o pedido rejeitado por Fachin.  

Em declaração ao jornal O Globo, o advogado do deputado, Antonio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, criticou a determinação do ministro. "Não conheço nenhuma decisão que coloque dúvida a possibilidade de interposição de embargos quando há votos vencidos. E temos votos vencidos na preliminar e no mérito. Sequer consigo entender a decisão dele. Nunca vi essa decisão em absolutamente nenhum lugar."  


Fonte: Notícias ao Minuto 

COMENTE!

18 de dezembro de 2017

'No Brasil, não temos muito apreço pela organização', diz Temer

Em almoço com generais das Forças Armadas, presidente decidiu discursar de improviso

'No Brasil, não temos muito apreço pela organização', diz Temer 
 Foto: Marcos Corrêa/PR  

O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (18) que a sociedade brasileira não tem muito apreço pela hierarquia e pela organização.  

Em almoço com generais das Forças Armadas, no qual decidiu discursar de improviso, o peemedebista fez a análise quando elogiava a disciplina e o respeito às regras dos oficiais militares.

"O Brasil se posicionou no mundo de maneira muito positiva em função da presença disciplinada, hierarquizada e organizada das Forças Armadas. E nós no Brasil, convenhamos, não temos muito apreço pela hierarquia, no geral, pela organização", disse.

O peemedebista disse também que não se tem no país muito apreço pelas instituições, defendendo a necessidade de se reinstitucionalizar o país. "Certa solenidade, certa cerimônia no trato entre os poderes da República é fundamental", defendeu.

No discurso, após evento de condecoração de generais, o presidente criticou o fato de gerar especulações encontros entre representantes do Executivo e do Judiciário. Segundo ele, achar que ele é capaz de influenciar um ministro é algo "desmoralizante" para o magistrado.

Desde que assumiu o Palácio do Planalto, Temer se reúne frequentemente, em encontros fora da agenda oficial, com o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes. O ministro se tornou um dos principais conselheiros do presidente sobre questões jurídicas.

"Se alguém do Executivo fala com alguém do Judiciário, já gera uma especulação, o que é desmoralizante para quem ouve. Se eu falo com alguém do Judiciário e sou capaz de influenciá-lo a ponto dele mudar uma opinião pessoal ou jurídica, é porque ele não se presta ao cargo que exerce", disse.

Em sua fala, ele exaltou a liberdade de imprensa e disse que a atuação dela como fiscalizadora é importante para ajudar a governar o país. Apesar da defesa aos veículos de comunicação, não foi permitido aos jornalistas ou cinegrafistas entrar na cerimônia.



Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

Luciano Nunes destina emendas e Uespi recebe equipamentos

“Fico muito feliz em contribuir mais um ano com as demandas da Universidade Estadual do Piauí

 
 Foto: Reprodução

A Universidade Estadual do Piauí (UESPI), campus Clóvis Moura, localizada no bairro Dirceu, foi contemplada com mobiliários e equipamentos novos que foram adquiridos com recursos de emenda destinada pelo deputado estadual Luciano Nunes. Os equipamentos foram entregues no final da tarde de ontem pelo parlamentar e o reitor da instituição, Nouga Cardoso.

O valor da emenda foi de R$103.366 e o recurso foi utilizado para a compra de móveis para as coordenações dos cursos e sala de professores, bebedouros, ar-condicionado, equipamentos de som, suíte de internet, entro outros. De acordo com o diretor do Campus Clóvis Moura, Renê de Aquino, o recurso veio em uma hora oportuna e supriu a instituição de equipamentos necessários para melhor atender a comunidade acadêmica.

“Esta aquisição é muito bem-vinda, pois permitirá a substituição dos mobiliários antigos por novos e melhores, e trará conforto e qualidade aos alunos, professores e técnicos da instituição, bem como melhores condições de trabalho e de estudo”, destacou o diretor.

Segundo o reitor da UESPI, Nouga Cardoso, é uma felicidade contar com a parceria do poder legislativo e com a sensibilidade do deputado estadual Luciano Nunes para a melhoria da instituição. Ficamos muito agradecidos e felizes com este recurso, que foi muito bem utilizado na UESPI. Investimos em equipamentos e mobiliários necessários para o bem estar tanto dos profissionais, quanto dos alunos”, ressaltou.

O deputado Luciano Nunes já tinha destinado no ano passado R$100 mil das suas emendas parlamentares para a UESPI do campus Clóvis Moura, que foram 100% executadas. “Fico muito feliz em contribuir mais um ano com as demandas da Universidade Estadual do Piauí. A Instituição já oferta um serviço de qualidade para a comunidade, mas ainda é carente em muitos aspectos. Reconhecemos a importância da instituição para Estado e esperamos que a UESPI continue colhendo bons frutos no que diz respeito à Educação Superior, afirmou Luciano Nunes.


Ascom Parlamentar - Edição: Katya D'Angelles
Fonte: Alepi 


COMENTE!

Presidente Funasa anuncia R$ 120 milhões para o Piauí

Os recursos serão liberados graças ao empenho do senador Ciro Nogueira

Solenidade na APPM em Teresina 
 Foto: APPM

O presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Rodrigo Dias, participou , na manhã desta segunda-feira (18), de solenidade na sede da Associação Piauiense de Municípios (APPM), em Teresina, quando anunciou a liberação de R$ 120 milhões para obras de saneamento e para ações de combate à seca no Piauí. Os recursos serão liberados graças ao empenho do senador Ciro Nogueira (Progressistas) e vão beneficiar 190 municípios piauienses. 

“Estamos trazendo 50 milhões de reais de recursos já empenhados nas contas dos municípios, também iremos anunciar mais 70 milhões de reais que são resultado do chamamento nacional da Funasa”, adiantou o presidente da Funasa, explicando que os recursos serão investidos em saneamento rural, melhorias habitacionais para o combate da doença de Chagas e também para melhorias sanitárias domiciliares, uma ação que a Funasa desenvolve há anos. "Fora isso, mais 20 caminhões compactadores que serão destinados a 20 municípios diferentes do Estado", acrescentou Rodrigo Dias. 

Presidente da Funasa, Rodrigo Dias
 Presidente da Funasa, Rodrigo Dias 

O presidente da APPM, Gil Carlos Modesto, lembrou que o Piauí vive o sétimo ano consecutivo de seca, com algumas cidades em situação crítica, inclusive para o abastecimento das famílias que residem em vários municípios. "Os recursos vêm de maneira muito oportuna para que os municípios possam investir em obras e equipamentos para garantir a segurança hídrica dos seus cidadãos”, ressaltou Gil Carlos. 

Presidente da APPM, Gil Carlos, com Rodrigo Dias
 Presidente da APPM, Gil Carlos, com Rodrigo Dias 

O senador Ciro Nogueira lembrou que a bancada federal do Piauí no Senado e na Câmara trabalham para regularizar a situação de 60 municípios que estão impedidos de receber recursos federais por terem as contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado ou por inadimplência junto go governo federal. "Nós abmeos que a maioria dessas problemas não foram provocados pelos atuais gestores", lembrou o senador.
Senador Ciro Nogueira (Progressistas)
 Senador Ciro Nogueira (Progressistas)  



Fonte: APPM/Funasa


COMENTE!

17 de dezembro de 2017

Dilma cogita disputar vaga no Senado pelo Piauí

No Rio Grande do Sul, o PT deixou Dilma de lado e já escolheu o senador Paulo Paim como candidato à reeleição para o Senado

Dilma cogita disputar vaga no Senado pelo Piauí 
 Foto: Getty Images

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) cogita se candidatar ao Senado em 2018. No entanto, ainda não está definido por qual Estado a petista será candidata. Dilma nasceu em Minas Gerais, mora no Rio Grande do Sul e avalia se candidatar pelo Piauí.

Segundo destaca o colunista Josias de Souza, do UOL, está não é a primeira vez que Dilma cogita ser candidata do Piauí. A possibilidade foi discutida há cinco meses e chegou a causar certo desassossego no PT piauiense, forçando o governador a negar que estivesse negociando com Dilma a transferência do domicílio eleitoral dela de Porto Alegre para Teresina.

No Rio Grande do Sul, o PT deixou Dilma de lado e já escolheu o senador Paulo Paim como candidato à reeleição para o Senado. Se a ex-presidente for candidata pelo Piauí, ela não irá enfrentar Aécio Neves, que já se declarou disposto a pleitear junto ao eleitorado mineiro a renovação do mandato.


Fonte: Noticías ao Minuto  



COMENTE!

16 de dezembro de 2017

Luciano Hulk causa histeria no Maranhão

Foi no município de Bacuri

Uma verdadeira histeria popular se verificou, ontem, no município de Bacuri, no Baixo Parnaíba Maranhense, quando o apresentador Luciano Hulk chegou para fazer uma filmagem para seu programa.Mulher, rapazes e crianças se descontrolaram e por pouco Luciano, que desistiu da candidatura a Presidente da República, não teve as suas roupas rasgadas. O apresentador da Rede Globo de Televisão teve que pedir calma várias vezes aos populares. Policiais da região foram obrigados a intervir várias vezes para garantir a segurança do profissional.Veja o vídeo


COMENTE!

Radialista é encontrado morto dentro de casa

Geovane Santos foi esfaqueado na madrugada deste sábado

A Polícia do Maranhão conseguiu  desvendar, nas últimas horas, o assassinato do radialista Geovane Santos, encontrado esfaqueado dentro de sua residência, ao amanhecer deste sábado. Um homem identificado apenas como Thiago foi preso na zona rural do município e  há informações de que confessou o crime. Até o momento não foi revelada a motivação e a cidade ficou consternada com o crime em função da popularidade do radialista.

Uma guarnição militar foi responsável pela prisão do acusado que está sendo submetido a interrogatórios. Até hora populares levantam várias versões em torno do crime. Dentro das próximas horas a Secretaria de Segurança do Estado do Maranhão deve oferecer a versão oficial sobre o crime.

O radialista morto


A operação da policia 

COMENTE!

14 de dezembro de 2017

Dudu critica subsídios da PMT para o Setut e a criação de cargos comissionados na Strans

O vereador criticou a forma como vem sendo feita distribuição e os repasses de verbas da Prefeitura de Teresina

 
Vereador Dudu (Foto: Reprodução)

O vereador Dudu criticou a forma como vem sendo feita distribuição e os repasses de verbas da Prefeitura de Teresina. Para o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut), em 2016 foram repassados R$ 13 milhões como subsídios às passagens de transporte público da capital. O valor deveria ser investido na melhora e qualificação do sistema, mas segundo o petista a realidade é outra para os usuários do transporte público da cidade.

“Temos esse repasse de R$ 13 milhões para o Setut, para investimentos em transporte público e o transporte continua de péssima qualidade. Temos que rever esses repasses, saber o que acontece, pois, a população paga caro e o sistema de transporte é ruim mesmo recebendo esse montante expressivo da Prefeitura. Enquanto áreas como as políticas para mulheres e juventude da capital recebem menos da metade desse valor as duas para realizar suas ações. Por isso continuamos defendendo a redistribuição dos recursos do orçamento 2018”, afirmou Dudu.

Outro ponto criticado pelo petista é o projeto de lei 307 da Prefeitura Municipal de Teresina (PMT) que cria novos cargos comissionados para a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans). No total são seis novas vagas, com salários de até R$ 6 mil para a Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari), responsável por julgar as infrações de trânsito em Teresina.

“Está sob vista do nosso mandato outra armação da Prefeitura, um projeto para criar cargo comissionado na Strans, seis cargos a mais, 12 cargos comissionados. O parecer técnico da câmara deu contrário. Não é sequer mencionado na ementa o motivo dessa reformulação da Strans. A Jari é a junta que julga as multas nessa indústria da multa em Teresina.  Pois o prefeito Firmino está inovando, ele quer pagar os julgadores da Jari. Isso não tem como a gente não ir ao Ministério Público. A câmara inclusive diz, no seu parecer técnico que você não pode remunerar membros de conselho nenhum, ainda mais remunerar quem vai julgar as multas. Imagina, chega uma multa ilegal para a população e quem vai julgar é alguém indicado, subjugado ao Prefeito e ao Secretário”.  


Fonte: Câmara Municipal de Teresina 

COMENTE!

Robert Rios comenta nova fase da Operação Lava Jato

Segundo o parlamentar essa operação ,onde a PF apura desvios de recursos públicos

 
 Foto: Reprodução

“Hoje, novamente, o Brasil foi surpreendido por uma nova operação da Polícia Federal (PF) lá no Congresso Nacional, mais precisamente, na Câmara Federal”. Essa foi a fala inicial do deputado Robert Rios (PDT) na manhã de hoje (13), no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Piauí (Alepi), durante o tempo de dois minutos, destinados aos pequenos avisos.

Segundo o parlamentar, essa é uma fase nova da Operação Ápia, onde a PF apura desvios de recursos públicos, praticados por políticos e que nesta fase estão sendo investigados um deputado e uma deputada, que teriam se locupletado como parte desses recursos.

Robert Rios ressaltou que esses recursos dizem respeito a um empréstimo, de um Banco Mundial, igualmente ao que o Piauí também tomou, na mesma época, no valor de mais de um bilhão de reais. O parlamentar disse que parte desses recursos ficaram com agentes políticos.

“Quando eu vejo, deputados e senadores em Brasília, ligando para liberar dinheiro de empréstimo que já está sendo investigado, aqui, no Piauí, eu fico preocupado”, observou o deputado, que fez ainda uma alerta para os deputados e senadores do Estado, para tomarem cuidado, nessa pressa de liberar empréstimo da Caixa Econômica para o governo.

Ele disse ainda que esse empréstimo está, na sua inteireza, sobe suspeição, inclusive com investigação, já feita pela oposição, junto ao Ministério Público e a Polícia Federal. “Eu tenho certeza que a Polícia Federal vai investigar esses dois empréstimos, o do Banco Mundial e o da Caixa Econômica, e eu não quero que nenhum deputado do Piauí tenha a surpresa desagradável, de ter as suas residências, seus escritórios e seus gabinetes parlamentar, invadido, pela Polícia Federal. Fica o alerta”, finalizou o deputado Robert Rios.

 

Lindalva Miranda
Fonte: Alepi 

COMENTE!

13 de dezembro de 2017

'Não quero ser candidato se for culpado', diz Lula

Julgamento do ex-presidente em 2ª instância foi marcado para 24 de janeiro

'Não quero ser candidato se for culpado', diz Lula 
 Foto: Ricardo Stuckert / Divulgação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira (13) que não vai se esconder atrás de uma candidatura e que brigará "até as últimas consequências" para disputar o Palácio do Planalto em 2018.  

O discurso do petista, durante reunião com as bancadas do PT na Câmara e no Senado, em Brasília, foi sua primeira reação pública à decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região de marcar o julgamento do caso triplex para 24 de janeiro.

O petista afirmou ainda que não quer ser candidato se for culpado e que seria uma "leviandade" disputar a Presidência da República no ano que vem se houvesse "alguma prova" contra ele.

"Não quero ser candidato por ser candidato, não quero ser candidato se for culpado. Seria leviandade. Quero brigar para provar minha inocência. Eles que apresentem uma única prova de culpa contra mim", afirmou.

"A única coisa que não quero é ser condenado [sendo] inocente. Por isso vou brigar até as últimas consequências. A tentativa é para evitar que o PT volte ao poder. No Brasil ainda estamos meio anestesiados", completou.

De cenho fechado, Lula aparentou apreensão na maior parte do encontro. Penteava o bigode com o indicador direito, habitual cacoete de quando está tenso, e não se concentrava totalmente nas palavras dos colegas de partido.

Durante o discurso, porém, adotou tom mais combativo e imprimiu em sua fala a estratégia de disputa política que será a bandeira de sua eventual campanha, pedindo que o PT "erga a cabeça" e enfrente os críticos e adversários.

A tese ecoada pelo ex-presidente é de que a Justiça quer acelerar o processo para que ele fique fora das eleições de 2018. Se Lula for condenado pelo TRF-4, ficará inelegível devido à Lei da Ficha Limpa. Ele pode, porém, se manter na disputa eleitoral por meio de recursos.

A data do julgamento surpreendeu o ex-presidente e aliados, que esperavam um agendamento para março, o que permitiria à defesa postergar a decisão com recursos até o prazo para a inscrição dos candidatos, em agosto de 2018.

Publicamente, porém, Lula preferiu dizer que não criticaria a "pressa" da Justiça, que sempre acusou de demorada.

"Não posso falar muito sobre a data. Sempre critiquei a Justiça morosa. Agora que eles apressaram, eu não vou criticar. Eu não faço um monte de coisa que eu queria. Se eu pudesse, marcaria a data para depois das eleições. Eles façam o que quiserem. Só quero que eles leiam o processo", disse.

Eleito novo líder da bancada do PT na Câmara durante o encontro, o deputado Paulo Pimenta (RS) classificou como "declaração de guerra" o fato de o tribunal ter marcado o julgamento para 24 de janeiro. Segundo ele, a data é uma "desfaçatez", pois é quando completa um ano do AVC de Marisa Letícia, mulher do ex-presidente, morta em fevereiro após o acidente vascular cerebral.

Ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, Eugênio Aragão fez um rápido discurso e disse que a rapidez com que o julgamento de Lula foi marcado na segunda instância mostra que o relator do caso, o juiz federal João Pedro Gebran Neto, "não está com boa intenção".

Diante de Lula, Aragão disse que os petistas precisam "manter a serenidade" e "expressar isso para a mídia". "Acredito que tem muita água para passar por debaixo dessa ponte", concluiu o ex-ministro.

TEMPO RECORDE

O processo de Lula tem tramitado em tempo recorde no TRF-4. Foram 42 dias entre a condenação e o início do andamento do recurso na segunda instância. Na média, o período é de 102 dias desde a conclusão do voto do relator até o julgamento. No caso do petista, este intervalo será de 52 dias.

Em nota, a defesa de Lula afirma que agora também precisa debater o caso "sob a perspectiva da violação da isonomia de tratamento, que é uma garantia fundamental de qualquer cidadão".

Uma eventual prisão do petista, em tese, pode acontecer após todos os recursos se esgotarem no Tribunal Regional Federal.

Lula foi condenado por Moro em julho deste ano a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex reformado pela OAS.

O ex-presidente é acusado de receber R$ 3,7 milhões de propina da empreiteira em decorrência de contratos da empresa com a Petrobras. O valor, segundo procuradores, se referia à cessão pela OAS do apartamento, a reformas feitas pela construtora neste imóvel e ao transporte e armazenamento de seu acervo presidencial.

A defesa nega que Lula tenha cometido crimes.



Fonte: Com informações da Folhapress.


COMENTE!

PMDB rejeita sabatina do Governo na Assembléia

O partido quer definir sua participação na chapa de Wellington

O PMDB está disposto a não votar a indicação do novo presidente da Agespisa, Genival Sales, vereador do PT de Piripiri indicado pelo deputado federal Assis Carvalho, se não houver uma conversa definitiva com Wellington Dias sobre a posição do partido na chapa de reeleição. O líder do Governo na Assembléia, deputado João de Deus, chegou a dizer que o deputado João Madson Nogueira, líder do PMDB na Assembléia,  "está fazendo chantagem". O peemedebista, ao que consta, não respondeu à provocação mas o que se sabe é que o partido não está mais disposto "a levar pancada e fazer tudo que o Governo quer", como revelou um deputado para este repórter. Dirigentes do PMDB estão irritados com declarações de  Assis Carvalho, defendendo o nome de Margarete Coelho, para ser a vice de Wellington.

Resultado de imagem para Deputado João de Deus

Deputado João de Deus         (Foto: Reprodução)

COMENTE!